Consultor da Red Bull acusa Mercedes de inflar polêmica sobre asa flexível no GP da Espanha

Helmut Marko, consultor da Red Bull, entende que a Mercedes está por trás da repercussão sobre uma possível “asa flexível” traseira do RB16B durante o fim de semana do GP da Espanha. O dirigente austríaco disse que a equipe está tranquila sobre o assunto

Hamilton pega Verstappen na tática e vence: assista aos melhores momentos do GP da Espanha (GRANDE PRÊMIO com Reuters)

Uma nova polêmica tem agitado os últimos dias na Fórmula 1. Ao longo do fim de semana do GP da Espanha, imagens de câmera de bordo mostraram uma pequena deflexão na asa traseira dos carros da Red Bull na reta de mais de 1 km do circuito de Barcelona. Lewis Hamilton, que durante a corrida no último domingo (9) andou por boas voltas atrás de Max Verstappen e contou que “aprendeu muito” sobre a pilotagem do holandês e sobre o carro da Red Bull, reportou que os rivais têm uma asa flexível na parte traseira do RB16B.

Os comentários do heptacampeão mundial provocaram a reação de Helmut Marko, consultor da Red Bull. No sábado, Hamilton se mostrou atento à performance da Red Bull no trecho mais rápido do circuito catalão.

“Os carros da Red Bull são muito rápidos nas retas. Eles têm essa asa flexível na parte traseira do carro e assim ganham 0s3”, explicou Lewis em entrevista à Sky Sports britânica.

ASA FLEXÍVEL; RED BULL; ASA TRASEIRA; GP DA ESPANHA; GRANDE PRÊMIO;
A asa traseira da Red Bull é a polêmica da vez na F1 (Foto: Mark Thompson/Getty Images/Red Bull Content Pool)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Marko, no entanto, entende que o comentário do piloto britânico faz parte de uma ação orquestrada da Mercedes para inflar a polêmica em torno da equipe adversária.

“Toto Wolff disse isso a Lewis para definir o tom. Mas estamos tranquilos. Passamos em todos os testes anteriores e vamos continuar passando nos próximos. Isso mostra o quão sério a Mercedes encara o nosso trabalho. Se voltarmos para o lado psicológico, esperaria um pouco mais de nível do lado de lá”, garantiu o austríaco em entrevista ao site alemão F1-Insider.

Christian Horner, chefe da Red Bull, reforçou que o carro taurino está totalmente de acordo com as regras. “Claro que os carros são vistoriados minuciosamente e há testes de flexão, há todos os tipos de testes diferentes que ele precisa passar. A FIA está completamente satisfeita com o carro depois de ter passado em todos os testes, que são bastante rigorosos”, disse.

O dirigente britânico endossou as palavras de Marko sobre a influência da Mercedes para elevar o tom da polêmica. “É algo que Toto falou para mim anteriormente. Duvido que tenha sido a opinião de Lewis. Provavelmente, veio de outro lugar”, apontou.

Entretanto, a FIA (Federação Internacional de Automobilismo) está prestes a determinar uma nova diretiva técnica que visa especificamente a flexibilidade das peças e determina regras e tolerância para flexão e também reza sobre normas de testes determinados pela entidade.

Segundo reporta o site britânico Motorsport Magazine, a diretiva vai valer a partir do GP da França, ou seja, depois das etapas de Mônaco, Azerbaijão e Turquia, ainda no calendário — embora a etapa em Istambul esteja na iminência de ser cancelada.

No fim das contas, trata-se de mais um capítulo do embate entre Red Bull e Mercedes nos bastidores. Muito além da disputa na pista pelo título, tendo Max Verstappen e Lewis Hamilton como os protagonistas, as duas equipes travam uma grande batalha no seu quadro de funcionários. A Mercedes já perdeu seis profissionais de muita experiência, contratados pela Red Bull para reforçar o novo departamento de motores, denominado Red Bull Powertrains, que vai desenvolver as unidades de potência a partir de 2022, uma vez que a Honda vai deixar o grid da F1 ao fim da atual temporada.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar