Diretor da Mercedes diz que chegou a pensar em conspiração da Pirelli em Cingapura: “De repente, ficamos 1s5 atrás”

Toto Wolff ainda procura explicações sobre a abrupta queda de rendimento da Mercedes no último fim de semana em Marina Bay. O dirigente austríaco disse que chegou até a pensar que a Pirelli entregou à Mercedes pneus com rendimento pior, mas logo descartou que tenha sido este o motivo para o fim de semana ruim da equipe prateada em Cingapura

O desempenho inexplicável da Mercedes em Cingapura, duas semanas depois de estraçalhar a concorrência em Monza, fez Toto Wolff até mesmo pensar em uma conspiração por parte da Pirelli. Entretanto, o dirigente austríaco logo tratou de deixar claro que não foi isso o que aconteceu, embora ainda não tenha encontrado o real motivo para tamanha queda de desempenho em Marina Bay no último fim de semana.

“Por um momento eu pensei: ‘Como a Pirelli nos deu um pneu diferente dos outros?’ Não estou dizendo que isso aconteceu, só o que eu pensei”, declarou Wolff logo depois do GP de Cingapura.

Toto Wolff segue sem entender o que aconteceu com a Mercedes no fim de semana em Cingapura (Foto: Mercedes AMG)

O rumor sobre a Pirelli foi levantado em razão da polêmica sobre a adoção de uma pressão de pneu, por parte da Mercedes, menor que o indicado pela fornecedora italiana em Monza. Tal episódio fez com que a vitória de Lewis Hamilton ficasse sob investigação dos comissários que, por fim, optaram por absolver equipe e piloto, confirmando o triunfo do bicampeão do mundo.

Hamilton também ficou sem reação ao ver sua equipe sem condição alguma de lutar pelas primeiras posições na cidade-estado, ainda que, ao fim da corrida, depois de ter abandonado a prova, o britânico tenha dito que tinha carro até para vencer. “Não me lembro de nenhuma outra vez em minha carreira na F1 quando isso aconteceu. Não mudamos nada no carro e, de repente, ficamos 1s5 atrás”, disse.

“Esta é uma nova experiência para nós, mas não tenho nenhum motivo para pensar que isso vai continuar. Vamos vencer mais corridas”, garantiu Lewis. Seu companheiro de equipe, Nico Rosberg, também tenta procurar as respostas para tamanha queda de rendimento. “Em 15 dias, perdemos 1s5 para a Ferrari e 2s5 para a Red Bull. E ninguém na equipe sabe explicar o motivo”, afirmou.

Assim como Toto Wolff chegou a dizer, Rob Smedley, chefe de desempenho da Williams, entende que a queda da Mercedes em Cingapura se deve ao rendimento dos pneus no asfalto de Marina Bay. “Deve ser os pneus. Sempre que você está falando em algo além de 0s5, deve ser algo relacionado aos pneus”, explicou o engenheiro. Na cidade-estado, a Pirelli levou os pneus macios e supermacios.

A Ferrari, ao contrário da Mercedes, teve seu melhor fim de semana no ano e conquistou a primeira vitória ‘real’ na temporada, tirando proveito justamente do rendimento dos pneus da Pirelli em Cingapura. Entretanto, Maurizio Arrivabene entende que as características do circuito de Suzuka, aliadas ao uso dos pneus duros e médios, devem novamente favorecer a Mercedes.

“Cingapura foi ideal para nós, e o Japão não é. É parecida com Silverstone, outra pista onde temos sofrido muito nos últimos anos”, alertou o dirigente italiano.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube