Cansado da Honda, Alonso se vê com mais possibilidades do que nunca na carreira: “Minha ambição é sempre vencer”

Depois da catarse que foi a incrível participação nas 500 Milhas de Indianápolis, Fernando Alonso volta seu foco para a F1. E, cada vez mais, dá indícios de que pode mesmo não continuar na McLaren. O que o bicampeão deseja é voltar a ter um carro para enfim ter chances de lutar por títulos e vitórias

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : ‘pt’
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : ‘inread’
,minSlot : 1
,components : { mute: {delay :3}, skip: {delay :3} }
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

A incrível jornada de Fernando Alonso em Indianápolis mostrou que, no fim das contas, o espanhol segue sendo um dos melhores pilotos do mundo. A bordo de um carro até então pouco conhecido, Fernando viveu um maio empolgante e conseguiu ser competitivo o tempo todo, sendo um dos destaques da Indy 500 até depois que o motor Honda do seu carro quebrou quando restavam perto de 20 voltas para o fim da prova. Ao término da sua participação, Alonso festejou por se sentir novamente competitivo e na luta pelas primeiras posições. Desde 2014 o piloto não liderava uma corrida.

 
Agora, o foco de Alonso está novamente voltado à F1. E enquanto tem de lidar com os problemas e a falta de confiabilidade da McLaren-Honda, Fernando pensa no futuro. Embora não tenha nada ainda definido, ao menos publicamente, o bicampeão considera qualquer possibilidade visando 2018, quando vai estar livre do seu vínculo com o time britânico.
 
Em entrevista à agência de notícias ‘EFE’, Alonso ressaltou que está cansado dos problemas, sobretudo do motor Honda. Por isso, indica que poderá deixar a McLaren no fim do ano. Sobre seguir em uma F1 que o empolga bem mais que nos últimos anos, Fernando deixa claro que quer, acima de tudo, um carro vencedor.
Depois da "melhor experiência da vida", Fernando Alonso volta a focar na F1 (Foto: IndyCar)
“A única coisa que nos falta é sermos competitivos. Na Honda, não tiramos todo o potencial possível do motor, e ocasiões assim frustram porque você tanta dar tudo em um fim de semana, e se quebra no último momento, isso te cansa um pouco”, comentou o piloto durante entrevista em Nova York, onde está depois que deixou Indianápolis e aguarda até o embarque para Montreal, palco do GP do Canadá, entre 9 e 11 de junho.
 
“Os carros se tornaram muito mais vistosos, de modo que estou contente. No geral, acho que a F1 goza de uma saúde muito boa agora. Mas vai continuar havendo muita diferença entre as equipes e não há lugar para improviso ou surpresas, porque mais ou menos você sabe quem vai vencer corridas”, salientou
 
Alonso se vê com “mais possibilidades do que nunca” na F1, menos na Red Bull. “Ainda está cedo. Depois do verão, quero analisar todas com calma e ver qual vai me atrair mais. Não descarto nada e estou aberto a tudo, com desejo de continuar curtindo. Minha ambição é sempre vencer”, afirmou.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Por fim, o piloto aproveitou para promover a sua grife de roupas, a Kimoa, e não deixa de se ver no lema adotado para a empresa, seja nas decisões que não deram muito certo em tempos recentes na F1 ou então nos últimos dias, quando surpreendeu o mundo e seguiu para a Indy, fato que mobilizou todo o mundo do esporte a motor. 

 
“O lema ‘não se renda nunca’ se encaixa bem comigo, com o desejo de explorar e de não ter medo de provar coisas novas. Para ter sucesso e conseguir algo na vida, é preciso arriscar. Pode dar certo ou errado, mas para que dê certo, é preciso tentar”, finalizou.
 
ALONSO ATINGE NOVO PATAMAR NA HISTÓRIA DO AUTOMOBILISMO NA ESPETACULAR INDY 500

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = ‘ca-pub-6830925722933424’;
google_ad_slot = ‘8352893793’;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(‘crt_ftr’).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(‘cto_ifr’);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(‘px’)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write('’);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube