Ricciardo revela desidratação durante GP de Miami por estratégia da McLaren

Piloto australiano pagou o preço por estratégia de redução de peso da equipe de Woking no quente circuito de rua do sul da Flórida. MCL36 teve redução na quantidade de bebida de seu sistema de hidratação

MERCEDES SEM RESPOSTAS NA F1 2022, 20 ANOS DAQUELE GP DA ÁUSTRIA + MOTOGP NA FRANÇA | WGP

Neste início de temporada da Fórmula 1, quando o novo regulamento técnico da categoria ainda é muito recente, vale de tudo para entender problemas e desvendar soluções para as questões que os bólidos enfrentam. Um deles é o peso dos carros e como isso tem afetado a performance das equipes nas corridas.

Para o GP de Miami e com a questão do peso em mente, então, a McLaren apostou em uma medida inusitada: reduzir a quantidade de bebida no sistema de hidratação do MCL36. Mas, com o calor intenso no sul da Flórida no momento da corrida, Daniel Ricciardo teve que pagar o preço.

LEIA TAMBÉM
+ Ricciardo culpa pista de Miami por dia ruim da McLaren: “Destacou nossas fraquezas”

“É, definitivamente o calor foi um fator. É difícil, porque todos estão obviamente lutando por (reduzir) cada grama de peso do carro. Então, não temos o luxo de colocarmos três litros no sistema de hidratação. Então, temos um pouco, mas nunca o suficiente de líquido. Naturalmente, você fica desidratado”, apontou o australiano.

Daniel Ricciardo também afirmou não ter gostado do rendimento da McLaren em Miami (Foto: McLaren)

Ricciardo cruzou a linha de chegada em 11º no GP de Miami, mas caiu para a 13ª colocação após ser penalizado por ganhar vantagem fora do traçado em disputa com Kevin Magnussen. O piloto da McLaren afirmou, após a prova, que acreditava ter recebido a bandeira quadriculada em décimo – na zona de pontos, portanto.

“Quando cruzei a linha de chegada, honestamente pensei que tinha chegado em 10º. É difícil saber, obviamente, com todas as disputas e os carros na pista. Mas estava fazendo meu cálcuco mental, pensando que tinha passado na zona de pontos”, disse Ricciardo. “Vi na classificação que estava em 13º ao invés de 11º, ainda sem pontos. Lembro de estar lado a lado algumas vezes com a Haas, e senti que estávamos tendo algumas boas disputas. Infelizmente, nada de top-5 ou algo do tipo. No plano geral, não muda em nada minha corrida”, pontuou.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

“Mas sim, faltou pouco. Nós simplesmente não fomos rápidos o suficiente. Estávamos apenas sobrevivendo. E acho que, quando todos os carros estão perto, nós perdemos um pouco nas retas. E, claro, um pouco de arrasto e coisas do tipo”, finalizou o piloto da McLaren.

POR QUE HAMILTON PEITA FIA E CONFRONTA ‘REGRA DAS JOIAS’
Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar