F1

Brawn diz que viu “sinais encorajadores” na Austrália de que nova asa dianteira facilita ultrapassagens

Ross Brawn, diretor esportivo da F1, crê que o GP da Austrália deu os primeiros sinais de que o novo regulamento para a asa dianteira, simplificada, vai cumprir seu objetivo: aumentar as ultrapassagens na categoria

Grande Prêmio / Redação GP, de São Paulo
Apesar da percepção geral de que o novo regulamento, que simplifica a asa dianteira com o objetivo de aumentar o número de ultrapassagens, não tenha se mostrado tão útil na primeira corrida do ano, Ross Brawn pensa diferente.

Diretor esportivo da F1, ele diz que viu "sinais encorajadores" de que a nova asa, sim, ajudou os pilotos a passarem seus rivais. Foram 18 ultrapassagens em Melbourne, sendo seis sem o uso de DRS. Em 2018, a pista australiana viu apenas cinco.
Ross Brawn (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)
"Julgando pelo número que vimos na corrida, comparado ao de 2018, os sinais iniciais são encorajadores. Especialmente porque, além de ultrapassagens, vimos batalhas emocionantes", comentou Brawn.

"Claramente elas não foram todas por causa da nova aerodinêmica dos carros, já que os desempenhos das equipes de meio do grid estão especialmente próximos. Mas muitos pilotos disseram que os carros pareceram mais neutros ao seguir outros do que nos anos anteriores", seguiu.

Para ele, de qualquer forma, ainda é cedo para julgar de forma positiva definitivamente: "A pista da Austrália não é o teste perfeito, então prefiro esperar ao menos mais três corridas antes de concluir algo. Mas os sinais são bons", concluiu o dirigente.