Chefe da Force India admite que deveria ter promovido troca de posições entre Pérez e Ocon no fim do GP do Canadá

No fim da prova, Esteban Ocon tinha pneus em melhor estado em relação ao mexicano. Sergio Pérez terminou a prova em quinto lugar depois de lutar por posição com Ocon, sexto. Chefe-adjunto da Force India, Otmar Szafnauer admitiu que o melhor teria sido inverter as posições, com Ocon à frente de 'Checo'

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Nas voltas finais do GP do Canadá, a Force India tinha seus dois pilotos em diferentes situações. Sergio Pérez era o quarto colocado, seguido de Esteban Ocon. Com pneus mais novos, o francês tinha chances ir além na corrida e conseguir um resultado melhor que seu companheiro de time, que estava com pneus mais desgastados. Entretanto, a troca de posições entre os dois não foi realizada. Ao contrário: Pérez jogou duro e não permitiu a ultrapassagem do jovem Ocon. Além disso, ambos perderam posições para Sebastian Vettel, da Ferrari, que fechou a prova em quarto..
 
Quase uma semana após o ocorrido, o chefe-adjunto da Force India, Otmar Szafnauer, admite que o melhor era ter promovido a troca de posição entre os pilotos da equipe para que o time conseguisse um resultado melhor na corrida. Talvez, até um pódio.
 
"Fazer uma retrospectiva é maravilhoso porque você tem mais informações. O que eu teria feito talvez é ter trocado [a posição deles] mais cedo, logo depois do pit-stop da Ferrari. Poderia recuperar a tempetatura dos pneus sem riscos. Então, se isso não acontecesse, ainda teria tempo de trocar de volta. Não fizemos isso, começamos a discutir com um pouco de atraso e já era tarde demais", lamentou Szafnauer.
Esteban Ocon e Sergio Pérez (Foto: Force India)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

O grande dilema da equipe era se a troca de posição entre os pilotos poderia acarretar em problemas maiores. Caso a temperatura dos pneus caísse, o tempo perdido poderia ter comprometer o resultado final dos dois pilotos.
 
"Você perde tempo quando troca, mas o mais importante é que perde a temperatura dos pneus, porque eles são muito sensíveis. Então, se fizer isso, você não volta a ter velocidade imediatamente. Tínhamos as Ferrari por perto. Mas, se trocassemos, não acho que o Esteban teria conseguido passar [Daniel] Ricciardo", completou.
 
O chefe de estratégia da Mercedes, James Vowles, acredita que a Force India deveria ter realizado um pit-stop com Pérez quando Ocon estava melhor na prova. Para ele, se isso tivesse acontecido, Ocon poderia até ter brigado pela terceira posição com Ricciardo.
 
"Se tivessem feito o pit-stop do Pérez, ele teria vindo à frente do Kimi [Räikkönen] logo depois que ele parou, e isso teria colocado os dois [carros da Force India] em uma situação em que a Ferrari ficaria sem opções. Isso deixaria o Esteban tentando atacar o Ricciardo pela terceira posição, e se ele não tivesse sucesso, Pérez o alcançaria novamente e daria a chance de ultrapassar com pneus mais novos", explicou.
O CANADÁ É PARA HAMILTON O QUE MÔNACO FOI PARA SENNA?

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height:
0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute;
top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube