Diretora da Williams volta ao ‘SUS’ do Reino Unido para combater coronavírus

Su Chantry atua na Williams como diretora de saúde ocupacional. Entretanto, deixou seu posto na equipe para atuar no combate do coronavírus em conjunto com o Serviço de Saúde Nacional do Reino Unido, semelhante ao SUS, Sistema Único de Saúde, do Brasil

Su Chantry deixou o paddock da Fórmula 1 para assumir papel no combate ao coronavírus. A diretora de saúde ocupacional da Williams retomou o posto de enfermeira no Serviço de Saúde Nacional do Reino Unido, semelhante ao SUS [Sistema Único de Saúde] brasileiro, e admitiu que não estava preparada para o que enfrentou.

Durante o período de quarentena, com a temporada 2020 colocada em espera, as equipes fecharam suas fábricas e mantiveram os funcionários em casa. Então, com o apoio do time e de sua chefe, Claire Williams, Chantry retornou ao SNS após 15 anos – na época, trabalhou na enfermaria neonatal crítica. Na linha de frente contra a Covid-19, completou três a quatro turnos por semana no Hospital John Radcliffe, em Oxford.

“Para mim, voltar ao Serviço Nacional de Saúde após 15 anos foi um choque para meus sentidos clínicos. Tive de retomar minhas habilidades de enfermagem, que estavam muito enferrujadas”, contou ao site oficial da F1.

“Mas, como disse a um de meus colegas no primeiro dia, posso não estar em dia com os avanços clínicos e as tecnologias, mas seu processo de enfermagem nunca te deixa. Foi uma transição”, emendou a inglesa.

Su Chantry
Do paddock para o combate ao coronavírus (Foto: Reprodução)

“Após duas ou três semanas, percebi que estava bastante angustiada e acho que foi o fato de que estava cuidando de pessoas criticamente doentes. Não fazia isso há muito tempo e foi exaustivo”, continuou.

“De repente, ter um paciente no respirador, colocar novamente meu uniforme, todo o EPI [equipamento de proteção individual] – foi uma mudança real para mim. Acho que não me preparei para aquilo”, seguiu.

“Mas o apoio social estava lá. Desde o meu primeiro turno, a enfermeira sênior começou reuniões diárias e nos pediu para cuidarmos uns dos outros e fazer coisas simples como pegar as caixas de comida e nos alimentar”, completou a enfermeira.

E em relação às caixas de comida, é neste ponto que a F1 se junta na batalha ao coronavírus. Ron Dennis, em conjunto com Lyndy, esposa do diretor de corrida da Williams, Dave Reddings, entregaram milhões de refeições para os profissionais da saúde britânicos, incluindo Su.

“Quando levei a minha para casa, havia um cartão da esposa de meu diretor de equipe agradecendo o que estava fazendo. Foi legal poder mandar um e-mail pessoal para ele retribuindo o agradecimento e dizendo que estávamos conectados, já que sua esposa estava cuidando de mim.”

Deixar o Serviço de Saúde não está nos planos de Su (Foto: Reprodução)

“Trabalho cuidando das pessoas na F1, mas a F1 estava cuidando de mim enquanto estive no Serviço de Saúde. Foi algo adorável, ter refeições ao voltar para casa e não ter de me preocupar com ninguém além de mim enquanto meu parceiro cuidava das crianças em casa”, sublinhou.

Agora, Chantry está focada na Williams e em seu retorno ao trabalho. Com a F1 prevista para começar no próximo mês, em julho, na Áustria, está trabalhando com os diretores pensando em estratégias para testes e assegurando que todos da equipe estão em forma para voltar para a pista.

Mas não está em seus planos deixar o Serviço de Saúde. Trabalhando quatro dias por semana, pretende usar o quinto dia para seguir com os serviços. “A Williams tem me dado um apoio incrível. Quando falei com a Claire e com o time sobre voltar para o SNS, todos me apoiaram”, disse.

“Foi fenomenal. O que realmente gostei foi voltar e retomar minha confiança clínica. Estou planejando manter um turno por semana. Mas, no momento, meu foco é apoiar a Williams em termos de estratégia para voltar para as corridas”, encerrou.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube