GP às 10: Por que volta de Alonso à Fórmula 1 pela Renault é um grande erro

O regresso do bicampeão mundial à equipe anglo-francesa é equivocado dos dois lados, opina Fernando Silva. De Fernando Alonso, por aceitar voltar a uma escuderia que não tem condições de lutar por grandes resultados em um futuro próximo. Da Renault, ao recorrer a um piloto fora do grid desde 2018, mostra a sua falta de rumo e reflete o apego inexplicável ao passado

O que parecia improvável aconteceu. Fernando Alonso, bicampeão mundial de Fórmula 1, está de volta para a equipe que o consagrou, a Renault. A notícia, dada em primeira mão há quase uma semana pelo jornalista espanhol José António Ponseti, da rádio Cadena SER, ganhou corpo no último fim de semana de GP da Áustria e, depois de ser repercutida por vários veículos de imprensa ao redor do mundo, virou realidade nesta quarta-feira (8) após anúncio feito pelo time de Enstone pela manhã.

Mas por que a volta de Alonso à Fórmula 1, e à Renault, é um grande erro? No GP às 10 desta manhã, Fernando Silva explica alguns pontos. O asturiano, que está a caminho de completar 39 anos, jamais fechou as portas para um regresso à categoria, mas sempre fez uma ressalva. Só voltaria em um carro capaz de lutar por vitórias e títulos. O que, na Renault, time que não tem perspectiva de mudar de patamar neste ano e meio, devendo seguir como coadjuvante até no pelotão intermediário, não vai acontecer.

Assim, o histórico de personalidade forte e conflituosa vem à tona. Afinal, Alonso vai suportar esperar até 2022 para ter chances de contar com um carro competitivo para tentar o tricampeonato, isso tudo com 41 anos? O jornalista também questiona o inexplicável apego da Renault ao passado, o que mostra uma equipe perdida ao determinar os rumos do seu futuro na F1.

Aproveite e siga o canal do GRANDE PRÊMIO no DailyMotion.

Os finais dramáticos da Fórmula 1

Milagre? Sorte? Azar? Não importa: a Fórmula 1 também pode trazer grandes dramas nos finais de corrida, como nos relembrou o final do GP da Inglaterra no último domingo. Lewis Hamilton teve um milagre para chamar de seu e nos dá um ótimo gancho: relembrar outros momentos chocantes (ou bizarros) nas voltas finais da categoria máxima do automobilismo.

Claro que, nestes 70 anos de F1, não faltam momentos assim. Como essa aqui é uma lista com “10+”, selecionamos dez grandes finais dramáticos na história da categoria, em ordem cronológica. Mas poderiam entrar tantos outros.

Hora de apertar os cintos e acelerar o DeLorean DMC-12 até alcançar 88 milhas por hora. Vamos começar a viagem ao passado.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube