GP Recomenda: cinco motivos para não se perder o GP do Japão, 16ª etapa da temporada 2017 da F1

Sem descanso, pilotos e equipes partem para Suzuka depois do movimentado GP da Malásia, no último fim de semana. A temporada entra no seu último quarto com muitos pontos de interrogação. A Mercedes vai se recuperar depois do fim de semana decepcionante em Sepang? O que esperar de Sebastian Vettel? A Red Bull se mantém como elemento surpresa? A certeza é que as respostas vão ser respondidas no emblemático circuito japonês

1) A GRANDE DÚVIDA SOBRE O POTENCIAL DA MERCEDES
 
A Mercedes deixou má impressão quanto à performance do W08 no fim de semana do GP da Malásia. Lewis Hamilton, diga-se, só foi ao pódio e ampliou sua vantagem perante Sebastian Vettel por conta do seu talento e também do enorme azar do rival, pelo segundo fim de semana consecutivo. Mas a forma como os carros prateados se apresentaram em Sepang colocaram uma enorme pulga atrás da orelha de Toto Wolff.
 
Suzuka é um circuito de média-alta velocidade, onde o motor costuma fazer a diferença. Em teoria, é uma pista que favorece à Mercedes, mas depois de tudo o que se viu em Sepang, tal teoria já não se parece mais tão válida. O retrospecto recente é amplamente favorável às Flechas de Prata, que venceram em Suzuka nos últimos três anos (com Hamilton triunfando em 2014 e 2015). 
 
Mas o retrospecto é o de menos em uma temporada imprevisível e cheia de variáveis. E para completar, há previsão de chuva para Suzuka na sexta e no sábado — para domingo, a meteorologia aponta sol. Seja no seco ou no molhado, o fato é que a Mercedes nem vai ter muito tempo para entender o que aconteceu. E precisa reagir já.
 
 

 

 

 


google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

2) A HORA DA VERDADE PARA VETTEL

 
Não fosse pela falha no motor em Sepang, Sebastian Vettel tinha totais condições de vencer, como ele mesmo disse. A performance da Ferrari surpreendeu, assim como os problemas apresentados no fim de semana. É hora de virar a página e encarar o desafiador circuito de Suzuka, onde Seb já triunfou em quatro oportunidades.
 
Uma nova vitória no Japão é fundamental para as suas pretensões de título, ainda mais com a vantagem crescente do rival. Hamilton, agora com 34 pontos de frente, começa a administrar a dianteira e não quer mais correr riscos, como mostrou no embate contra Max Verstappen. É Vettel quem tem de arriscar e partir para o tudo ou nada.
 
Para piorar, há toda a dúvida sobre o estado da caixa de câmbio da sua Ferrari depois do acidente bizarro com Lance Stroll após a bandeirada em Sepang. Se a troca for inevitável, a missão de terminar à frente de Hamilton vai ser quase impossível. Não há muito o que fazer, a não ser acelerar muito e aproveitar a boa forma da Ferrari. E esperar que a sorte, desta vez, possa mudar de lado nos boxes.
Sebastian Vettel tem a missão de aproveitar a boa forma da Ferrari em Suzuka (Foto: Ferrari)
 
3) O QUE ESPERAR DA RED BULL
 
Tá aí a maior incógnita do fim de semana em Suzuka. A Red Bull foi muito forte na classificação e melhor ainda na corrida. Com excelente ritmo, Max Verstappen fez Lewis Hamilton comer poeira e levou os taurinos para uma vitória com méritos, diferente, por exemplo, do triunfo de Daniel Ricciardo no inacreditável GP do Azerbaijão. Desta vez, foi uma corrida normal, sem muitas zebras e incidentes como em Baku. Foi uma conquista surpreendente, mas lembrou um pouco da época em que a Red Bull dominava a F1, entre 2000 e 2013.
 
A dúvida fica para ver se a forma de Verstappen e Daniel Ricciardo vai continuar neste fim de semana. Suzuka é um circuito um pouco mais veloz e, naturalmente, vai exigir mais do motor Renault em relação a Sepang. Mas a Red Bull aposta no equilíbrio do conjunto em uma pista bastante exigente para manter a curva ascendente e voltar a incomodar as rivais. Com a melhor dupla da F1 na atualidade em estado de graça, a expectativa é de muita emoção no fim de semana.
 
 
4) NA CASA DA HONDA, MCLAREN TESTA EVOLUÇÃO
 
Curioso ver que, depois de um calvário quase sem fim, a McLaren vive um bom momento justamente depois que anunciou ao mundo o rompimento com a Honda e o início da nova parceria com a Renault. Os motores japoneses pararam de quebrar e ajudaram Stoffel Vandoorne a marcar dois sétimos lugares seguidos, em Singapura e Sepang. Fernando Alonso levou azar em Marina Bay e foi mal na Malásia, terminando em 11º.
 
A forma da McLaren em Sepang chamou a atenção justamente por ser uma pista exigente para os motores. Por muitas voltas, Vandoorne chegou a andar em quinto. Claro que não é a posição real, ainda mais com Vettel largando no fim do grid e Räikkönen fora de combate. Mas reflete o crescimento da McLaren nesta reta final da temporada.
Embalada pela ótima forma de Vandoorne, a McLaren tenta manter a fase ascendente na terra da Honda (Foto: McLaren)
Em Suzuka, espera-se uma jornada mais difícil por conta do déficit do motor Honda em relação às concorrentes diretas, mas não seria nenhum absurdo ver novamente os carros de Woking novamente alcançarem o top-10. Na mesma pista onde, há dois anos, Alonso disparou contra o motor de ‘GP2’ da Honda, desta vez há margem para um final bem mais feliz. O que amenizaria, ao menos um pouco, o fim do melancólico casamento entre McLaren e Honda.
 
 

 

 


google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

5) KONNICHIWA, SUZUKA

 
Suzuka é um circuito adorado pelos pilotos. Suas características são bastante particulares, com algumas curvas marcantes, como o conjunto de esses, a Degner e a famosa 130 R. A média horária passa dos 230 km/h em um traçado de 5.807 m de extensão. A pista é desafiadora e costuma separar os homens dos meninos.
 
Também conta todo o fator histórico que Suzuka carrega. A pista, que faz parte do calendário do Mundial de F1 desde 1987, já foi palco de grandes decisões e é especial para os brasileiros, que festejaram o último título de Nelson Piquet e os três de Ayrton Senna. Em 8 de outubro de 2000, Michael Schumacher conquistou seu primeiro título pela Ferrari, encerrando um jejum histórico e abrindo uma nova dinastia na F1.
 
O GP do Japão também é o último do calendário em que os brasileiros vão ter de acionar o despertador ou então esticar a noite para acompanhar. Depois, só no GP da Austrália em 2018. Com o desfecho da fase asiática da F1, o fã brasileiro vai acompanhar as próximas três corridas no período da tarde: GPs dos EUA, México e o do Brasil.
TORO ROSSO DEMOROU DEMAIS

REBAIXAMENTO SEGUIDO DE AFASTAMENTO DE KVYAT É TUDO, MENOS INJUSTO  

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

 
 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube