F1

Ecclestone defende presença de grid girls e critica decisão do Liberty Media: “Não consigo ver como pode ser ofensivo”

Bernie Ecclestone criticou a decisão do Liberty Media de proibir o uso de grid girls na F1. Ex-chefão da categoria defendeu a presença das moças e disse não entender como isso pode ser ofensivo

Warm Up / Redação GP, de São Paulo

Não demorou para Bernie Ecclestone entrar na polêmica do fim das grid girls na F1. O ex-chefão da categoria criticou a decisão do Liberty Media e disse não entender como a prática pode ser ofensiva para alguém.
 
Na última quarta-feira, o Liberty Media anunciou que a F1 não terá mais a presença das grid girls. A alegação dos novos donos da categoria é que “tal prática não ecoa nossos valores e claramente está em desacordo com as normas da sociedade atual. Não acreditamos que essa prática seja apropriada ou relevante para a F1 e seus fãs, velhos e novos, mundo afora".
Bernie Ecclestone criticou a decisão do Liberty Media (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)

Ecclestone, no entanto, vê a presença das garotas como “parte do show” e avaliou que elas deveriam ser mantidas já que “os pilotos gostam delas, a audiência gosta e ninguém liga”.
 
“Essas garotas eram parte do show. Os fãs amam o glamour”, disse Ecclestone ao jornal inglês ‘The Sun’. “Essas garotas eram parte do show, parte do espetáculo”, seguiu.
 
“Você deveria poder ter grid girls. Os pilotos gostam delas, a audiência gosta e ninguém liga”, defendeu. “Não consigo ver como uma garota bonita parada com um piloto e um número na frente de um carro de F1 pode ser ofensivo para alguém”, comentou.
 
Ainda, Ecclestone avaliou que a decisão é resultado de todos estarem “ficando um pouco puritanos” no momento.