F1

Fittipaldi lembra acidente e vê “grande oportunidade” na Haas: “Terminar um ano assim é muito bom”

Pietro Fittipaldi recebeu uma grande oportunidade para sua carreira. Nesta sexta-feira (9), a Haas anunciou o brasileiro como piloto de testes de 2019, convite muito comemorado pelo jovem, que já está focado no trabalho com a esquadra norte-americana
Warm Up, de São Paulo / NATHALIA DE VIVO, de Interlagos
 Pietro Fittipaldi (Foto: Indy)

A F1 vai ter o nome de mais um brasileiro em 2019. Nesta sexta-feira (9), a Haas anunciou Pietro Fittipaldi como piloto de testes do time na próxima temporada e além de comemorar muito o acerto, o piloto já mostrou ansiedade e foco no trabalho com a esquadra norte-americana.
 
Marcando presença em Interlagos, que recebe o GP do Brasil de F1 neste final de semana, Fittipaldi contou um pouco sobre como foi o convite, que já vinha se desenhando desde o início do ano. “As conversas começaram no começo desse ano. Estava correndo na Indy, WEC, Super Formula, aí ia participar do treino na Hungria, em julho. Mas infelizmente tive o acidente e não consegui fazer o treino”, falou.
 
“Mas sempre segui em contato com o Guenther [Steiner, chefe da Haas], ele sempre me mandando mensagens para saber como andava minha recuperação, como foi a volta para a Indy depois do acidente. Então, um mês atrás, cheguei na Carolina do Norte onde moro e ele também, e ele me convidou para um almoço e me ofereceu esse papel de piloto de testes oficial da equipe”, continuou.
 
“Fazer o treino em Abu Dhabi e ser piloto de testes em 2019. Para mim é uma grande oportunidade, um sonho poder guiar um carro de F1 já nesse ano. Foi um ano difícil, terminar um ano assim é muito, muito bom”, completou.
Fittipaldi em Interlagos (Foto: Nathalia De Vivo/Grande Prêmio)
Fittipaldi também chegou a correr algumas corridas da temporada da Indy. Questionado pelo GRANDE PRÊMIO se a categoria está fora de seus planos, o brasileiro disse que “agora, claro, sendo piloto de testes da Haas, tenho que estar em todos os finais de semana de F1. Então o foco é F1. Meu sonho não é ser só piloto de testes, um dia quero ser piloto de F1”, frisou.
 
“Mas é importante também o que o Guenther me falou, continuar correndo, então estamos vendo várias opções para correr no ano que vem, vários campeonatos diferentes. Mas claro, o foco é o trabalho com a Haas”, pontuou.
 
O ano de 2018 de Fittipaldi também foi marcado por um forte acidente. Durante um treino das 6 Horas de Spa-Francorchamps, o piloto acabou acertando com força o muro. Como consequência, quebrou as duas pernas, precisando passar por cirurgia e ficando dois meses parado.
 
“Quando eu bati o carro em Spa, olhei para baixo e vi que minhas pernas estavam tudo tortas meu primeiro pensamento foi ‘quando posso voltar a correr?’”, relembrou.
 
“Trabalhei dois meses, depois da minha cirurgia na Bélgica eu voei para Indianápolis, fiquei lá dois meses morando dentro da pista de Indy em um motorhome. Os médicos trabalharam muito, os fisioterapeutas, voltei rápido, forte”, encerrou.
 
O GRANDE PRÊMIO cobre ‘in loco’ o GP do Brasil de F1 com os repórteres Evelyn Guimarães, Felipe Noronha, Fernando Silva, Gabriel Curty, Juliana Tesser, Nathalia De Vivo e Pedro Henrique Marum, e o fotógrafo Rodrigo Berton. Acompanhe tudo aqui.