Chefe da Red Bull aprova proposta de motor alternativo na F1, mas avisa: “Para nós, tem de ser rentável e competitivo”

Christian Horner enxerga com muitos bons olhos a proposta da FIA e de Bernie Ecclestone de adoção de um motor alternativo para a partir de 2017. O dirigente britânico lembrou que, no passado, a categoria adotou o mesmo expediente e tinha vários motores distintos no grid: “Isso não é nada novo para a F1”

A FIA (Federação Internacional de Automobilismo) e Bernie Ecclestone ganharam uma importante aliada na cruzada contra o domínio das fornecedoras de motor atualmente na F1. A Red Bull, que ainda luta e procura uma fornecedora para a próxima temporada, se mostrou favorável à proposta desenvolvida por Bernie Ecclestone e Jean Todt de adoção de um propulsor alternativo, V6 biturbo de 2,2 L, semelhante ao que é usado na Indy desde 2012. A ideia dos dirigentes é introduzir o motor, que seria construído por uma fornecedora independente, a partir de 2017
 
Entre as equipes do grid que se manifestaram a respeito, a Force India se mostrou favorável à proposta, bem como a Toro Rosso, equipe coirmã da Red Bull. Por outro lado, a Sauber, parceira de longa data da Ferrari, já se posicionou de forma contrária à ideia de Ecclestone e Todt. Para que o projeto seja de fato implantado em 2017, será preciso a aprovação da maioria das equipes, mas não unanimidade, como seria o caso se fosse algo para a próxima temporada.
Ainda sem acordo para 2016, a Red Bull de Horner apoia a adoção de motores alternativos na F1 (Foto: Mark Thompson/Getty Images)
Na visão de Christian Horner, trata-se de algo importante para a sustentação da própria F1 e também da Red Bull. Mas falando como chefe da equipe tetracampeã do mundo, o britânico disse que consideraria contar com uma fornecedora independente desde que o time contasse com um motor de menor custo e, principalmente, que fosse competitivo.
 
“Acho que o conceito de motor que a FIA está abordando é de algo bastante simples, um que seria facilmente construído por uma montadora independente, como a Ilmor ou a Cosworth a produzir. A questão-chave é sobre o regulamento, mas isso poderia ser considerado uma opção para a Red Bull. Acreditamos que sim, mas, claro, tem de ser algo competitivo. E tem de ser rentável”, declarou o dirigente em entrevista ao site oficial da F1.
 
Horner entende que a solução é completamente viável, uma vez que já fora adotada em outros tempos pela própria F1. “Nós vemos em outras categorias que é possível correr com motores bastante distintos, e acho que, no passado, na F1 nós tínhamos os V8, os V10, os V12 correndo ao mesmo tempo. Então isso não é nada novo para a F1.”
 

(function(d, s, id) { var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0]; if (d.getElementById(id)) return; js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = “//connect.facebook.net/pt_BR/sdk.js#xfbml=1&version=v2.3”; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs);}(document, ‘script’, ‘facebook-jssdk’));

Red Bull não corre com motor Renault nem que o touro tussa…

Posted by Grande Prêmio on Terça, 3 de novembro de 2015

 
“Há dois aspectos ao ter este motor, reduzir os custos para as equipes independentes, e o aspecto fundamental para nós é que precisamos de um motor, e um motor que possa ser competitivo”, frisou o líder do time.
 
“Um motor mais simples é leve, fácil de instalar, é biturbo, é uma tecnologia muito mais fácil de manusear do que o motor atual, e os custos serão um fator significativo. Agora é ver como a FIA vai decidir como eles vão equalizar o desempenho entre eles”, observou.
 
Por fim, o chefe da escuderia de Milton Keynes negou veementemente que a Red Bull um dia construirá seus próprios motores. “Haverá uma proposta, e a Red Bull não é montadora de motores. Nós somos um construtor de chassis”, garantiu.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube