Russell na Williams: três anos foram mesmo o suficiente?

George Russell até poderia ter 'subido antecipadamente' para a Mercedes, mas a verdade é que acabou cumprindo seus três anos de contrato na Williams. Esse período, portanto, foi o suficiente?

RUSSELL NA WILLIAMS: TRÊS ANOS FORAM MESMO O SUFICIENTE?

George Russell será piloto da Mercedes em 2022. E, após três anos na Williams, o jovem britânico revelou que, para ele, apenas dois anos teriam sido suficientes para seu desenvolvimento na Fórmula 1. No entanto, pelo contrato extremamente restrito com a equipe de Grove, Russell cumpriu os três anos estipulados, mesmo depois de um possível interesse da Mercedes.

“Depois do primeiro ano [na Williams], eu teria me sentido pronto. Mas sou um piloto melhor agora do que era antes”, disse ele, em entrevista ao portal Motorsport-Magazin.com.

Isso porque, após o GP do Sakhir de 2020, quando o #63 substituiu Lewis Hamilton, seu desempenho brilhou os olhos da escuderia alemã. Mas a Mercedes já havia confirmado Valtteri Bottas para 2021 e, mais uma vez, seu contrato extremamente restrito foi um dos empecilhos para que uma possível ‘subida antecipada’ não acontecesse.

“Assinamos por três anos. Não havia absolutamente nada que pudéssemos fazer. Mas dois anos teriam sido perfeitos. Eu estaria mais do que pronto para subir [para Mercedes] em 2021″, concluiu.

Agora, em 2022, Russell tem sua chance na equipe de Brackley. Mas será que três anos na Williams foram realmente suficientes? A experiência o deixou mais lapidado para a Mercedes? São as discussões da repórter Ana Paula Cerveira no vídeo do canal do GRANDE PRÊMIO no YouTube.

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar