Com plano de fabricar motores da F1 a partir de 2021, Aston Martin contrata consultoria de ex-guru da Ferrari

A Aston Martin monta um plano cada vez mais profundo para avaliar se passa a fabricar motores na F1 a partir da temporada 2021. Depois de receber um incentivo da Red Bull, a marca inglesa contratou Luca Marmorini, ex-chefe dos motores Ferrari, para ser uma espécie de consultor

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Se em 2018 a Aston Martin volta à F1 como patrocinadora principal da Red Bull, a conexão com o campeonato pode aumentar ainda mais nos próximos anos. Com o desenvolvimento de motor para a F1 em vista, a montadora inglesa contratou Luca Marmorini, ex-chefe dos motores Ferrari, para um cargo de consultoria que pretende estudar a situação e preparar o terreno caso a Aston Martin decida construir motores a partir de 2021.

 
De acordo com o presidente e diretor-executivo da marca inglesa, Andy Palmer, a Aston Martin está "contratando o conhecimento para ser capaz de desenvolver um motor de F1". O plano só vai adiante, no entanto, caso a marca aprove as especificações de motor que a categoria irá adotar para a temporada 2021. Há uma grande expectativa de mudança brusca em relação aos motores utilizados hoje, tidos como complexos e proibitivos.
 
"Luca Marmorini está nos ajudando com consultas conforme continuamos estudando nossas opções para a unidade de força de 2021. Não contratamos ninguém para trabalhar fixamente nisso e o motor continua uma área de estudo para a companhia, algo condizente com os últimos comentários e nossa presença nas reuniões do Grupo de Trabalho das Unidades de Força da F1", disse um porta-voz da Aston Martin ao site norte-americano 'Motorsport.com'.
Luca Marmorini: a nova arma secreta da Aston Martin (Foto: Ferrari)
Marmorini trabalhou na Ferrari por duas vezes diferentes. A primeira durou toda a década retrasada, indo de 1990 até 1999; depois saiu para comandar o programa de motor e de eletrônicos da Toyota; voltou à Ferrari em 2009, onde permaneceu até 2014.
 
O desejo de a Aston Martin virar fabricante de motores não é qualquer segredo. Pelo contrário, inclusive Christian Horner, o chefe da Red Bull, já afirmou que a equipe está aberta a utilizar motores da Aston Martin no futuro
 
"É algo que estamos absolutamente abertos. Antes de tudo, é preciso ver como será o regulamento e se é viável para uma fabricante, como a Aston Martin, acompanhar uma terceira parte em uma tentativa de produzir um motor competitivo", completou Horner.
 
Com a Renault de volta desde 2016 na capacidade de equipe de fábrica e a McLaren passando a usar os motores da marca francesa em 2018, a Red Bull procura calmamente uma situação onde volte a ser a equipe de fábrica. Com o acordo entre Honda e Toro Rosso, um futuro com a marca japonesa é uma possibilidade, mas o presente da Honda não é promissor. A Aston Martin é uma alternativa atraente sob este aspecto.
’EXTRAORDINÁRIO’

DI GRASSI VÊ HAMILTON COMO UM DOS TRÊS MAIORES DA HISTÓRIA

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height:
0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute;
top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube