Chefe da AlphaTauri crê em vida difícil para companheiros de Verstappen na Red Bull

Franz Tost explica que carro da Red Bull é desenvolvido para o estilo de pilotagem de Max Verstappen, que costuma ser diferente de outros pilotos

Se tem algo em comum entre os quatro companheiros que Max Verstappen teve na Red Bull é que todos ficaram aquém do holandês em uma disputa direta. É claro que o talento do prodígio de 24 anos, disputando pela primeira vez um título mundial de F1 em 2021, foi preponderante para tal. No entanto, a construção do carro do time austríaco também possui sua parcela de contribuição. Segundo Franz Tost, chefe da AlphaTauri, o bólido é desenvolvido especificamente para ele, e seu estilo de pilotagem costuma diferir dos outros pilotos.

“Não que seja um estilo muito específico de dirigir, mas ele tem um ‘feeling’ único de como tirar o máximo possível do ponto de frenagem, do ponto de entrada de curva e do apex”, explicou. “Existem outros pilotos que também não conseguem guiar um carro construído para o Max. É porque ele tem um estilo de pilotagem diferente”, disse.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Verstappen e Gasly na época em que eram companheiros de equipe na Red Bull (Foto: Reprodução)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Até hoje, Verstappen teve como companheiros de equipe Daniel Ricciardo, Pierre Gasly, Alexander Albon e Sergio Pérez. Na opinião de Tost, o francês é o que mais poderia se aproximar da velocidade do holandês. No entanto, novamente o dirigente ressalta que a tendência é o segundo piloto ter dificuldades para se adaptar, devido ao estilo pouco ortodoxo de direção do dono do carro #33.

“Gasly poderia chegar perto. Mas Max é a liderança técnica da equipe. Isso significa que ele desenvolve o carro exatamente do jeito que quer. Então é possível que o segundo piloto tenha problemas”, prevê.

Fazendo sua primeira temporada pela Red Bull, Sergio Pérez sentiu na pele os mesmos problemas, tendo dificuldades para se adaptar ao carro da montadora austríaca. O mexicano ocupa a quinta colocação na tabela do Mundial de Pilotos com 120 pontos, pouco menos da metade dos 244,5 de seu companheiro, Verstappen. Até aqui, uma vitória no Azerbaijão – após estouro do pneu de Max – e mais um pódio, na França.

LEIA TAMBÉM
Pai de Verstappen anuncia retorno às pistas mais de dez anos após aposentadoria
Mercedes vê “pontas soltas” e admite desperdício de pontos em briga com Red Bull
Ricciardo cobra tatuagem de ex-chefe um ano após ir ao pódio e vencer aposta

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar