F1

Em fim eletrizante e inesperado, Bottas arranca pole de Hamilton no Azerbaijão. Favorito, Leclerc bate

Valtteri Bottas certamente não aparecia como forte candidato à pole no Azerbaijão, mas fez o sonho virar realidade. Em uma classificação atípica, o finlandês derrotou Lewis Hamilton e comandou uma virada da Mercedes sobre a Ferrari

Grande Prêmio / VITOR FAZIO, de Berlim

Era para ser o dia da Ferrari, mas não foi. Em um sábado (27) dos mais conturbados em Baku, levou a melhor quem soube tirar proveito das adversidades – e quem fez isso muito bem foi a Mercedes. Com Valtteri Bottas, a equipe prateada voltou a se agigantar no Q3 para alcançar uma nova pole-position na Fórmula 1.
 
O Q3 foi particularmente diferente de tudo que se previa. Charles Leclerc, que surgia como um favorito inicial, não teve a chance de confirmar a velocidade extra. O monegasco bateu no Q2 ao perder controle na curva do castelo. De brinde, o longo reparo nas barreiras de proteção atrasou a parte final, forçando que todos andassem com temperaturas mais baixas do que o previsto. A Mercedes parece ter se dado bem com o novo clima, formando dobradinha com Lewis Hamilton em segundo.
 
O terceiro lugar coube a Sebastian Vettel, 0s3 mais lento. Max Verstappen foi quarto, enquanto Sergio Pérez completou o top-5 e se afirmou como ‘melhor do resto’.
Valtteri Bottas (Foto: AFP)
Daniil Kvyat completa a terceira fila, ao lado de Pérez, com Lando Norris em sétimo. Antonio Giovinazzi fez a melhor classificação da carreira, alcançando o oitavo tempo, mas larga em 17º para cumprir a perda de dez posições no grid. Assim, Kimi Räikkönen larga em oitavo e Leclerc, sem tempo no Q3, em nono.

A classificação foi afetada por duas grandes pancadas. A primeira foi de Robert Kubica, que perdeu controle no trecho do castelo e passou reto. Depois de bater no muro interno e danificar a suspensão, o polonês não teve como evitar a barreira externa. Era uma prévia daquilo que viria depois, e com um personagem mais importante: Charles Leclerc, que vinha com ares de favoritismo, teve o mesmo destino. O monegasco travou os pneus e encheu as já remendadas barreiras de proteção.


O GP do Azerbaijão começa às 09h10 (de Brasília). O GRANDE PRÊMIO acompanha tudo AO VIVO e em TEMPO REAL.

Saiba como foi o treino classificatório do GP do Azerbaijão

Q1 - A surpresa de Gasly e a pancada de Kubica

A classificação começou com todo mundo deixando os boxes tão cedo quanto possível. Fora a Red Bull, que esperou um pouco mais com Pierre Gasly e Max Verstappen, os demais tinham alguma urgência na busca por espaço na pista.
 
Antes dos pilotos de ponta, Kimi Räikkönen apareceu na liderança provisória do Q1, anotando 1min43s518. Óbvio, seria algo breve: o primeiro ciclo de voltas de Mercedes e Ferrari teve Sebastian Vettel ponteando com 1min42s348.
Lewis Hamilton (Foto: AFP)
A liderança era de uma equipe de ponta, mas isso não significava que as medianas não faziam um bom trabalho. Antonio Giovinazzi e Alexander Albon apareciam no top-5, tirando proveito de voltas realmente chamativas.
 
Quem não podia se gabar disso era Lewis Hamilton. O britânico não teve uma boa volta e começou a despencar na tabela de tempos. Em determinado momento, o pentacampeão era quinto. Foi necessário gastar um novo conjunto de pneus para voltar ao conforto do terceiro lugar. Quem também fez bom uso de uma volta extra foi Pierre Gasly – o francês
 
No outro extremo da tabela, a briga era acirrada. Nico Hülkenberg, que escapou da pista, chegava aos últimos cinco minutos ainda sem tempo de volta. Romain Grosjean e Lance Stroll eram os outros na zona da degola, ao lado dos convencionais Robert Kubica e George Russell.
Robert Kubica (Foto: Reprodução)
Hülkenberg não foi muito longe na única tentativa que teve, superando apenas a dupla da Williams. A derrota da Renault corria o risco de ser dupla, já que Daniel Ricciardo foi superado por Lance Stroll. A sorte dos franceses é que o australiano voltou a encontrar tempo, superando o canadense por 0s2.
 
O Q1 não poderia chegar ao fim sem uma pancada. Essa foi cortesia de Kubica: o canadense bateu no muro interno da curva do castelo e seguiu reto contra a barreira de pneus. Era fim de treino para o polonês, que voltava a ficar atrás de Russell em uma classificação.

Q2 - O drama de Leclerc

Depois de longo trabalho dos fiscais para recuperar a barreira de proteção, danificada por Kubica, a bandeira verde voltou a agitar. Foram 30 minutos de atraso, com o Q2 começando apenas às 10h50min (de Brasília). Quando os caros foram à pista, uma questão surgiu: a Mercedes mandou os carros à pista com pneus macios, enquanto a Ferrari optou por médios. Importante lembrar que os pneus do Q2 são os utilizados na largada.
 
Como poderia se imaginar, a Ferrari começou pior que a Mercedes. Leclerc anotou o quinto melhor tempo, enquanto Vettel apareceu em 11º. O líder era Max Verstappen, com macios colocando a dupla da Mercedes no bolso.
Charles Leclerc (Foto: Reprodução)
E aí a Ferrari voltou a se ver com uma bomba no colo. Leclerc, antes favorito à pole, bateu na curva do castelo no mesmo estilo de Kubica. Era fim de treino para o ferrarista e o começo de uma nova paralisação das mais longas.

A bandeira verde veio e Vettel foi o primeiro na pista. Para descobrir que as temperaturas baixas já tinham efeitos: o alemão conseguiu apenas o sétimo tempo, enquanto outros pilotos do pelotão intermediário não conseguiam nada melhor do que isso.
 
Ricciardo, Albon, Magnussen, Giovinazzi e Gasly – que não voltaria à pista – estavam na zona de eliminação. O italiano da Alfa Romeo conseguiu melhorar e levou o décimo lugar, tomando a vaga que pertencia a Sainz. Os demais que estavam na degola assim terminaram, com Alexander inclusive quase batendo.

Q3 - A surpresa de Bottas

O Q3 começou com uma briga aberta entre as três equipes de ponta. E, nessa briga, quem parecia ter mais força era a Red Bull – Verstappen fez a pole provisória, superando Vettel. Mas ninguém iria superar Hamilton na primeira tentativa, quando veio o tempo de 1min40s703.
 
Na segunda tentativa, o jogo começou a mudar. As primeiras parciais já indicavam claramente evolução dos tempos, mas ainda com a maré indo na direção da Mercedes. Só que não na de Hamilton: Bottas, que passou a maior parte do tempo sem chamar atenção, encontrou tempo precioso no fim e levou a pole por 0s059.

F1, GP do Azerbaijão, Baku, Grid de Largada:

1 V BOTTAS Mercedes   1:40.495  
2 L HAMILTON Mercedes   1:40.554 +0.059
3 S VETTEL Ferrari   1:40.797 +0.302
4 M VERSTAPPEN Red Bull Honda   1:41.069 +0.574
5 S PÉREZ Racing Point Mercedes   1:41.593 +1.098
6 D KVYAT Toro Rosso Honda   1:41.681 +1.186
7 L NORRIS McLaren Renault   1:41.886 +1.391
8 K RÄIKKÖNEN Alfa Romeo Ferrari   1:43.068 +2.573
9 C LECLERC Ferrari      
10 C SAINZ JR McLaren Renault   1:42.398 +1.903
11 D RICCIARDO Renault   1:42.477 +1.982
12 A ALBON Toro Rosso Honda   1:42.494 +1.999
13 K MAGNUSSEN Haas Ferrari   1:42.699 +2.204
14 L STROLL Racing Point Mercedes   1:42.630 +2.135
15 R GROSJEAN Haas Ferrari   1:43.407 +2.912
16 N HÜLKENBERG Renault   1:43.427 +2.932
17 A GIOVINAZZI Alfa Romeo Ferrari P +10 1:42.424 +1.929
18 G RUSSELL Williams Mercedes   1:45.062 +4.567
19 R KUBICA Williams Mercedes   1:45.455 +4.960
20 P GASLY Red Bull Honda BOX    
    Tempo 107%   1:47.530 +7.035

Confira a programação do fim de semana do GP do Azerbaijão de F1
Horários de Brasília, GMT -3

SESSÃO DIA DATA HORA
TL1 Sexta 26/4 6h
TL2 Sexta 26/4 10h
TL3 Sábado 27/4 7h
TC Sábado 27/4 10h
GP Domingo 28/4 9h10