F1

GP às 10: Prisão de Gachot, ajuda da Mercedes e até mentira: como acaso ajudou Schumacher a estrear na F1

Flavio Gomes relembra a história de como Michael Schumacher conseguiu fazer sua estreia na F1. Como um golpe do acaso, o jovem alemão teve a chance de disputar o GP da Bélgica pela Jordan e correu no lugar de Bertrand Gachot, que havia sido preso por conta de uma briga de trânsito em Londres. Daí em diante, o resto é história

Warm Up / Redação GP, de Sumaré
Flavio Gomes reservou o GP às 10 desta sexta-feira (1) para contar a história de como Michael Schumacher estreou na F1. Naquele segundo semestre de 1991, o então piloto da Jordan, Bertrand Gachot, foi preso pela justiça britânica depois de uma briga com um taxista em Londres. Eddie Jordan cogitou alguns nomes para ocupar o lugar do piloto no GP da Bélgica, como Stefan Johansson e até o já aposentado Keke Rosberg. Mas então apareceu um jovem alemão, que havia vencido o GP de Macau de F3 e pilotava pela Sauber Mercedes no Mundial de Marcas como a opção certeira: Michael Schumacher. Com um empurrãozinho financeiro da marca alemã, o piloto pôde estrear na F1.
 
Detalhe, Schumacher só havia andado antes em Spa de bicicleta, e não de carro, como disseram o alemão e seu empresário, Willi Weber, a Eddie Jordan. Só que Michael impressionou logo de cara, foi um dos destaques dos treinos e da classificação com aquela Jordan verde e, mesmo tendo abandonado a corrida de estreia na primeira volta, mostrou que era diferenciado. Tanto que Flavio Briatore, então chefe da Benetton, agiu rápido nos bastidores, dispensou Roberto Moreno e trouxe Michael Schumacher para seu lugar. Daí em diante, o resto é história.

O GP às 10 é a série que traz um comentário em vídeo dos jornalistas do GRANDE PRÊMIO, sempre às 10h (de Brasília), do dia e da noite. Veja aqui todas as edições do GP às 10