Chefe da Aston Martin questiona demora para novos testes com asa traseira da Red Bull

A polêmica asa traseira da Red Bull segue alvo de comentários no paddock da Fórmula 1. Otmar Szafnauer, chefe da Aston Martin, comentou sobre a demora da FIA para reavaliar a peça, programada para o dia 15 de junho

Verstappen assume liderança da F1 após vitória: assista aos melhores momentos do GP de Mônaco (GRANDE PRÊMIO com Reuters)

As polêmicas asas traseiras flexíveis continuam rendendo no paddock da Fórmula 1. Otmar Szafnauer, chefe da Aston Martin, foi mais um a comentar a peça do carro da Red Bull identificada no GP da Espanha e que, segundo rivais, proporciona avanço nos tempos. Em Baku, o dirigente espera ainda mais vantagem com o acessório.

“É uma pista muito específica. Em alguns circuitos, não ajuda muito. Em outros, ter uma asa traseira flexível ajuda. Em lugares pode não ter benefício algum, mas em outros pode dar mais de meio segundo”, afirmou ao site Autosport.

O dirigente também queria que os testes fossem antes da prova em Baku, como Mercedes e McLaren. “Para desenhar algo que flexiona na medida certa e passa nos testes demanda um grande esforço. Mas desenhar algo que não se mexe, não, e pode ser feito rapidamente”, pontuou.

Otmar Szafnauer pediu rapidez para a FIA analisar a peça das rivais (Foto: Racing Point)

LEIA TAMBÉM
+Opinião GP: Red Bull aproveita fragilidade da Mercedes e acrescenta drama à luta do título

Após as reclamações públicas de Lewis Hamilton em Barcelona, a Federação Internacional de Automobilismo anunciou a realização de novos testes para banir asas que mostrarem movimento em excesso enquanto os carros estiverem em ação e que a peça pode ter “significativa influência na performance aerodinâmica do bólido”.

Os testes, no entanto, não vão sair antes do dia 15 de junho, pouco antes do GP da França. Com isso, a etapa do Azerbaijão ainda vai presenciar o acessório no carro da Red Bull. Hamilton declarou que o time taurino deve levar vantagem de “pelo menos seis décimos” nas longas retas de Baku. Outras equipes, como Ferrari, Alpine e Alfa Romeo também vão ser investigadas.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar