Confira declarações dos pilotos após GP de Mônaco, sexta etapa da temporada 2013 da F1

Nico Rosberg brilhou em Monte Carlo neste domingo (26) e conquistou sua primeira vitória na temporada 2013. Sebastian Vettel e Mark Webber completaram o pódio

As imagens do domingo de F1 em Monte Carlo 
Acompanhe a cobertura do GP de Mônaco no GRANDE PRÊMIO
Automobilismo na TV: a programação do fim de semana

Nico Rosberg confirmou seu bom desempenho nas ruas de Monte Carlo e venceu de ponta a ponta o GP de Mônaco de F1. Exibindo uma ótima forma, o piloto da Mercedes não teve adversários neste domingo (26) e venceu com 3s800 de vantagem para Sebastian Vettel. Mark Webber completa o top-3.
Nico Rosberg contrariou as previsões e venceu em Mônaco (Foto: Getty Images)
Lewis Hamilton ficou com o quarto posto, seguido por Adrian Sutil e Jenson Button. Fernando Alonso foi o sétimo, à frente de Jean-Éric Vergne e Paul di Resta. Kimi Räikkönen voou nas voltas finais e conseguiu ficar em décimo, apesar de ser tido um pneu furado após um toque de Sergio Pérez nos minutos finais.
 
Nico Hülkenberg foi o 11º, seguido por Valtteri Bottas, Esteban Gutiérrez, Max Chilton e Giedo van der Garde, último a completar a prova. Pérez, Romain Grosjean, Daniel Ricciardo, Jules Bianchi, Pastor Maldonado, Felipe Massa e Charles Pic abandonaram.

McLaren
 
Jenson Button – 6º: “As coisas não estavam muito boas no começo, mas o GP de Mônaco é uma dessas corridas em que você precisa lutar até o final porque qualquer coisa pode acontecer, e hoje foi um desses dias. Minhas primeiras voltas foram boas, eu ultrapassei Sutil e tentei superar Alonso no hairpin. Porém, eu toquei na roda traseira dele, então realmente não estava prestando atenção quando Sergio Pérez fez uma boa ultrapassagem em mim na frenagem da chicane da saída do túnel. Depois da relargada, Sutil também conseguiu me passar no hairpin, onde eu achei que não era possível, já que eu havia tentado a mesma coisa com Fernando, e não havia dado certo.”
 
“Em seguida, nas últimas voltas, ‘Checo’ e Kimi bateram e de repente havia uma batalha atrás deles, porque eles estavam lentos devido aos carros danificados. Então eu aproveitei a oportunidade para superar Fernando na Rascasse, o que foi bastante divertido, e pude terminar em sexto. Foi uma pena que com o abandono de Pérez no final significou que não pudemos marcar mais pontos hoje, o que seria uma grande ajuda para a equipe. Mas eu também consegui um bom número de pontos, e nosso ritmo não era ruim, então há muitas coisas boas para levarmos daqui.”
 
Sergio Pérez – não completou: “Eu tive uma corrida muito boa, pude ultrapassar os carros durante a tarde, mas acho que Kimi não me deixou muito espaço na chicane quando tentei superá-lo ao sairmos do túnel. Como resultado, eu fui espremido no muro na chicane. Foi uma pena. Eu tinha ultrapassado Jenson e Fernando lá e Jenson também me passou, mas eu não consegui evitar a batida. Claro, qualquer ultrapassagem em Mônaco é arriscada, mas no final das contas é preciso deixar algum espaço.”
 
“Como resultado do toque, o sistema de freios do meu carro foi afetado, os freios dianteiros estavam superaquecendo, e eu basicamente fiquei sem eles. É particularmente frustrante abandonar um GP em que você estava pilotando forte, especialmente tão perto do final. Então, no geral, estou extremamente frustrado, tanto pela equipe quanto por mim.”
Sergio Pérez colocou a McLaren em sétimo no grid em Mônaco (Foto: Getty Images)
Toro Rosso
 
Jean-Éric Vergne – oitavo: “De certa forma, foi uma prova bastante entediante, já que eu nunca tive pista limpa à frente! Mesmo assim, é sempre emocionante correr em Mônaco, especialmente quando se marca pontos. Nas últimas voltas, Sutil fez um bom trabalho ao ultrapassar Jenson Button e Fernando Alonso no hairpin, mas eu vinha logo atrás e não consegui passar também, porque eles me bloquearam. Foi uma boa corrida, terminando em oitavo e somando mais quatro pontos.”
 
“Após algumas etapas sem sorte no começo do ano, acho que sorte e azar vêm em igual medida, e hoje deu tudo certo para a gente. Além disso, estava claro que nosso carro hoje estava muito forte, e eu marquei a minha melhor volta logo no começo, quando ainda estava com tanque cheio, pois no restante do tempo eu estava no meio do pelotão, o que foi frustrante, porque eu estava mais rápido que os outros carros. Ainda assim, eu estou feliz com o oitavo lugar, mas estou ansioso por ir melhor nas próximas provas.”
 
Daniel Ricciardo – Não completou: “Hoje minha largada foi boa, e eu decidi ir pela linha de dentro, já que vi os carros freando à frente e achei que era o melhor caminho. Mas a pista estava um pouco bloqueada, e Bottas conseguiu me passar. Antes da primeira parada, eu tive problemas com o pneu macio, mas depois da troca me senti melhor com o supermacio. Só que a partir daí eu estava preso no meio do pelotão.”
 
“Na batida, eu pude ver que Grosjean estava vindo rápido na saída do túnel e se aproximava, então eu defendi a minha posição e a outra coisa que eu lembro é que ele já estava em cima de mim. Eu ainda não vi na TV, mas no momento acho que foi um erro da parte dele, que acabou sendo bastante perigoso, mesmo que nós tenhamos saído ilesos. A corrida pode ter sido frustrante, por ter sido um trenzinho, mas eu não tinha ritmo para avançar. Agora precisamos seguir em frente e tentar progredir no Canadá.”
 
Force India
 
Paul di Resta – nono: “Levando em conta onde começamos, usamos uma estratégia agressiva e isso, provavelmente, teria funcionado sem os safety-car. O ritmo era forte, mas fiquei preso atrás de muito tráfego no início da corrida. Eu consegui passar alguns carros indo para a curva um, mas na parte final da corrida, os carros estavam muito ais agrupados e não foi tão fácil. Fiquei preso atrás de Vergne na relargada e tive uma boa chance de ultrapassar, mas ele defendeu muito bem. Felizmente, com os carros à frente lutando e fazendo contato, ganhei algumas posições e pontuei. Então, depois do desapontamento de ontem, os rapazes fizeram um bom trabalho e é bom continuar a minha sequência de provas na zona de pontuação.”
Romain Grosjean sofreu um novo acidente neste sábado em Mônaco (Foto: Getty Images)
Lotus
 
Romain Grosjean – Não completou: “Daniel Ricciardo pareceu realmente estar com problemas nos pneus traseiros, pois eles estavam com muita degradação. Eu estive o seguindo por quase todas as minhas 61 voltas, mas eu acabei pego de surpresa quando ele freou mais cedo no meio da pista e não tinha para onde fugir. Foi um desfecho frustrante para o fim de semana, mas o real problema aconteceu na classificação, quando eu não passei para o Q3. Foi Daniel novamente que me bloqueou, mas certamente não foi a minha intenção dar o troco no final e acertá-lo por trás. Agora vamos apertar o botão reset e irmos para o Canadá, onde espero ter um fim de semana melhor.”
 
Sauber
 
Nico Hülkenberg – 11º: “Não poderíamos esperar por qualquer milagre hoje, e ontem não ficamos no top-10 também. Ao contrário da maioria dos pilotos, relarguei com pneus macios, e isso foi ok no começo. Mas depois de outro safety-car, os pneus nunca mais voltaram a ser os mesmos. A degradação, especialmente, era muito elevado. Quando saí do carro, pude ver o cinturão de aço, por isso não me admira que o ritmo não foi bom o bastante. É uma pena, porque esse ponto era nosso”.
 
Esteban Gutiérrez – 13º: “Foi muito desafiador trazer o carro para casa sem nenhum arranhão ou um acidente. O primeiro safety-car comprometeu nossa estratégia e, no fim das contas, eu só tinha de tirar o melhor proveito dessa situação. Não esperávamos poder marcar pontos, mas fiz o meu melhor para aproveitar todas as chances que tive para ganhar posições. No entanto, também foi importante não ir além do limite e chegar ao fim da corrida. Tive uma boa relargada e consegui brigar [por posições], mas um dos pontos que temos de melhorar é a velocidade máxima, de forma a lutar por colocações. Foi complicado com a Williams na frente e a Lotus atrás. Por outro lado, preciso trabalhar para que eu possa lidar melhor com a mudança de condições na fase de classificação”.
 
Williams
 
Valtteri Bottas – 12º: “Foi difícil ultrapassar na corrida de hoje e, mesmo que algumas vezes pensávamos que tínhamos um bom ritmo, nós não podíamos fazer as ultrapassagens que queríamos. Houve muita ação nesta corrida, então eu estou feliz por ter conseguido terminar a prova. Mas nós precisamos continuar trabalhando duro porque Montreal é uma pista em que é fácil ultrapassar, então nós precisamos garantir que teremos velocidade para atacar e também para nos defender.”
 
Marussia
 
Max Chilton – 14º: “No geral, estou satisfeito com o desfecho positivo da corrida depois de um fim de semana difícil para nós. Lutei nas últimas fases para garantir que tinha algo bom para tirar em Mônaco, e, naturalmente, fiquei muito feliz por ter conseguido passar [Giedo] Van der Garde na penúltima volta, subindo para 14º. Sobre o acidente com Pastor [Maldonado], Esteban [Gutiérrez] errou no fim da chicane, e vi que ele ficou preso ali, então tive de tratar de evita-lo, o que significou que passei reto na chicane. Retornei [ao traçado normal] na curva 11 e, em seguida, a tangência da curva 12 foi se aproximando rapidamente. Sabia que havia alguém perto de mim, mas não ao meu lado. Os comissários determinaram um drive-through para mim e eu aceito esta decisão. Após a corrida, fui ver Pastor para checar que ele estava bem. O incidente fez com que o restante da corrida fosse difícil, mas tudo o que eu poderia fazer era me concentrar no melhor resultado para a equipe, e, mesmo com os problemas, acho que temos de ficar satisfeitos com o resultado final”.
Jules Bianchi foi um dos muitos que não completou a prova deste domingo (Foto: Marussia)
Jules Bianchi – Não completou: “Depois de um fim de semana complicado aqui em Mônaco, achei que teríamos a chance de virar o jogo na corrida, mas não foi assim, infelizmente. Tive um problema elétrico no grid de largada e não conseguia selecionar a marcha, então tive de largar do pit-lane. Foi um pouco preocupante, mas pelo menos eu pude largar. Por essa primeira parte da corrida, estava perto de Max [Chilton], mas tinha de pensar em cuidar dos pneus e esperava que a corrida se voltasse para mim. Depois de Maldonado bater no acidente com Max, o softwall voltou em mim e danificou o bico, então tive de parar quando a bandeira vermelha foi acionada. Por sorte, o dano ficou limitado apenas ao bico, e então eu pude continuar na corrida. Depois disso, estava buscando levar o carro de volta para casa, mas tive um problema no disco de freio dianteiro direito e isso me tirou na Sainte-Dévote. É uma pena, mas tenho certeza que nós aprendemos muito com alguns dos problemas que tivemos neste fim de semana”.
 
Caterham
 
Giedo van der Garde – 15º: “Foi uma corrida muito doida! Fiz uma grande largada partindo de 15º, mas então Maldonado me acertou, danificando o assoalho, e isso significou também que eu tive de vir direto para colocar um novo bico na primeira volta. Voltei em 22º e, nesta altura, mesmo com um bom ritmo e alcançando novamente o pelotão, parecia que minha corrida estava acabada, especialmente depois de perder o Kers na décima volta. Conseguimos trazer de volta o Kers e, em seguida, Mônaco fez das suas, como sempre. Quando o safety-car saiu por conta do acidente de [Felipe] Massa, consegui descontar uma volta e retornar para a disputa. No carro, parecia que não poderia ter mais sorte, mas, em seguida, na volta 45 eu estava com Chilton, Bianchi e Maldonado no momento do acidente. Realmente não vi o que aconteceu entre eles, mas, obviamente, a bandeira vermelha me deu a chance de começar de novo, desta vez em 18º. Desde a relargada, com pneus macios e faltando 28 voltas para o fim, estava segurando o 17º lugar após Chilton sair do drive-through e, em seguida, o segundo safety-car saiu e subi para 14º, quando alguns carros à minha frente foram para os pits. Estava bem atrás de Bottas e à frente de Gutiérrez, mas, infelizmente, depois de 13 voltas, meus pneus ficaram destruídos. Tinha Chilton atrás de mim e com os pneus num estado em que eu não conseguiria segurá-lo muito mais, então assim eu terminei em 15º. Depois da forma como a corrida começou, só por ter chegado lá foi muito bom, mas, obviamente, não é como a gente queria depois de um sábado muito bom. No entanto, é outra corrida completada e, junto com as lições aprendidas, foi um bom fim de semana como um todo”.
 
Charles Pic – Não completou: “Obviamente é decepcionante terminar minha corrida tão cedo, especialmente depois de ter feito uma largada muito boa e estar correndo em 15º, à frente de Gutiérrez e logo atrás de [Paul] di Resta e no mesmo ritmo dele quando eu tive de parar. Parece que foi a causa do abandono foi um problema na caixa de câmbio, e o fogo saiu dos escapamentos, que superaqueceram. Pude sentir que havia um problema e ele começou a se intensificar e, assim que o carro parou, havia muita fumaça, mas tudo cessou rapidamente e os fiscais fizeram um bom trabalho para deixar tudo em ordem sem acionar o safety-car. Como disse, é uma pena, já que tínhamos um ótimo fim de semana até este ponto. O carro estava ótimo na corrida e, como todos os nossos níveis de degradação eram bons ao longo da corrida, estávamos buscando fazer apenas uma parada, e isso poderia ter nos colocado bem no meio do pelotão. No entanto, o Canadá é logo ali, em outro circuito onde eu acho que vamos conseguir mostrar como o ritmo do carro continua melhorando e, com um pouco mais de sorte, vamos estar numa posição para ter um fim de semana melhor”.
 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube