Há 25 anos, Senna e McLaren iniciavam parceria vencedora na F1 no finado autódromo de Jacarepaguá

O GP do Brasil de 1988 marcou o início de uma história multicampeã do Mundial de F1. Em Jacarepaguá, no dia 3 de abril, Ayrton Senna disputou sua primeira corrida pela McLaren, com a qual conquistou o tricampeonato de pilotos e quatro títulos do Mundial de Construtores. Prova também foi a primeira acompanhada ‘in loco’ como jornalista por Flavio Gomes, diretor-geral do GRANDE PRÊMIO e da AGÊNCIA WARM UP


Jacarepaguá, 3 de abril de 1988. Num domingo quente no Rio de Janeiro, o GP do Brasil abria a temporada do Mundial de F1 e marcava a estreia de Ayrton Senna na McLaren. Iniciando sua quinta temporada na elite do automobilismo mundial, o brasileiro chegava, enfim, à melhor equipe do grid, campeã de três dos últimos quatro campeonatos, para brigar pelo título. Seu novo companheiro de equipe era o francês Alain Prost, que seria seu grande adversário não só naquele ano, mas nos seguintes. Juntos, os dois protagonizariam a maior rivalidade entre pilotos da história da F1.

Aquele domingo era apenas o início de tudo. Nos meses anteriores, os testes de inverno deixaram evidente que, impulsionada pelos motores turbo da Honda, os melhores da época, a McLaren — que tinha Ayrton no lugar do sueco Stefan Johansson — retomaria o domínio da F1. Com propulsores TAG-Porsche, Prost ficou na quarta posição em 1987, atrás de Nelson Piquet e Nigel Mansell, da Williams, e de Senna, então na Lotus — todos tinham motores Honda. Nos bastidores, Prost, Senna e Ron Dennis atuaram firmemente nas negociações com os japoneses para que eles trocassem a Williams pela McLaren.
Senna largou na pole, mas foi desclassificado em sua estreia na McLaren (Foto: Getty Images)

Mas, para Senna, o primeiro fim de semana como piloto da McLaren foi cheio de altos e baixos e terminou negro. Já conhecido por sua velocidade nos treinos classificatórios, venceu Mansell por 0s5 na tomada de tempos para conquistar a 17ª pole da carreira. Prost ficou em terceiro. Tudo lindo, tudo perfeito, até a hora da largada. Após a volta de apresentação, o paulista parou o MP4/4 no lugar reservado ao pole-position, na fila de dentro do grid. Enquanto o pelotão se formava, começou a agitar os braços. Ele não conseguiria largar por causa de um problema no câmbio.

Da curva 1, o jornalista Flavio Gomes, então com 23 anos e repórter da ‘Folha de S.Paulo’, observava tudo de longe. Aquela era a primeira corrida de F1 que o hoje diretor-geral do Grande Prêmio e da Agência Warm Up cobria ‘in loco’ — como torcedor, ele já viajara algumas vezes para assistir à categoria em Jacarepaguá. “Eu não lembro se as rádios do Rio estavam transmitindo, também não estava ouvindo, mas ali estavam vários outros jornalistas e depois ficamos sabendo o que aconteceu”, contou Gomes, que viu dali o início da prova antes de retornar à sala de imprensa.
Senna fez sua estreia pela McLaren diante de uma multidão no Rio de Janeiro (Foto: Getty Images)

Após o gesto de Senna, a placa de 5 minutos foi levantada e a McLaren levou o piloto e o carro de volta aos boxes. Lá, decidiram que seria melhor colocar o carro reserva na pista. Fizeram-no, porém, depois da bandeira verde, ferindo o regulamento. Todos estavam conscientes de que a desclassificação viria, mas a punição demorou a sair. Deu tempo de Senna largar dos boxes e fazer uma série de ultrapassagens até, na 20ª volta, assumir a segunda posição, 30s atrás de Prost, que disparou tranquilo na liderança já a partir da largada. Foi só na 31ª passagem, depois de um desastroso pit-stop que o derrubou para sexto, que um comissário lhe mostrou uma placa com o número 12 junto da bandeira preta.

Mas a pauta de Gomes não era Senna. Eram outros dois estreantes que ele precisava acompanhar: Maurício Gugelmim, que fazia sua primeira corrida na F1 pela equipe March, e Nelson Piquet, já tricampeão do mundo, mas que corria pela primeira vez com a Lotus. Na edição de segunda-feira da ‘Folha’, as manchetes eram: “Piquet critica aerodinâmica, chassi e suspensão do Lotus” e “Caixa de câmbio quebra e impede Gugelmim de completar 1ª volta”. Além disso, Gomes também assistiu novamente à prova para fazer uma crítica da transmissão da TV Globo: “O editor de esportes, Nilson Camargo, queria que a gente fizesse as coisas pensando em como elas eram na TV, tanto é que a gente tinha que escrever o nome da equipe junto do nome do patrocinador, McLaren/Marlboro, que era como aparecia na TV. ‘É para o cara identificar de quem estamos falando!’”.
Piquet não estava nada satisfeito com o desempenho da Lotus no Rio (Foto: Getty Images)

Após 60 voltas e 1h36min06s857, Prost venceu com pouco mais de 9s de vantagem para Gerhard Berger, com a Ferrari número 28. Piquet completou o pódio após protagonizar um belo duelo com Derek Warwick e Thierry Boutsen e passar os dois de uma só vez no fim do retão na volta 46. Na corrida seguinte, a 300ª da McLaren na F1, Senna venceu pela primeira vez com o time, curiosamente no GP de San Marino, em Ímola. Foi o primeiro de seus 35 triunfos pela equipe. Quando se despediu de Woking no fim de 1993 para se juntar à tão sonhada Williams, Ayrton deixou para trás recordes: até hoje é o piloto que mais venceu e que mais largou na frente com carros da McLaren, que o considera o melhor com quem trabalhou.

“Com o Piquet saindo da Williams para a Lotus e a chegada do Senna à McLaren, a partir daquele GP do Brasil estava claro que o Senna seria o principal personagem do esporte no Brasil nos anos seguintes. O futebol estava em baixa e, no caso da ‘Folha’, que sempre tentava fazer coisas diferentes, a F1 passou a ser tratada como prioridade. Foi assim até a morte do Senna”, conta Gomes.

Também por isso que o jornalista se envolveu mais e mais com a categoria: “Eu gostava, já corria de carro e tudo, mas trabalhar com F1 não era a minha meta. A gente não tinha no jornal ninguém dedicado a essa cobertura e eu mesmo comecei a fazer em 1988 e 1989. Depois, virei editor e contratamos o Mário Andrada e Silva, que foi morar em Paris. Em 1991 ele voltou e trocamos de funções. Ele passou a comandar a editoria e eu comecei a ir para todas as corridas, a partir do GP do México”.
Senna e McLaren formaram uma das parcerias mais bem-sucedidas da história da F1 (Foto: Getty Images)

Gomes cobriu F1 para a ‘Folha’ até o GP de San Marino de 1994, quando pediu demissão. Ele continuou indo para as corridas pela Rádio Jovem Pan e, em 1995, criou a Agência Warm Up para enviar material direto dos autódromos ao redor do mundo para dezenas de jornais brasileiros. Foi a partir da agência que nasceu o site Grande Prêmio, anos depois, em 1999. Gomes também trabalhou na Rádio Bandeirantes e está, desde 2005, nos canais ESPN. Nos últimos dois anos, ganhou o Troféu Aceesp na categoria Apresentador de Rádio. Na conta, estão 228 GPs ‘in loco’ — se fosse piloto, seria o oitavo com mais corridas no currículo em todos os tempos.
 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube