Diretor da Williams admite preocupação e já vê ‘renovada’ McLaren como ameaça para temporada 2018

Diretor-técnico da Williams, Paddy Lowe revelou preocupação com a McLaren, especialmente agora que os compatriotas vão correr com os motores Renault. O dirigente, por outro lado, também se mostrou satisfeito com o desempenho final apresentado por sua equipe em 2017

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

A Williams tem como meta em 2018 tentar voltar ao top-4 do Mundial de Construtores após duas temporadas de derrotas para a Force India, só que a equipe inglesa já entende que a McLaren deve também ser uma adversária forte nessa empreitada, especialmente depois que o time Woking decidiu trocar os motores Honda pelos Renault

 
A esquadra chefiada por Zak Brown viveu um campeonato difícil no ano passado, marcada pela extrema falta de confiabilidade das unidades de potência da fabricante japonesa, por isso a decisão pela mudança de fornecedora. Entende-se ainda que a McLaren tenha um dos melhores chassis do grid, e isso deve seguir para esse ano. Daí a preocupação da Williams. 
 
"Será interessante", afirmou Paddy Lowe, diretor-técnico da Williams, ao analisar a McLaren, equipe que defendeu durante grande parte da carreira na F1. "A Honda pareceu mais forte no fim da temporada, então será interessante ver que tipo de passo adiante a McLaren vai dar durante os trabalhos da pré-temporada. Eles são rivais que temos de respeitar. E, sim, estamos de olho neles", completou.
Paddy Lowe é o diretor-técnico da Williams (Foto: Williams)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Lowe ainda se disse satisfeito com o desenvolvimento da Williams e o fato de a equipe ter se mostrado mais competitiva na parte final da temporada 2017, ainda que não tenha sido possível disputar a quarta posição com a Force India. "Alguns dos resultados que tivemos foram tão bons quanto uma vitória, como, em particular, o sétimo posto de Felipe [Massa] no Brasil", contou.

 
"Aquilo foi incrível, especialmente porque o carro não se mostrou rápido o suficiente para aquele tipo de resultado. E é aí que você vê um ótimo trabalho em equipe. Tirar o melhor proveito daquilo que é necessário exige um grande trabalho de equipe, seja em um carro vencedor ou no grupo intermediário", acrescentou o inglês.
 
"Tivemos algumas perdas, alguns erros, mas, no geral, a equipe fez um ótimo trabalho. Mas é claro que teríamos ficado mais felizes se tivemos terminado o ano na quarta posição. A Force India tem todos os méritos. Eles fizeram um trablho fantástico e merecem a colocação que conquistaram. De qualquer forma, tivemos um bom programa de desempenho", concluiu.
 
A Williams é a única equipe do grid que ainda não anunciou sua dupla de pilotos para 2018. 
 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube