Leclerc vai bem e lidera TL1 da Fórmula 1 em Miami. Mercedes dá sinal de vida

Depois de anos de espera, a Fórmula 1 chegou a Miami na acalorada tarde desta sexta-feira (6). Quem saiu na frente como o líder do TL1 foi Charles Leclerc

FÓRMULA 1 2022 VISITA MARINA FALSA DE MIAMI + CHEGADA DE AUDI E PORSCHE | TT GP #51

Fórmula 1 em Miami? Tem! Finalmente, chegou o dia de tomar a pista de ocasião montada ao lado do estádio Hard Rock, em Miami. Na tarde desta sexta-feira (6), pela primeira vez, os carros aceleraram num traçado totalmente novo para todos os 20 pilotos. Ao fim da hora do treino livre inicial, Charles Leclerc colocou a Ferrari na ponta da tabela de tempos e liderou.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2
Pista de rua veloz e extravagância: o que a F1 encontra na estreia em Miami

A Ferrari foi quem menos lançou mão dos pneus macios ao longo do dia. Na realidade, Carlos Sainz usou somente os médios para voltas rápidas, ao passo que Leclerc pôs os macios para a última volta rápida. E fez com que a estratégia se pagasse ao fazer o melhor tempo.

O primeiro acidente na sede nova foi de Valtteri Bottas. O piloto da Alfa Romeo perdeu o controle do carro na tomada da curva sete pouco depois da marca de metade do TL1. Não teve jeito: o carro #77 viajou até o muro após rodar e acertou uma pancada considerável com a parte traseira. Inevitavelmente, bandeira vermelha.

E quem terminou sorrindo o TL1 foi a Mercedes. Tanto George Russell quanto Lewis Hamilton passaram praticamente todo o treino entre os primeiros colocados após mais uma rodada de mudanças que a equipe anglo-alemã fez nas Flechas Prateadas desde a corrida de Ímola.

No fim das contas, Leclerc teve Russell na segunda colocação e foi seguido por mais Max Verstappen, Sergio Pérez, Pierre Gasly, Carlos Sainz, Alexander Albon, Hamilton, Kevin Magnussen e Daniel Ricciardo. Este foi o top-10 da atividade.

O GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades do GP de Miami AO VIVO E EM TEMPO REAL. Logo mais, o TL2 está marcado para as 18h30 (de Brasília, GMT-3).

Pierre Gasly e o capacete especial de Miami (Foto: AlphaTauri)
Paddockast #146: O que significa para a F1 ter Audi e Porsche em 2026?

Confira como foi:

Após quase meia década de espera, finalmente a Fórmula 1 tomou a pista localizada ao lado do estádio Hard Rock, em Miami Gardens, parte da cidade de Miami. A F1 chegou à nova praça num dia de calor, esta sexta-feira (6). No meio da tarde, ainda por cima, para temperatura acima dos 50°C no asfalto da pista.

O movimento na pista começou bem cedo e firme. Normal para um lugar novo que tanta gente tenha corrida para somar quilometragem e aprender como o restante do fim de semana vai funcionar. Os limites da pista também apareciam bastante questionados pelos pilotos. Nos primeiros dez minutos, Charles Leclerc e Yuki Tsunoda rodaram, enquanto Max Verstappen relou num dos muros.

Trechos do asfalto chegaram a ser refeitos pela manhã após a movimentação de veículos na quinta-feira – embora nenhum carro da Fórmula 1. Mesmo com o remendo a pista ainda parecia se esfarelar mais do que deveria. De qualquer forma, para o começo das atividades, não chegava a incomodar tanto.

Outro incidente dos primeiros minutos foi um quase encontrão no pit-lane, quando Esteban Ocon saiu e por muito pouco não estampou o carro de George Russell – parecido ao que aconteceu com o próprio Ocon e Lewis Hamilton em Ímola.

Sergio Pérez no TL1 em Miami (Foto: Red Bull Content Pool)

Os líderes do campeonato se posicionavam na frente. Max Verstappen, de pneus macios, pintou na ponta, mas durou pouco. Charles Leclerc, com os médios, foi 0s5 melhor e colocou 1min32s949. Com Carlos Sainz vindo a reboque, a Ferrari começava a se pôr melhor que a Red Bull.

A Mercedes iniciava em bom ritmo. Perto da marca de 20 minutos, Russell, de pneus macios, se colocou somente 0s001 atrás de Leclerc. Hamilton vinha um pouco atrás, mas grudado em Verstappen. A Haas era a única equipe ainda sem tempo cronometrado 1/4 da sessão.

O primeiro piloto a passar por fora do traçado e dentro da água falsa foi Sebastian Vettel, mas sem prejuízos. Enquanto isso, Carlos Sainz reclamava de Mick Schumacher no rádio da Ferrari após o alemão ficar bem lento por dentro do contorno da curva 14.

Sumido até então, Sergio Pérez surgia na liderança ao anotar 1min32s679 – também com pneus macios contra os médios da Ferrari. Bom lembrar que a Pirelli disponibilizou a gama intermediária de pneus, com os C2, C3 e C4, respectivamente, como duros, médios e macios.

Um aviso apareceu na tela para Lance Stroll: bandeira preta e branca de chamada de atenção após cruzar a linha branca do pit-lane. Em seguida, o companheiro de Aston Martin, foi quem recebeu o mesmo aviso. Na verdade, era correção: Vettel, não Stroll, foi quem passou a linha branca. Erro da transmissão oficial da F1.

George Russell foi bem com a Mercedes no TL1 (Foto: Mercedes)

No rádio da Red Bull, Verstappen mostrava certa frustração. Com o carro aquecendo demais no traçado fervente, o campeão vigente questionava: “Como vocês querem que eu aprenda a pista?”.

Com uma volta voadora de Sainz, ainda de pneus médios, o TL1 chegava na marca de 50% com o espanhol na frente e Leclerc, Pérez, Russell, Fernando Alonso, Verstappen, Hamilton, Pierre Gasly, Valtteri Bottas no top-10.

Tsunoda estava nervoso no começo da segunda meia hora. O japonês mandou que a AlphaTauri o deixasse em paz após uma questão de como era possível ajudá-lo com o equilíbrio do carro. Logo após a malcriação, relou no muro. Lá na Red Bull, Adrian Newey se colocava grudado no carro de Verstappen para entender o que podia ser feito para melhorar.

Até que, com 25 minutos pela frente, Bottas protagonizou o primeiro acidente do fim de semana. O piloto da Alfa Romeo perdeu o controle na saída da curva sete, rodou e parou com a traseira na barreira de proteção. Uma baita pancada, o que causou bandeira vermelha e a obrigação do trator entrar em ação para tirar o carro. Daí em diante, nove minutos sem ação na pista.

Valtteri Bottas rodou e bateu no TL1 em Miami (Foto: F1 TV)

Ainda havia 15 minutos para andar na nova pista. Sainz retomou o espaço, mas logo teve de voltar aos boxes. O pneu dianteiro direito simplesmente furou após uma travada e gastou importantes minutos. Enquanto isso, de pneus macios, Alexander Albon colocava a Williams na segunda posição. Verstappen fazia 1min31s350 e assumia a ponta.

Com sete minutos para o fim, a Mercedes colocava os dois carros no top-5: Russell superava Albon pelo segundo posto, ao passo que Hamilton surgia no quinto lugar. Lewis andava bem nos últimos minutos e até vislumbrava o tempo da liderança, mas o trânsito de Gasly fez com que o heptacampeão tirasse o pé do acelerador.

Faltava a Ferrari andar de pneus macios. Quando aconteceu, ponta. Leclerc fez 1min31s098 e assumiu a dianteira. Verstappen fora aos boxes e já não participava mais. Ninguém ameaçou o monegasco, no fim das contas. Liderança de Charles.

F1 2022, GP de Miami, Estados Unidos, TL1:

1C LECLERCFerrari1:31.098 25
2G RUSSELLMercedes1:31.169+0.07122
3M VERSTAPPENRed Bull1:31.277+0.17914
4S PÉREZRed Bull1:31.301+0.20321
5P GASLYAlphaTauri Honda1:31.498+0.40026
6C SAINZFerrari1:31.528+0.43024
7A ALBONWilliams Mercedes1:31.854+0.75619
8L HAMILTONMercedes1:31.956+0.85822
9K MAGNUSSENHaas Ferrari1:32.559+1.46119
10D RICCIARDOMcLaren Mercedes1:32.592+1.49420
11L NORRISMcLaren Mercedes1:32.615+1.51725
12F ALONSOAlpine1:32.884+1.78630
13G ZHOUAlfa Romeo Ferrari1:33.020+1.92222
14S VETTELAston Martin Mercedes1:33.024+1.92623
15E OCONAlpine1:33.417+2.31926
16L STROLLAston Martin Mercedes1:33.576+2.47822
17V BOTTASAlfa Romeo Ferrari1:33.773+2.67513
18Y TSUNODAAlphaTauri Honda1:34.043+2.94526
19M SCHUMACHERHaas Ferrari1:34.945+3.84719
20N LATIFIWilliams Mercedes1:35.637+4.53926
ALFA ROMEO É XODÓ DA FÓRMULA 1 NO COMEÇO DE 2022. MAS POR QUÊ?
Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar