Chefão da F1 vê futuro do GP da Alemanha como mistério e diz “ter certeza” de que corrida não acontece em 2017

O tradicionalíssimo GP da Alemanha, que ficou de fora do calendário da temporada de 2015 e tem retorno confirmado em 2016, não será mais disputado depois do ano que vem. Quem garante é Bernie Ecclestone, que observa que o público local “perdeu a alegria pela F1”

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

A falta de interesse do público alemão pela F1 pode levar ao fim definitivo de uma das corridas mais emblemáticas da história do Mundial. O GP da Alemanha não foi disputado em 2015 em razão de problemas econômicos do circuito de Nürburgring, que receberia a corrida neste ano. A prova volta ao calendário em 2016, marcada para Hockenheim. Mas depois disso, o futuro é sombrio. Tanto que Bernie Ecclestone não tem dúvidas em afirmar que o evento não será mais realizado em 2017.
 
Recentemente, Nico Rosberg e Sebastian Vettel citaram a falta de interesse do público local pelo esporte. Depois dos anos de auge vividos durante a ‘Era Schumacher’, ambos continuam a colocar a bandeira vermelha, amarela e preta no topo do pódio, mas o fato é que mesmo assim o público tedesco não se encanta mais pelo esporte, que vem registrando sucessivas quedas de audiência o país.
Bernie Ecclestone entende que a Alemanha já não tem mais a mesma paixão de outrora pela F1 (Foto: Beto Issa)
Por isso, o futuro do GP da Alemanha, que já teve 61 edições disputadas entre 1951 e 2014, está em xeque. Ao menos para o chefe supremo da F1.
 
“É um mistério para mim. Não sei o que vai mal, mas, obviamente, a Alemanha perdeu a alegria pela F1”, comentou o empresário britânico de 85 anos em entrevista ao diário ‘Die Welt’.
 
Já ao site ‘Motorsport-Magazin.com’, Ecclestone voltou a criticar Nürburgring por seus problemas econômicos e pelos rumos tortos do GP da Alemanha: “Quando [o circuito] estava à venda, concordei em compra-lo. Eles vieram até mim e me disseram que tinham uma oferta que era de um ou dois milhões além do que eu tinha oferecido”, comentou Bernie, que acabou ficando sem comprar o lendário circuito.
Bernie Ecclestone praticamente vaticinou no fim do GP da Alemanha depois de 2016 (Foto: AP)
“O estúpido é que, por dois milhões, eles vão perder uma corrida que poderia estar ali por 100 anos. É decepcionante e triste, mas é por isso que perdemos o circuito de Nürburgring”, bradou o dirigente.
 
Por isso, Bernie é claro em vaticinar a não realização do GP da Alemanha. Ao menos, a edição de 2017. “Acredito que podemos dizer com certeza que não vai ter corrida. Ano que vem é o último porque teremos um contrato. Não é muito bom, mas há um”, complementou Ecclestone.

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

PADDOCK GP EDIÇÃO #11: ASSISTA JÁ

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube