F1

Depois de batida na Áustria, Bottas aplaude brita: “Não é para ser mamão com açúcar”

Bater e destruir o carro é ruim, mas Valtteri Bottas mantém a opinião positiva sobre o uso de caixas de brita na F1. O finlandês defende que pilotos precisam ser punidos quando erram e escapam da pista, como aconteceu no TL2 na Áustria

Grande Prêmio / Redação GP, de Berlim

 
Valtteri Bottas foi vítima de uma caixa de brita no Red Bull Ring nesta sexta-feira (28), mas não está muito irritado. Após a batida no segundo treino livre da Fórmula 1, o finlandês disse preferir ser punido pelos erros a escapar ileso por conta de áreas de escape asfaltadas.
 
“Mesmo tendo batido, prefiro ser punido pelos meus erros”, disse Bottas. “Isso deixa as coisas mais empolgantes. Acho que é assim que deveria ser e é fato que erros aqui saem caro com essas zebras agressivas, áreas de escape mínimas e tudo”, seguiu.
 
“Não sou fã de pistas como Paul Ricard, onde você tem essas áreas de escape. Me lembro do passado, eu estava pilotando em Spa, indo pela Pouhon, e tinha brita fora da pista. Era assustador, o menor dos erros podia danificar muito o carro. Voltar a uma pista assim, onde você tem a brita, a punição está logo ao lado e você definitivamente fica mais nervoso a respeito disso”, destacou.
Valtteri Bottas foi vítima da brita no Red Bull Ring (Foto: AFP)
Nesse sentido, o Red Bull Ring pode ser considerado ‘old-school’. Quase não há áreas de escape asfaltadas e, de quebra, as altas zebras podem ser o gatilho para um acidente – como aconteceu com Max Verstappen, também no TL2.
 
“Você freia muito tarde na curva 4, você sabe que vai para a brita. Você  freia muito forte e muito rápido na 6, você sabe que está na brita, o mesmo com a 7. Eles também colocaram uma zebras sérias nas curvas 9 e 10. Isso é positivo. Você não deveria escapar e voltar assim, mamão com açúcar, sabe?”, encerrou.
 
Com o acidente, Bottas deu apenas 12 voltas no TL2 – 31 a menos do que Lewis Hamilton. Em contrapartida, o finlandês foi o segundo mais rápido, atrás apenas de Charles Leclerc, sendo 0s1 melhor do que o britânico.
 
Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.