Com Ferrari forte de novo e Mercedes de volta ao normal, GP do Japão caminha para batalha direta entre Vettel e Hamilton

A sexta-feira (6) em Suzuka foi marcada pela chuva, que encurtou a segunda sessão de treinos livres e impediu uma avaliação das equipes com relação ao acerto de corrida. Ainda assim, é possível dizer, com base nos desempenhos de Sebastian Vettel e Lewis Hamilton, que a batalha pela vitória vai ser muito mais acirrada no GP do Japão do que foi na Malásia

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Há uma semana, também no primeiro dia de treinos livres, a Mercedes sofria e se via perdida em uma pista que, em tese, deveria sobrar. O novo pacote aerodinâmico levado para Sepang não funcionava, e Lewis Hamilton não conseguia tirar o melhor do quase excêntrico W08, a ponto de optar por voltar à configuração antiga para cravar uma pole importante e garantir alguma sobrevida na etapa malaia, pensando no campeonato. A verdade é que o inglês foi capaz de minimizar os prejuízos e, contando também com os infortúnios do rival Sebastian Vettel, alcançou um bom segundo lugar. Aí viajou ao Japão. E hoje o cenário surgiu completamente diferente, especialmente na sessão que abriu os trabalhos nesta sexta-feira, uma vez que o TL2 sequer serve como avaliação por conta do aguaceiro que desabou em Suzuka

 
Novamente fazendo uso das peças atualizadas, Hamilton pareceu mais confortável com o W08. “Tudo voltou ao normal”, como falou depois dos treinos. De fato, Lewis imprimiu um ritmo muito forte com os pneus macios – sua zona de conforto -, mas também com os supermacios. O tricampeão iniciou o dia testando os amarelos e foi muito veloz. Depois, foi à pista com os vermelhos, estabelecendo de novo o melhor tempo em 1min29s377. 
Lewis Hamilton foi o mais rápido no molhado (Foto: AFP)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

"Foi um dia interessante. Senti o carro muito melhor do que na Malásia. Parece que voltou ao normal, então acho que estamos prontos para domingo. Fiquei feliz que tivemos ao menos uma sessão com pista seca. No segundo treino, a chuva estava forte demais, mas acho que realmente foi importante andar na pista e avaliar as condições do carro, principalmente porque o carro não esteve bom na Malásia", explicou o tricampeão, que tenta ampliar, neste fim de semana, a diferença que possui para o vice-líder Vettel.

Só que ainda era necessária uma comparação mais fiel com a Ferrari. E isso não demorou. Vettel, uma vez mais, mostrou força com um ritmo ainda mais impressionante. Na primeira parte da sessão 1, o tetracampeão dedicou tempo aos testes com os pneus macios. E fez longos stints, andando, inclusive, a menos de um décimo do melhor tempo de Hamilton, quando o inglês ainda começava a avaliar os vermelhos.

 
Quando os tempos se tornaram mais ‘reais’, o ferrarista se pôs como o homem mais rápido com ambos os tipos de pneus, estabelecendo uma diferença de quase três décimos entre suas melhores marcas com os supermacios (1min29s166) e macios (1min29s419). Ainda que pese a performance mais precisa de Vettel, importante destacar que a Pirelli falar em uma desvantagem de 0s7 entre os compostos vermelhos e os amarelos.
 
Neste cenário, a SF70-H é mais veloz que o W08, mas menos que em Sepang. Seb deixou para sair com os supermacios só nos 20 minutos finais do TL1, depois da bandeira vermelha acionada pelo acidente de Carlos Sainz. E aí ficou mais clara a diferença entre os dois carros: o alemão bateu o tempo de Hamilton e liderou a sessão com 0s211 de vantagem. A diferença de ritmo é uma prova de que a Mercedes deu um passo à frente com relação à configuração que mostrou na Malásia e, mais que isso, a briga em Suzuka será mais apertada e direta entre Lewis e Sebastian, uma vez que os colegas Valtteri Bottas e Kimi Räikkönen não conseguiram imprimir o mesmo desempenho.
Sebastian Vettel (Foto: Ferrari)
"Acho que a disputa será bem direta. E acho que temos uma boa chance", disse Vettel, confirmando que a performance apresentada por Ferrari e Mercedes está bem mais próxima do que foi na Malásia. "Mas agora temos de ver o que o dia traz amanhã. Sinto que o carro segue forte", completou.
 
E onde entra a Red Bull aí? A equipe austríaca, que surpreendeu na Malásia, não conseguiu mostrar o mesmo ritmo da semana passada. Mas não foi de todo ruim. Embora Max Verstappen tenha ficado a 1s5 de Vettel no TL1 – é preciso levar em consideração que o holandês fez um passeio pela brita –, Daniel Ricciardo foi bem mais consistente e terminou o dia a 0s3 do líder. Ainda assim, é possível concluir que os rubro-taurinos vão incomodar, como se percebe pelo otimismo de Verstappen.
 
"Foi um dia positivo. Nas saídas para volta rápida eu não mostrei muito ritmo por conta da bandeira vermelha, mas as simulações de corrida foram bem positivas. Talvez estejamos um pouco atrás da Mercedes no momento, mas a temperatura da pista vai subir bastante no domingo, o que deve nos ajudar", falou.
Daniel Ricciardo (Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Já Ricciardo trouxe um cenário mais próximo da realidade. "Fomos bem na Malásia, mas a Ferrari mostrou pela manhã hoje que com os pneus macios eles são bem fortes – e a Mercedes pode aparecer no sábado", avaliou.

 
"Temos um carro muito bom, mas creio que eles [Ferrari e Mercedes] ainda têm vantagem, então precisamos encontrar melhores tempos ainda para que eles fiquem preocupados e assustados", encerrou.
 
De fato, a Red Bull precisa de um passo adiante, mas deve aparecer novamente como o coringa no domingo. Antes disso, a F1 disputa neste sábado mais uma treino livre e a classificação, que vai definir as posições de largada para o GP do Japão. 

GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades da F1 no Japão AO VIVO e em TEMPO REAL, com livetiming e gráfico interativo.

HÁ ESPERANÇA?

MESMO COM RESULTADO RUIM, VETTEL GANHA FORÇA NA MALÁSIA  

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height:
0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute;
top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube