Com novos motores, chefe da Red Bull fala em taxa de abandono de 50% no primeiro GP de 2014

Chefe da Red Bull, Christian Horner voltou a manifestar os temores com a confiabilidade dos novos motores e afirmou que a taxa de abandonos no GP da Austrália pode girar em torno de 50%


(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});



A temporada 2014 da F1 vai ver a estreia dos motores V6 turbo, que chegam para substituir os antigos V8. A introdução nos propulsores, entretanto, resultou em uma preocupação extra com confiabilidade, e Christian Horner, chefe da Red Bull, apresentou uma perspectiva nada animadora para o primeiro GP da temporada.

Horner voltou a destacar a preocupação com a confiabilidade na temporada 2014 (Foto: Mark Thompson/Getty Images)

Em entrevista ao canal de TV ‘Bloomberg’, Horner avaliou que a situação pode ser dramática no GP da Austrália, marcado para o dia 16 de março.
 
“Acho que podemos ver uma taxa de abandono muito grande, talvez de até mesmo 50% na primeira corrida”, ponderou. “Combustível será um desafio este ano, porque estamos limitados a 100 kg de combustível na largada da corrida, mas problemas de confiabilidade nas primeiras corridas serão mais um fator chave”, continuou. 
 
“E, claro, nós só temos cinco motores para o ano todo”, concluiu.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube