Alonso se vê bem melhor aos 40: “Se corresse contra mim aos 23, venceria com uma mão”

Quarentão, Fernando Alonso não tem dúvidas: venceria fácil aquele piloto que, no início da década de 2000, despontava como um dos grandes talentos da F1

Pedro Henrique Marum refletiu sobre o 2021 de Daniel Ricciardo no GP às 10

Fernando Alonso entende que, assim como um bom vinho, é melhor com o passar dos anos. Depois da grande atuação no GP da Hungria, onde travou notável duelo com Lewis Hamilton e terminou na quarta colocação, o bicampeão do mundo refletiu sobre sua atual forma. Com 40 anos completados no fim de julho, o espanhol nascido em Oviedo acredita que hoje venceria fácil aquele Fernando Alonso que, nos tempos idos de 2004, despontava como um dos grandes talentos da Fórmula 1.

Na visão do piloto da Alpine, chegar aos 40 está longe de ser um peso. O bicampeão aproveitou a deixa para lembrar que a idade nunca foi um problema em termos de performance no carro.

Fernando Alonso está feliz da vida com sua forma aos 40 anos (Foto: Andrej Isakovic/AFP)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram.

“O que sinto talvez vá na contramão do que as pessoas pensam, porque pelo esporte e as redes sociais, parece que nos confundimos com a idade e sobre o desempenho que um esportista pode ter”, declarou Fernando em entrevista à revista britânica Autosport.

Quais as melhores e as piores duplas da Fórmula 1 em 2021? Eis o tema do debate desta semana no Paddockast. Ouça!

Alonso estreou na Fórmula 1 com 19 anos, 7 meses e 4 dias, pela Minardi, na temporada 2001. Depois de um ano como piloto de testes e reserva, foi promovido pela Renault a titular em 2003. Naquele ano, o espanhol alcançou a primeira das suas 32 vitórias na F1, aos 22 anos, no GP da Hungria. Naquele momento, Fernando se tornava também o mais jovem vencedor de uma corrida, marca que viria a ser superada por Sebastian Vettel, em 2008, e Max Verstappen, em 2016.

Depois disso, sua segunda vitória na categoria só viria em 2005, no GP da Malásia, quando o asturiano tinha 23 anos. Foi a arrancada do piloto rumo ao seu primeiro título mundial. Mas hoje, aos 40 e depois de ter vivido de tudo nas pistas da Fórmula 1, 500 Milhas de Indianápolis, vitórias nas 24 Horas de Le Mans e Daytona e presença até no Dakar, Fernando é taxativo: o Alonso ‘quarentão’ venceria aquele de 2005 “com apenas uma mão”.

Fernando Alonso disse que superaria com “uma mão só” sua versão jovem de 23 anos (Foto: Alpine)

“A Fórmula 1 não é a Olímpiada. Não é o futebol, onde aos 23 você está no auge do seu desempenho. Se eu corresse contra mim aos 23, venceria com uma mão. Não é sobre o quão mais jovem você é, quão mais rápido você é, não é assim que funciona no automobilismo. Tem gente que quer ver novos nomes, quer ver novos talentos, quer se livrar um pouco dos nomes já conhecidos que eles veem todo fim de semana”, alfinetou Alonso ao avisar aos críticos que ainda tem muita lenha pra queimar nas pistas.

Elogiado pela Alpine, que já mira garantir sua permanência para 2022, Alonso disse que se vê correndo na F1 por muito tempo. “Não negociei muito [com a equipe] e fiquei feliz com o que a equipe estava disposta a oferecer. Não houve discussão sobre isso, não houve discussão sobre salário, não houve discussão sobre nada. Estou aqui para atuar e estou aqui para ajudar a equipe, não para pedir nada”, assegurou.

“Se for na Fórmula 1, ótimo. Se não for na Fórmula 1, tentarei encontrar outros desafios fora da Fórmula 1, para ser, com sorte, o piloto mais completo da automobilismo mundial”, concluiu.

RODA MURCHA! FLAVIO GOMES ELEGE AS DECEPÇÕES DA PRIMEIRA PARTE DA F1 2021 | GP às 10

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar