Fenomenal, Verstappen alia personalidade e genialidade, fatura vitória histórica e se põe como potencial campeão do mundo

Nico Rosberg foi o grande campeão da F1 em 2016, mas Max Verstappen foi o protagonista da temporada, sem a menor dúvida. Aos 18 anos, fez história ao se tornar o mais jovem piloto a conquistar uma vitória no Mundial logo depois de ter sido promovido a titular da Red Bull. Em meio às críticas por sua agressividade nas pistas, Verstappen fecha o ano em alta e traz uma certeza: que ele será campeão do mundo

 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Max Verstappen foi o grande nome da temporada 2016 do Mundial de F1. Em que pese o título conquistado por Nico Rosberg e as dez vitórias logradas por Lewis Hamilton, o menino holandês foi o verdadeiro protagonista de um ano intenso: promoção para a Red Bull, uma vitória histórica, recorde de ultrapassagens, polêmicas, críticas, mas, acima de tudo, de muita personalidade de um piloto que definitivamente tem todas as condições de um dia se tornar campeão mundial: talento singular, competência, destemor, brilhantismo, uma grande equipe por trás, muita força mental e um conhecimento técnico exuberante para alguém com tão pouca idade. Verstappen é, sem dúvidas, um grande fenômeno do esporte, como foram Michael Schumacher e Ayrton Senna.

 
Antes mesmo do começo da temporada, depois de um ano de estreia marcado por dois quarto lugares e uma forma notável para um novato, Verstappen abria 2016 sendo cotado para se transferir da Toro Rosso para a Red Bull. O raciocínio era que Helmut Marko e Christian Horner tinham interesse em garantir a continuidade do talentoso holandês e conter qualquer tipo de assédio das poderosas Ferrari e Mercedes. Assim, Daniil Kvyat começava o ano sob a sombra da incerteza.
 
Nas primeiras corridas do ano, Verstappen foi bem. E bem melhor na comparação com seu então companheiro de equipe, o não menos badalado Carlos Sainz. O melhor resultado de Max foi o sexto lugar no GP do Bahrein, logrado com um carro sem grande capacidade de potência em razão de um motor defasado. Veio então, duas semanas depois, o GP da Rússia, que representou um marco para a Red Bull.

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 1
,components : { mute: {delay :3}, skip: {delay :3} }
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);

Rosberg? Que nada… Verstappen foi o verdadeiro protagonista da temporada 2016 da F1 (Foto: Getty Images)
 
 
A grande mudança
 
A partir daquele mês de maio, a vida de Verstappen mudou. Mais do que a vida do holandês, a Red Bull cresceu demais de produção, e o próprio establishment da F1 foi impactado. E o fim de semana do GP da Espanha mostrou que, mesmo ainda tão novo, o menino Max tem o talento dos grandes da história da F1.
 
Aos vencedores, não basta apenas competência. A velha e boa sorte é sempre bem-vinda. Logo em sua primeira corrida pela Red Bull, em Barcelona, Verstappen viu de camarote a treta entre Nico Rosberg e Lewis Hamilton, que se chocaram na curva 4 do circuito catalão e ficaram pelo caminho. Ricciardo assumiu a liderança e Verstappen vinha em segundo. Parecia que o australiano tinha a vitória nas mãos, mas um pneu furado jogou a taça nas mãos de Max. E o menino de ouro da F1 segurou com maestria a pressão de Kimi Räikkönen nas últimas voltas e fez história. Com 18 anos, sete meses e 15 dias, Max Verstappen se tornava o mais jovem piloto a vencer na F1 e, de quebra, já mostrava que era um grande campeão do mundo em potencial.
Uma das grandes imagens do ano: a vitória histórica de Max Verstappen em Barcelona (Foto: Beto Issa)
Depois daquela grande e histórica vitória na Espanha, o mundo do esporte passou a olhar Verstappen de forma diferente. De promessa, Max se tornava uma realidade. Mas, por mais talento que tenha, ele ainda dava amostras de que precisaria aprender muito, e prova disso foi o GP seguinte ao seu triunfo em Barcelona. No GP de Mônaco, Verstappen cometeu muitos erros e abandonou a prova em razão de uma batida
 
Mas a vitória na Espanha teria sido apenas um grande golpe da sorte? O próprio Max tratou de mostrar que não era nada disso.
 
Veio o GP do Canadá, e Max se notabilizou por triunfar em uma bela disputa por posição com ninguém menos que Rosberg, que havia perdido algumas colocações nas primeiras curvas após um entrevero com Hamilton. Verstappen não se intimidou com o melhor carro e também a maior experiência do piloto da Mercedes e lutou bravamente para terminar em quarto lugar, à frente do alemão. Depois de ter sido o ‘Piloto do Dia’ no vencedor GP da Espanha, Max repetia a façanha também em Montreal.
 
Nas duas corridas seguintes, Verstappen emendou dois grandes resultados ao garantir o segundo lugar nos GPs da Áustria — depois de um novo entrevero entre Hamilton e Rosberg, desta vez na última volta da prova em Spielberg — e da Inglaterra. O menino Max impressionava pela sua personalidade quando precisava brigar de igual para igual contra grandes nomes da F1. Como foi no GP da Hungria, quando não se intimidou e lutou ferozmente roda a roda com Räikkönen, gerando muitas críticas por parte da Ferrari. O fim do seu primeiro semestre foi coroado com outro troféu, o terceiro posto no GP da Alemanha.
 
A batalha contra Räikkönen se repetiu na retomada da temporada, no GP da Bélgica. Na largada em Spa, Max foi espremido pelos dois carros da Ferrari e despencou de segundo para o fundo do pelotão. Depois, travou outro grande e acirrado duelo com Kimi, ficando muito perto de tocar rodas com a Ferrari do ‘Homem de Gelo’. Ao fim da prova, a dupla da Ferrari disparou novamente contra o menino Verstappen, sendo rebatido pelo taurino à altura. Até o falastrão Niki Lauda entrou na treta e disse que Max precisava de um psiquiatra. Com enorme personalidade e sem abaixar a cabeça para a fala do tricampeão, o holandês disparou: “Poderíamos ir juntos”.
O duelo do GP da Hungria: Kimi Räikkönen contra Max Verstappen (Foto: Getty Images)
Verstappen voltou a brilhar em um grande GP da Malásia, quando disputou de forma bastante limpa, porém dura, com Ricciardo pela posição que, voltas depois, viria a ser a liderança da prova — em razão do abandono de Hamilton por conta da quebra do motor do seu carro. No fim das contas, Daniel levou a melhor e venceu sua primeira e única corrida na temporada, mas a performance sempre ousada de Max lhe valeu, além do segundo lugar, novamente o prêmio de 'Piloto do Dia'.
 
Max teve performances de muito destaque também no GP do Japão, onde garantiu outro segundo lugar — sendo novamente o Piloto do Dia em Suzuka — e também no GP dos Estados Unidos, onde uma quebra em Austin lhe tirou outra grande chance de novamente subir ao pódio. Até que veio o GP do México, sonolento em sua maior parte, mas explosivo nas voltas finais.
 
 
Protagonista até na ‘treta’
 
Ousado, Verstappen não ‘pipocou’ nem quando teve a chance de brigar por posição com Rosberg, quando os dois quase se tocaram. Depois, nas voltas finais, Max disputou de forma duríssima contra o rival Vettel, a ponto de passar reto pela grama na área de escape e ganhar vantagem contra o alemão, cruzando a linha de chegada em terceiro lugar. Seb disparou xingamentos pelo rádio a meio mundo, de Max até Charlie Whiting, em uma cena que ficou eternizada. Outro momento que certamente ficará na retina do fã de F1 por muitos anos aconteceu pouco depois.
 
Max já estava na sala se preparando para subir ao pódio quando soube que havia sido punido pela manobra na disputa com o alemão e, de terceiro lugar, havia caído para quinto. Com cara de quem não tinha entendido nada, Max saiu de cena e viu Vettel no pódio. Pódio que não valeria de nada ao alemão por conta de outra punição recebida, desta vez por uma batalha contra Ricciardo, que acabou herdando o terceiro posto no Hermanos Rodríguez.
Max Verstappen recebe notícia da perda do pódio no México (Foto: Reprodução)
O ímpeto de Verstappen assustou tanto os concorrentes que provocou uma cena controversa. Dias antes do GP do Brasil, Toto Wolff ligou para Jos Verstappen, pai de Max. O chefão da Mercedes disse à época que se tratava de uma conversa normal, sobre os filhos, sobre as corridas, sobre a vida… mas o recado era um só: que o filho Verstappen não atrapalhasse a luta entre Hamilton e Rosberg. O medo de Wolff era que um toque do holandês em um dos carros pudesse ser decisivo para o título. Porém, por mais que Wolff tivesse tentado apagar a estrela de Max, o efeito causado por aquela ligação polêmica — que irritou muito Christian Horner — foi exatamente o contrário. 
 
 
No melhor estilo Senna, Max dá show em Interlagos
 
O GP do Brasil estava cercado de expectativa porque poderia definir Rosberg como campeão. Para completar o clima em Interlagos, a chuva contribuiu para deixar a corrida em Interlagos ainda mais memorável. Hamilton, que precisava vencer para levar a decisão do título para Abu Dhabi, fez o que dele se esperava: uma prova irretocável em meio ao caos com duas bandeiras vermelhas e muitas batidas na Subida do Café. Mas o grande nome da prova não foi Lewis.
 
Verstappen deu um show, digno de lendas como Schumacher e Senna. Não é exagero algum comparar o que fez o holandês naquelas voltas finais do GP do Brasil. Ali, mais do que em qualquer outra corrida do ano, Max provou que é mesmo um grande fenômeno da F1. Com uma performance de gala, Max não se intimidou com a pista encharcada ao fazer uma grandiosa ultrapassagem sobre Rosberg na Curva do Sol. Mas a Red Bull falhou na estratégia de pneus e optou por fazer Max usar pneus intermediários. A pista estava encharcada demais.
Verstappen duelou com Rosberg e realizou performance exuberante em Interlagos (Foto: Clive Mason/Getty Images)
Então, o jovem taurino teve de voltar aos boxes para calçar outro jogo de pneus de chuva forte. E aí começava outro show. Na volta 55, Verstappen, com a parada nos boxes, caiu para 14º. Sem tomar conhecimento dos seus adversários, Max passou um a um: Esteban Gutiérrez, Pascal Wehrlein, Valtteri Bottas, seu parceiro Ricciardo, Daniil Kvyat, Esteban Ocon, Felipe Nasr, Nico Hülkenberg, Sebastian Vettel  — com direito a uma esparramada sobre o alemão na subida da Junção —, Carlos Sainz e, nas três voltas finais, Sergio Pérez. Um terceiro lugar, só atrás de Hamilton e Rosberg, mas com o doce gosto da vitória.
 
Desde então, o nome de Verstappen foi cantado em verso e prosa pelo mundo do esporte. Gerhard Berger não hesitou em compará-lo ao seu grande amigo Senna; outrora crítico, Lauda finalmente se rendeu e rasgou elogios ao prodígio da F1, assim como o próprio Toto Wolff. A cúpula da Red Bull festejava a grande performance de um piloto que chegou ao time em meio a uma grande polêmica, mas a cada prova sua promoção para a equipe tetracampeã se mostrou cada vez mais acertada.
 
Com o bom quarto lugar no derradeiro GP da temporada, em Abu Dhabi, Max fechou 2016 em quinto lugar no Mundial de Pilotos, com 204 pontos, apenas oito a menos que o badalado Vettel, considerando que Verstappen fez as quatro primeiras corridas pela mediana Toro Rosso. Com uma vitória e outros seis pódios, o jovem prodígio coroou um ano grandioso, fechando de vez com a conquista dos prêmios de ‘Personalidade do Ano’, pela terceira vez consecutiva, e de ‘Manobra do Ano’, referente à grande ultrapassagem sobre Rosberg em Interlagos. Em Viena, Max era duplamente laureado na festa de gala da FIA.
Max Verstappen foi duplamente laureado durante a festa de premiação da FIA em Viena (Foto: FIA)
E Verstappen merece mesmo todos os louros por uma temporada brilhante e genial. Uma prova disso é o número de ultrapassagens feitas ao longo do ano: nada menos que 78, sendo 18 pela Toro Rosso nas quatro primeiras corridas do ano e, desde o GP da Espanha, 60 com a Red Bull. Números jamais alcançados por outro piloto em uma temporada na F1 desde que a estatística passou a ser aferida, em 1983.
 
Trata-se ainda de um garoto, que certamente vai melhorar muito ao longo da sua carreira. Mas com uma capacidade de trabalho excepcional e um talento singular, Max veio para ficar e quebrar paradigmas. Como bem disse Horner, o holandês perturbou o establishment da F1 e, por isso, recebe muitas críticas. Algo natural em um meio tão conservador e muitas vezes avesso às mudanças na ordem natural das coisas. Seja como for, não dá para negar: cedo ou tarde, Verstappen chegará ao Olimpo do automobilismo mundial e conquistará não só um, mas muitos títulos mundiais.
 
fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube