Leclerc admite “dificuldades em comparação a companheiros” no GP da Hungria

Apesar de destacar as possibilidade da Ferrari em Hungaroring, Charles Leclerc lembrou que não tem a pista como uma de suas melhores

Animação 3D compara acidentes (Vídeo: Crashalong)

Por conta do desempenho nas pistas com características um tanto quanto semelhantes ao traçado da Hungria, a corrida do fim de semana é tida como uma das grandes chances da Ferrari brilhar em 2021. Mas há um porém: Charles Leclerc sabe que tem dificuldades na pista de Hungaroring.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Na briga pelo top-3, McLaren e Ferrari reeditam duelo histórico com pé no futuro

E é verdade, de fato. Desde que entrou na F1, jamais ficou à frente do companheiro de equipe por lá. Em 2018, pela Sauber, classificou atrás de Marcus Ericsson e abandonou a corrida logo na largada; em 2019, estreia pela Ferrari, até largou na frente, mas terminou atrás de Sebastian Vettel; em 2020, voltou a ficar atrás de Vettel e fora dos pontos.

“Não é uma pista em que sou particularmente forte, mas vou tentar fazer o melhor trabalho possível. É uma pista muito difícil, bastante técnica. É preciso ser muito suave, e eu tendo a ser mais agressivo no estilo. Parece que estou com dificuldades aqui na comparação com meus companheiros. Preciso maximizar isso no fim de semana”, falou.

CARLOS SAINZ; CHARLES LECLERC; FERRARI; SCUDERIA FERRARI; 2021
Charles Leclerc tem sofrido contra companheiros de equipe na Hungria (Foto: Scuderia Ferrari)

Com relação às possibilidades da equipe, Leclerc não crê numa repetição de Mônaco, onde fez a pole e Carlos Sainz foi ao pódio. Mas dá para bater a rival real, McLaren.

“Não acho que estaremos no mesmo nível de Mônaco, mas espero que possamos ficar no topo do pelotão intermediário, que é uma luta realista da gente neste ano. É o mais importante do fim de semana. Estamos confiantes que podemos fazer isso”, disse.

O monegasco também falou do GP da Inglaterra, onde liderou por quase toda a corrida e terminou ultrapassado nas voltas finais por Lewis Hamilton.

“Claro que foi frustrante, porque a vitória foi bem apertada e deixar de vencer assim tão perto do fim machuca, mas de outro lado tiramos muitas coisas positivas do ritmo parecido ao da Mercedes, sobretudo no primeiro stint. O segundo stint foi mais como esperávamos. No geral, um fim de semana muito bom”, finalizou.

O GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades do GP da Hungria AO VIVO e EM TEMPO REAL.

TAPETÃO NA F1? O QUE A RED BULL PEDE PARA PUNIÇÃO A HAMILTON SER REVISTA

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar