FIA decide levar treino secreto da Mercedes ao Tribunal Internacional. Ferrari escapa de punições

A entidade entendeu que o treino secreto promovido pela Pirelli com o carro de 2013 da Mercedes pode ter quebrado o regulamento desportivo da F1. Por isso, será levado ao Tribunal Internacional

A Mercedes será obrigada a encarar o Tribunal Internacional por causa do teste secreto, realizado no último mês em Barcelona. A FIA anunciou no início da noite desta quarta-feira (5) ter analisado o relatório feito pelos comissários de prova de Mônaco – onde o protesto original foi feito – além das explicações das equipes envolvidas para definir que pode ter havido uma quebra do regulamento desportivo de 2013, já que a equipe alemã treinou com o carro deste ano.

Por outro lado, a FIA decidiu, também, que a Ferrari  não burlou as regras, já que usou o equipamento de 2011, e por isso a escuderia italiana está livre. “A FIA decidiu encerrar o caso sobre a Ferrari considerando que a participação em um teste de pneu organizado pela Pirelli, em Barcelona, nos dias 23 e 24 de abril, usando o carro de 2011, não é uma contravenção às regras da FIA”, disse o comunicado.

A Mercedes será obrigada a enfrentar o Tribunal Internacional (Foto: Getty Images)
Acompanhe a cobertura do GP do Canadá no GRANDE PRÊMIO
Automobilismo na TV: a programação do fim de semana

A Mercedes, no entanto, não teve o mesmo destino. A entidade internacional decidiu que caberá ao Tribunal Internacional julgar se houve ou não uma quebra do regulamento. “A FIA decidiu levar o caso sobre o teste de pneu feito pela Pirelli e pela Mercedes, em Barcelona, entre os dias 15 e 17 de maio de 2013 ao Tribunal Internacional da FIA, porque as condições do teste podem constituir na quebra das regras da FIA”, acrescentou.

Para tomar a decisão, a FIA não só viu o relatório feito pelos comissários de prova do GP de Mônaco, como também pediu esclarecimentos à Ferrari, Mercedes e Pirelli, além de qualquer outra equipe que tenha sido convidada para participar dos treinos e pudesse acrescentar novas informações.

Com o caso da Mercedes indo para o Tribunal Internacional, o julgamento deve começar em aproximadamente 45 dias, já que pelas regras do tribunal a acusação tem 15 dias para entregar um relatório, enquanto a defesa terá o mesmo prazo na sequência. A acusação, por sua vez, terá mais 15 dias para a réplica. O Tribunal Internacional, no entanto, pode aumentar ou diminuir esse prazo se entender que há necessidade.

Essa é a primeira vez que uma polêmica da F1 chega ao Tribunal Internacional. Como a entidade foi criada em 2010 para garantir sua independência, até antes dele a autoridade máxima era o Conselho Mundial.

icone_warmup REVISTA WARM UP 38: O espírito de Greg Moore ainda vive na Indy

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube