Dez anos após conquistar primeiro título na F1, Alonso diz que “há outras categorias para ser campeão do mundo”

Em 25 de setembro de 2005, Fernando Alonso comemorou, em Interlagos, a conquista do seu primeiro título mundial de F1. Embora diga que ainda sonha e busque o tricampeonato, o piloto da McLaren já admite buscar novos horizontes para sua carreira nas pistas

Há dez anos, Fernando Alonso transformava-se no mais jovem piloto à época, com 24 anos, um mês e 27 dias, a conquistar um título mundial na F1. Em Interlagos, no GP do Brasil de 2005, bastou um terceiro lugar para coroar uma grande temporada e destronar Michael Schumacher, que vinha com uma sequência incrível de cinco títulos mundiais entre 2000 e 2004. Em 2006, também correndo pela Renault, Alonso faturou o bicampeonato. Mas, desde então, o espanhol amarga uma seca de títulos que dura até hoje.

Do outro lado do mundo, em Suzuka, Alonso comemora o marco histórico do seu primeiro título na F1 e disse que ainda espera e alimenta o sonho de chegar ao tricampeonato. Contudo, ciente de que já está na fase final da carreira na categoria, o atual piloto da McLaren, aos 34 anos, já admite buscar novos ares para voltar a triunfar no esporte a motor.

Alonso ainda sonha em ser campeão novamente na F1, mas já olha para novos horizontes (Foto: AP)

“Espero que volte a ser campeão do mundo. Parece que já se passaram mais anos do que realmente foram, parece que já se vão 20 anos desde que conquistei o Mundial, até mesmo pelo que vivi todos esses anos desde que estou aqui”, declarou o piloto após o fim das atividades de pista do primeiro dia do GP do Japão.

“Na Rússia [prova seguinte do calendário], acredito que vou chegar a completar 250 GPs, então dez anos não são nada. Tomara que isso possa se repetir, mas do contrário, há outras categorias para ser campeão do mundo”, acrescentou Alonso, que chegou a ter convite da Porsche para disputar as 24 Horas de Le Mans, mas foi impedido pela McLaren e pela Honda por força de contrato.

Longe dos tempos gloriosos de Renault há dez anos, Alonso amarga uma fase difícil com a McLaren. A sexta-feira (25) representou a sequência de um trabalho difícil no desenvolvimento do MP4-30 e do motor Honda. Diante da chuva forte em Suzuka, não deu para fazer muita coisa, mas ao menos a equipe conseguiu testar com êxito as mudanças e correções no câmbio que acabou por levar ao abandono tanto Alonso como Jenson Button em Cingapura, na semana passada.

Alonso aproveitou o dia chuvoso para testar as correções que a McLaren implemento no câmbio (Foto: AP)

“Apesar de não ter rodado muito, tivemos alguns testes importantes. Alguns eram vitais, como a refrigeração do câmbio, algo que nos fez abandonar com nossos dois carros em Cingapura. E aqui também temos algumas atualizações, e tudo funcionou como se esperava. Espero que, pouco a pouco, encontremos as soluções para os nossos problemas”, disse.

“Dentre as poucas voltas que completamos, acredito que elas foram bem úteis. Sabíamos que seria uma sexta-feira distinta em razão da chuva extrema hoje, e a previsão aponta sol para amanhã, de modo que não havia muito o que testar. Ainda assim, tivemos muitos probleminhas durante a sessão, tanto Jenson como eu, tivemos de trocar um motor, por isso temos de seguir melhorando, mudar tudo para amanhã e ver em que posição nos encontramos”, acrescentou o bicampeão.

“Amanhã teremos o treino livre mais importante, já que teremos muitas coisas para testar e que não testamos hoje, mas é o mesmo para todo mundo, e vamos ver se conseguimos encontrar alguma vantagem”, finalizou Alonso, confiante em poder finalmente guiar no seco neste fim de semana em Suzuka.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube