Diretor da McLaren aponta falta de eficiência e afirma que Honda precisa se integrar à cultura da F1

Na visão de Éric Boullier, a Honda sofre em sua jornada na F1 porque ainda não entendeu e tampouco abraçou a cultura da categoria, sobretudo no que diz respeito ao desenvolvimento contínuo do seu motor. O diretor de corridas da McLaren voltou a defender a instalação de uma fábrica da fornecedora perto da equipe, como acontece, por exemplo, com a Mercedes

 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Cansado de ter de falar sobre os problemas da Honda, Éric Boullier, diretor de corridas da McLaren, entende que a parceira e fornecedora de motores da escuderia britânica ainda não conseguiu se encontrar desde que retornou à F1, em 2015, porque não entendeu e tampouco abraçou a cultura da categoria, sobretudo no que diz respeito ao desenvolvimento contínuo da sua unidade de potência. A última passagem da Honda pela F1 foi na década passada, quando, além de fornecedora de motores, tinha uma equipe de fábrica que chegou até mesmo a vencer corrida, com Jenson Button. Mas desde que voltou à F1, não conseguiu entregar à McLaren um motor verdadeiramente competitivo.

 
Boullier entende que a Honda peca por não mudar sua filosofia de trabalho. Ao não adaptá-la ao cotidiano competitivo da F1, o diretor da McLaren entende que a fábrica de Sakura acaba ficando para trás em relação às rivais em relação ao desenvolvimento contínuo do seu motor.
 
“Eles só precisam se uma coisa, que é entender e se integrar à cultura da competição da F1. O que eu quero dizer com isso é que a maneira como nos comportamos na F1 está influenciada pelo calendário, objetivos fixos, datas, metas em tempo de volta… sempre buscamos conseguir a melhor solução o mais rápido possível”, comentou o engenheiro aeronáutico francês em entrevista ao site norte-americano ‘Motorsport.com’.

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 3
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);

Éric Boullier defende a mudança de postura da Honda e pede que a parceira abrace a cultura da F1 (Foto: McLaren)
“Quando um fabricante de carros está com um projeto, isso pode atrasar algumas semanas, e isso não muda o produto, não muda o modelo do negócio”, acrescentou.
 
A Honda desenvolveu um novo conceito de motor para o começo da temporada 2017, mas enfrentou uma série de problemas durante os testes de inverno e teve de voltar atrás no seu projeto para entregar a Fernando Alonso e Stoffel Vandoorne uma versão que possa ao menos ser confiável neste primeiro GP do calendário, neste fim de semana, na Austrália.
 
Mas Boullier entende que a Honda sofre pela falta de eficiência sobre o desenvolvimento do seu motor. 
 
“Na competição, se você não leva uma atualização para este primeiro GP, então você não vai estar em lugar algum nesta primeira corrida. Essa é a mentalidade das corridas. É ir aos fornecedores e garantir de que se tenha algo em um mês, da próxima vez eles farão isso em três semanas, e depois em duas. Valorizamos muito mais o tempo ganho do que o dinheiro gasto. É um foco diferente em relação ao resto do mundo”, comentou Boullier.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Desta forma, o dirigente defendeu que a Honda tenha uma fábrica na Inglaterra, como faz hoje a Mercedes. A escuderia tricampeã do mundo, que tem sede em Brackley, tem sua fábrica de motores instalada em Brixworth, também na Inglaterra. A Honda, embora tenha uma base em Milton Keynes, desenvolve a maior parte do seu motor na fábrica em Sakura, no Japão. Para Boullier, o ideal seria que a Honda pudesse contar com uma base sólida mais próxima da McLaren para ganhar em eficiência no desenvolvimento do seu motor.

 
“Por isso a Mercedes tem sua fábrica na Inglaterra. Eles se beneficiam disso e de pessoal com experiência na F1. Nossos fornecedores talvez custam o dobro da Honda, mas são três, quatro, cinco vezes mais rápidos. De certa maneira, você percebe que a influência corporativa não ajuda na eficiência. Quanto mais você se comporta como empresa, mais lento você é, e isso não se encaixa bem à cultura das corridas”, finalizou.
 
O GRANDE PRÊMIO transmite todas as atividades do GP da Austrália de F1 neste fim de semana. Acompanhe tudo AO VIVO e em TEMPO REAL, com a estreia do livetiming.
 

PADDOCK GP #70 FAZ PRÉVIA DE ABERTURA DAS TEMPORADAS DE F1 E MOTOGP E LEMBRA PACE

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube