Confira declarações dos pilotos após classificação do GP dos 70 Anos

Com destaque para o entendimento sobre os pneus, os pilotos comentaram sobre a classificação em Silverstone - e, para a corrida, todos parecem concordar que as estratégias variadas darão o tom

Com a dobradinha da Mercedes impedindo novidades no topo do grid, a classificação para o GP dos 70 Anos da Fórmula 1 viu muita movimentação e aperto do segundo escalão para baixo.

Assim, as declarações dos pilotos após a classificação foram focadas em dois pontos: no que eles entenderam – ou precisam entender – sobre os pneus disponíveis para a corrida de domingo e sobre as diversas estratégias pensadas para a segunda prova em Silverstone.

Hamilton era o líder até a bandeirada final, quando foi superado por Bottas (Foto: Mercedes)

Confira as declarações dos pilotos:

Valtteri Bottas, primeiro: Bottas tira “o máximo do carro” e fala em vantagem psicológica com pole

Lewis Hamilton, segundo: Hamilton lamenta volta “não tão boa” e se rende a “ótimo trabalho” de Bottas

Nico Hülkenberg, terceiro: “Melhor e mais preparado”, Hülkenberg dá “grande sorriso” por 3º lugar no grid

Max Verstappen, quarto: 4°, Verstappen foca em briga no topo: “Não espero problemas com quem vem atrás”

Daniel Ricciardo, quinto: “Muito feliz com fantástico” 5° lugar, Ricciardo diz que levou carro ao limite

Lance Stroll, sexto: “Um grande dia para a equipe, com ambom os carros no Q3 e Nico com uma atuação sensacional em terceiro. Fomos sólidos todo o final de semana e a equipe fez um grande trabalho em nos sentirmos bem com os carros. Hoje foi tudo bem para mim. Trabalhamos em certas coisas durante a classificação e não encontramos o equilíbrio ideal. Tinha instabilidade na parte de trás. Não dei uma volta limpa. Sabemos que tem áreas em que podemos melhorar, mas Nico demonstrou que o carro tem ritmo, algo positivo. A estratégia será chave e vamos tentar nos assegurar de tirar o máximo do carro.”

Lance Stroll (Foto: Racing Point)

Pierre Gasly, sétimo: “Estou muito feliz com minha classificação. Foi um sábado incrível. Sexta foi um dia difícil, mas a equipe fez um trabalho fantástico e fez as mudanças certeiras para me dar um carro que me dá a chance de alcançar meu máximo. Foi muito bom ser P4 no Q2 e terminar em P7, à frente das duas Ferrari, das duas McLaren e de uma Red Bull. O melhor resultado que podia conquistar. Agora vamos focar na corrida e dar nosso melhor para alcançar um bom resultado.”

Charles Leclerc, oitavo: Leclerc admite que 8º lugar no grid é “retrato realista” do momento da Ferrari

Alexander Albon, nono: “Estava me sentindo confortável e tudo estava bem até a última volta no Q3, quando trocamos de médios para macios e o equilíbrio do carro mudou. Estava otimista, mas mudou tudo, talvez também por causa do vento, e não estou feliz com o nono lugar. Alguns times conseguiram ir bem com os macios, mas nós não, então precisamos entender por que. Sei que também preciso ficar mais confortável com o carro. A corrida vai ser interessante já que existem diversas opções de estratégia. Na última semana mostramos bom ritmo de corrida e temos um bom carro para avançarmos no grid.”

Lando Norris, 10°: Norris afirma que 10° lugar mostra realidade do carro: “Não tem mais muito o que tirar”

Sebastian Vettel, 11°: Vettel se vê no limite da Ferrari: “Sinto que estou indo contra um muro”

Carlos Sainz Jr. não foi bem e acabou eliminado no Q2 (Foto: McLaren)

Carlos Sainz, 12°: “Obviamente não estou feliz com o dia de hoje. Ver nossos rivais dar um passo à frente nos colocou em uma posição complicada para tentar o Q3. Focamos nosso plano no uso dos pneus médios e não deu certo. Tivemos um problema no carro e tivemos que ajudar na refrigeração. Estou frustrado, mas acho que dá para lutar amanhã e vou tentar meu melhor para ir aos pontos.”

Romain Grosjean, 13°: “Ninguém fica infeliz ao passar para o Q2. Claro que esse é nossa meta a curto prazo. A médio prazo, temos que colocar nossos dois carros lá. Não temos atualizações vindo, então precisamos otimizar o que temos. Fizemos algo bem em meu carro desde o último final de semana, sinto que melhoramos muito. Sinto o carro melhor. Estou muito feliz, mas temos mais trabalho a fazer. Com nossas escolhas de pneus e tudo mais, decidimos priorizar a corrida, então acho que vai ser bom.

Esteban Ocon, 14°: “Foi uma sessão desapontadora, já que senti que minha volta no Q2 foi bastante boa. A distância para Daniel [Ricciardo] foi tão grande que é preciso investigar o motivo. Pode ser algo que não entendemos em relação ao carro. Ele parecia bom hoje, mas não consegui alcançar a velocidade quando precisava. Ainda tivemos o incidente com George Russell. Precisava ter lidado melhor. A corrida passada foi boa, tínhamos bom ritmo, então espero que esse seja o caso amanhã.”

George Russell, 15°: “Fiquei feliz, minha volta foi boa. Pareceu mais difícil de guiar do que semana passada, as condições são diferentes, com os novos pneus e com o vento, fica complicado guiar. Essa semana tive que dar tudo que eu tinha e mesmo assim foi apertado, mas estou feliz. Acho que os pneus médios eram os mais rápidos para a classificação. Vamos ter um novo jogo de pneus amanhã, então acho que estamos em uma boa posição para a corrida.”

George Russell mais uma vez avançou para o Q2 (Foto: Williams)

Daniil Kvyat, 16°: “Foi um dia de muito azar, porque quando eu estava anotando uma boa volta, uma lufada de vento me tirou na curva 15, perdi o controle e perdi muito tempo. Usualmente conseguimos recuperar o que perdemos nas corridas, então estou confiante que vamos lutar por pontos.”

Kevin Magnussen, 17°: “Não tem sido um bom final de semana, para mim tem sido terrível. Não sei o que acontece com o carro, só tem estado longe do que consegui alcançar semana passada, não parece bom. É surpreendente e frustrante do nada estar nessa situação. Temos que descobrir o que acontece. Perdeu muita estabilidade, não tenho confiança nele, ainda mais após confiar tanto semana passada.” 

Nicholas Latifi, 18°: “Acho que tínhamos chance de ir ao Q2, especialmente após parecermos fortes no TL3, tudo estava bem. Mas as condições na classificação foram completamente diferentes e o carro ficou um pouco mais imprevisível, um pouco mais no limite. Como resultado, não consegui dar uma volta boa o suficiente, provavelmente pela minha falta de experiência. Quando o carro não está 100% como eu gosto, sofro em acertar a volta. Estou desapontado e achei que tínhamos potencial para hoje.”

Antonio Giovinazi, 19°: “Foi um dia difícil e perdemos algo em relação aos rivais. As condições estavam complicadas por causa do vento, e na minha última volta perdi a aderência algumas vezes, mas no final não faira diferença em termos de passar ao Q2.”

Kimi Räikkönen, 20°: “É desapontador estar tão atrás quando demos tudo que a gente tinha, mas é isso que temos no momento. Tudo que podemos fazer é ir para a pista amanhã, tentar nosso melhor e ver onde acabamos.”

Paddockast #73 | A volta da Fórmula E
Ouça também: PODCASTS APPLE | ANDROID | PLAYERFM

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube