Dono de “comportamento inatacável”, Alonso diz que vai entrar na justiça após ter nome ligado a investigação fiscal

O bicampeão da F1 Fernando Alonso assegurou que está com o nome limpo diante das autoridades fiscais espanholas e possui um comportamento "inatacável", por isso vai acionar a justiça por danos à imagem após ter seu nome divulgado em uma investigação sobre crimes fiscais — o ‘Swiss Leaks’. Flavio Briatore também garantiu inocência

Fernando Alonso anunciou me um comunicado na noite de segunda-feira (10) que vai tomar medidas judiciais devido à divulgação de seu nome em meio à chamada ‘lista Falciani’, referente ao caso do ‘Swiss Leaks’.
 
Henry Falciani é um ex-funcionário da filial suíça do banco HSBC que vazou informações confidenciais para o governo francês indicando uma conduta irregular e antiética da empresa — que admitiu não ter agido da forma mais correta.
Fernando Alonso garantiu inocência com relação às leis fiscais espanholas (Foto: Xavi Bonilla/Grande Prêmio)
A revelação da investigação foi feita neste domingo (8) pelo Consórcio Internacional de Jornalismo Investigativo (ICIJ, na sigla em inglês). E a lista de clientes do banco de Genebra contém gente da F1, como Alonso, Flavio Briatore, Heikki Kovalainen, e também o maior campeão da MotoGP, Valentino Rossi. Estes foram destacados entre 61 perfis.
 
Diz a nota de Alonso: “Fernando Alonso Díaz ordenou a seus advogados a imediata e urgente interposição de várias demandas por infração ao seu direito de honra diante a distintos meios de comunicação como consequência da publicação de informações em que se vincula sua imagem a eventuais delitos fiscais e a posse de patrimônios não declarados às autoridades fiscais competentes”.
 
Ao diário ‘Marca’, um assessor do piloto da McLaren ainda disse que Alonso não tinha de pagar ao governo espanhol porque não morava no país. A conta de Alonso no HSBC permaneceu aberta entre 2002 e 2010, e a investigação se concentra em dados especialmente de 2006 e 2007. Em 2011, Alonso voltou a viver na Espanha, e inclusive chegou a dizer que estava feliz por pagar os impostos: “Não sou pobre agora, apenas menos rico”.
 
“Fernando vivia ali [na Suíça] e pagava ali. Nunca teve nada na Espanha desde que foi viver na Inglaterra com uma mão na frente e outra atrás. O fisco nunca nos pediu nada”, falou.
 
“Coloca-se sob suspeita um comportamento inatacável, que é o que Fernando teve durante todos estes anos”, acrescenta.
 
 Também mencionado pelo ICIJ, o ex-chefe de Alonso na Renault, Flavio Briatore foi outro que emitiu um comunicado na segunda-feira. O italiano não deu detalhes a respeito de sua situação, mas ressaltou que não mora na Itália há mais de 25 anos e que as autoridades fiscais de seu país têm ciência disso.
 
“As contas e as cifras mencionadas são de mais de 10 anos, por isso o senhor Briatore não sabe confirmar ou negar os detalhes apontados pelo Consórcio Internacional de Jornalismo Investigativo. O senhor Briatore pode confirmar que ele e algumas de suas propriedades eram administradas na Suíça e que tinha algumas contas bancárias ali de modo perfeitamente legal, respeitando todas as leis e regulamentos fiscais”, esclareceu.
 
“De qualquer forma, Briatore não mora na Itália faz mais de 25 anos e, portanto, não está sujeito às leis da Fazenta Italiana. As contas que tinha no HSBC foram notificadas há anos à autoridade judicial italiana, que nunca encontrou nenhuma irregularidade fiscal nelas”, completou.
 
SENNA NA MCLAREN

Sim, é uma notícia de 2015. A marca inglesa anunciou nesta segunda-feira (9) que contratou Bruno Senna para integrar seu time oficial nas corridas de GT e também para colaborar com o desenvolvimento de modelos de rua. “É uma grande honra para mim me juntar à McLaren, um time pelo qual meu tio teve tanto sucesso e um dos nomes mais famosos no automobilismo. 2015 é um grande ano para toda a McLaren e é um momento animador para ser parte de tudo o que está acontecendo”, comentou Senna.

Leia a reportagem completa no GRANDE PRÊMIO

SWISS LEAKS
Fernando Alonso, Flavio Briatore, Heikki Kovalainen e Valentino Rossi: estes nomes constam em uma lista de 61 perfis divulgada pelo Consórcio Internacional de Jornalismo Investigativo (ICIJ, na sigla em inglês) oriunda do vazamento de dados confidenciais da filial suíça do banco HSBC. A investigação, batizada de ‘Swiss Leaks’ e conduzida por jornalistas de 45 países, começou em 2008 depois que um ex-funcionário do HSBC entregou dados do banco britânico às autoridades francesas. O jornal ‘Le Monde’ conseguiu acesso às informações e as compartilhou com a ICIJ. A revelação foi feita neste domingo (8).

Leia a reportagem completa no GRANDE PRÊMIO

LEVEL: LEGENDARY
Depois de conquistar a terceira posição no Mundial de Construtores em 2014, a Williams assegura que fez no período do inverno europeu um trabalho com a intenção de obter resultados ainda melhores neste ano. E o finlandês Valtteri Bottas já prevê que o grau de dificuldade para que estes objetivos sejam alcançados será maior. “Agora a parte mais difícil começa”, declarou Bottas, que garante: “Estamos realmente determinados a fazer melhor”.

Confira a reportagem completa no GRANDE PRÊMIO

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube