Ex-chefe da Williams afirma que F1 “segue longe” de outros esportes apesar de crescimento do público nas redes sociais

No começo do ano, a F1 divulgou aumento de sua audiência na televisão e crescimento do público nas redes sociais. Para Pat Symonds, membro do grupo formado por Ross Brawn para definir o futuro do Mundial, porém, isso pouco significa

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Membro do grupo formado por Ross Brawn para trabalhar nos rumos da F1, Pat Symonds, que foi chefe da Williams entre 2013 e 2016, vê espaço para crescimento da categoria nas redes sociais. A afirmação de que há muito trabalho a ser feito vem pouco depois do anúncio do crescimento do público nas principais redes, como Facebook, Youtube, Twitter e Instagram.

No começo do mês, a F1 anunciou que não só sua audiência global na televisão cresceu em 2017, como o público nas redes aumentou em 54,9%.

Para Symonds, porém, isso pouco significa. "Quando você vê estes números, parece boa notícia. Mas, na verdade, estamos longe", afirmou.

Pat Symonds, à direita (Foto: Glenn Dunbar/Williams)

Ele comparou a situação da F1 com outros esportes, como o futebol. "Seguimos longe. Olhe o Facebook, a Mercedes tem pouco mais de 10 milhões de fãs, contra 95,5 milhões do Barcelona."

Symonds também comparou os números de Lewis Hamilton, atual campeão, com os de Cristiano Ronaldo: "Lewis tem 4 milhões de seguidores no Facebook, enquanto Ronaldo tem 11,8 milhões."

Para ele, o crescimento nesta área deve ser prioridade do Liberty Media: "Ao menos temos noção disso agora. Antes do Liberty chegar, não acho que isso passava pela mente de Bernie Ecclestone", comentou.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube