Chefe da Mercedes aprova nova F1, mas mostra preocupação com falta de ultrapassagens na Austrália

A nova F1, adaptada a um regulamento técnico que proporcionou carros mais rápidos, agressivos e desafiadores, viu sua primeira corrida no último domingo. O visual agradou Toto Wolff. Mas o dirigente mostrou preocupação ao falar sobre a falta de ultrapassagens, mas considerou que tal situação ocorreu pelas características do circuito Albert Park

 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Diante de uma grande revolução no regulamento técnico, a F1 abriu a temporada 2017 no último fim de semana com a disputa do GP da Austrália, em Melbourne. Cercada de expectativa, a categoria colocou na pista carros muito mais rápidos e agressivos em relação aos últimos anos e proporcionou aos pilotos desafios ainda maiores. Toto Wolff, chefe da Mercedes, aprovou a nova F1, mas fez uma ressalva: a falta de ultrapassagens.

 
O mesmo regulamento técnico que proporcionou carros com maior aderência mecânica, sobretudo nas curvas, também faz com que a alta carga aerodinâmica gere turbulência quando um carro se aproxima de outro, tornando as ultrapassagens muito mais difíceis. O GP da Austrália foi prova disso.

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 3
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);

Hamilton teme que a nova F1 seja repleta de procissões (Foto: Reprodução/Twitter)
“No geral, gostei da nova F1, mas obviamente as ultrapassagens são um problema”, afirmou o chefe da Mercedes em entrevista à emissora alemã RTL em Melbourne. Contudo, o dirigente disse que quer esperar um pouco mais por considerar que a falta de ultrapassagens pode ter relação com as características do circuito Albert Park.
 
Lewis Hamilton e Valtteri Bottas também apontaram o grande problema desta nova F1 na Austrália. “Foi definitivamente mais difícil seguir outros carros em Melbourne em comparação com o ano passado”, afirmou o finlandês, que terminou em terceiro lugar.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Hamilton seguiu o discurso do seu companheiro de equipe. “Acompanhar outro carro é sempre difícil na F1. Agora é muito pior, como já havia previsto. Espero que isso não signifique que o restante do ano seja uma procissão. Não foi divertido de ver”, disse.

 
“Quero estar mais perto dos carros, mais perto roda a roda. Agora competimos com as estratégias de boxes”, lamentou o britânico, que perdeu a vitória na Austrália porque a Ferrari acabou sendo mais eficiente na sua estratégia com Sebastian Vettel, que subiu no topo do pódio em Melbourne.
 
PADDOCK GP #70 FAZ PRÉVIA DE ABERTURA DAS TEMPORADAS DE F1 E MOTOGP E LEMBRA PACE

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube