Hamilton caça Verstappen e vence GP de São Paulo com remontada memorável

Exatamente como no sábado, Lewis Hamilton começou a corrida em Interlagos de maneira imparável. Com direito a confronto direito, tomou a ponta e venceu a corrida

Max Verstappen e Lewis Hamilton escaparam da pista em disputa pela ponta em São Paulo (Vídeo: Reprodução)

Após todo o sobressalto e as punições que transformaram o fim de semana do GP de São Paulo em uma pequena eternidade, a corrida deste domingo (14) tinha responsabilidade forte em não decepcionar. E, surpresa alguma, passou longe de decepcionar. Lewis Hamilton voou novamente e, em menos de 20 voltas, já estava atrás somente de Max Verstappen. A partir daí, um confronto direto entre os dois nomes da Fórmula 1 em 2021. Demorou, teve empurrão e tudo mais até que, finalmente, na volta 59, Hamilton colocou o Mercedes #44 de lado na Descida do Lago e tomou a ponta. Vitória memorável do heptacampeão mundial.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Hamilton está na briga pelo campeonato ainda. Em menos de dez voltas, saíra de décimo para terceiro. Em menos de 20, segundo. Perseguiu Verstappen por quase 40 voltas até conseguir passar. Antes disso, um encontrão no Lago fez com que os líderes fossem juntos para a área de escape e se imaginasse a possibilidade de punição para o holandês, que não veio. Com calma e na pista, Hamilton venceu uma das provas mais improváveis de toda a carreira. Verstappen ficou com o segundo lugar.

Valtteri Bottas, que novamente foi ultrapassado na largada, conseguiu se recuperar na última perna e ao menos deixar Sergio Pérez para trás. O finlandês completa o pódio, mas o mexicano colocou pneus novos no fim para tirar de Hamilton a volta mais rápida e fechar em quarto. Charles Leclerc e Carlos Sainz deixaram a Ferrari em quinto e sexto, enquanto Pierre Gasly bateu Esteban Ocon e Fernando Alonso. Lando Norris ficou com o último ponto.

O GP do Catar estreia na semana que vem numa pista misteriosa que é Losail. Ao menos recebe o clima da F1 lá no alto.

GRANDE PRÊMIO acompanha o GP de São Paulo ‘in loco’ em Interlagos com os jornalistas Fernando Silva e Gabriel Curty, além de toda equipe de maneira remota. O GP também seguiu todas as atividades de pista do fim de semana AO VIVO e EM TEMPO REAL. A Fórmula 1 se mexe rápido e volta já no próximo fim de semana, em Losail, no Catar.

Lewis Hamilton e Max Verstappen quase bateram em Interlagos (Foto: Reprodução)
F1 EM SÃO PAULO: HAMILTON VENCE NA RAÇA, VERSTAPPEN 2° | Briefing

Confira como foi o GP de São Paulo:

As muitas dúvidas sobre escolha de pneus para a largada foram desvendadas logo antes da volta de apresentação com 19 dos 20 pilotos vestidos de compostos médios. Somente Yuki Tsunoda decidiu alinhar com os macios. Às 14h03 (de Brasília), como de costume, luzes verdes e a largada para a etapa brasileira.

Assim como aconteceu sete dias antes no México, Max Verstappen voou na largada e não reconheceu a presença de Valtteri Bottas, que rapidamente já aparecia em segundo e pressionado por Sergio Pérez. O finlandês abriu a porta ao passar ao largo da curva seguinte e deixou que o mexicano assumisse o segundo lugar. Enquanto isso. Charles Leclerc e Lando Norris se tocaram, e o piloto da McLaren levou a pior com um furo de pneu.

Lewis Hamilton começava no mesmo espírito da corrida sprint: já largou deixando Daniel Ricciardo e Pierre Gasly para trás – algo que, diga-se, Sebastian Vettel também fez. Hamilton passou Vettel por fora e na segunda volta já estava na traseira de Carlos Sainz e, uma volta depois, limpara Charles Leclerc e era o quarto. Mais atrás, Tsunoda levou a pior após um toque de Lance Stroll: os destroços da AlphaTauri ficaram pela pista. Sem asa dianteira, teve de adiantar o primeiro-pit-stop.

Yuki Tsunoda e Lance Stroll se encontraram em Interlagos (Foto: Reprodução/Twitter)

Na abertura da sexta volta, antes da curva um, Bottas praticamente estacionou para Hamilton tomar a terceira colocação. Em seguida, safety-car na pista para limpar os destroços do acidente entre Stroll e Tsunoda. De fato, a pista estava bastante suja. Com todos colados, Hamilton encostava na traseira de Pérez. George Russell aproveitou o momento para entrar no pit-stop e colocar pneus duros.

Enquanto a limpeza acontecia, o safety-car trazia os carros por dentro do pit-lane para virar cada volta. Hamilton pediu no rádio: “avise Valtteri para me seguir. Vamos pegar esses caras”, dizia. O safety-car, então, saiu para a nona das 71 voltas. Verstappen saiu bem e estilingou com Hamilton se colocando para tentar atacar Pérez imediatamente, mas não conseguiu. Leclerc investiu para cima de Bottas, que segurou a quarta colocação. Ultrapassagem mesmo era de Tsunoda em Nicholas Latifi, mas somente pelo 17º lugar. Kimi Räikkönen, depois de largar do pit-lane, era o 16º. De pneus duros após parar, Norris já era 15º.

E foi de trás que saiu o motivo para um VSC em seguida: Mick Schumacher era o último porque teve um toque com Räikkönen e levou a pior: toda a asa dianteira saiu e sujou a pista. Räikkönen escapou com sorte de ter um furo no pneu. Na abertura da 14ª volta, bandeira verde novamente.

O retorno da corrida veio com a notícia de que Tsunoda fora punido com 10s por causa a colisão com Stroll. Enquanto isso, Sainz pressionava o companheiro Leclerc e Hamilton se colocava na zona de DRS para atacar Pérez. O mexicano fez força e segurou o quanto pôde, mas Hamilton levou a melhor na tomada da primeira curva. Acabado? Não! Pérez voltou e recuperou a ponta na Curva do Lago. Esforçou impressionante de Checo. Mas, na volta seguinte, no mesmo trecho, Lewis faz a mesma coisa e rapidamente se defendeu para efetivar o segundo lugar.

A relargada do GP de São Paulo após o safety-car (Foto: Reprodução/F1 TV)

Com 52 voltas pela frente, Hamilton agora estava de rosto para o vento e apenas 3s7 atrás de Verstappen. A briga estava formatada e era questão apenas de tempo.

Antes de Hamilton ter tempo de alcançar Verstappen, Bottas se colocava em zona de DRS para abrir a asa contra Pérez, mas não deu para atacar. A Red Bull avisava a Max no rádio que o carro da rubro-taurino era melhor que o da Mercedes no setor intermediário enquanto Hamilton levava vantagem onde as retas estavam identificadas. O holandês começava a reclamar de desgaste dos pneus na volta 24.

A Mercedes se adiantou ao plano inicial e convocou Hamilton para os boxes na volta 27 para um pit-stop rápido e colocar pneus duros. Lewis voltou em sexto, logo atrás de Ricciardo. Neste ponto bastante gente já havia entrado nos boxes, mas Verstappen viria uma volta depois, chamado para não correr risco de ser pego num undercut.

Apesar de Hamilton perder algum tempo atrás de Ricciardo, o retorno de Verstappen mostrou um cenário diferente: a vantagem, que não havia baixado de 3s até a janela de paradas, passava a ser de 1s5. Pérez parou em seguida, enquanto Hamilton anotava a melhor volta da corrida com 1min13s162.

Norris, que parou na segunda volta e já tinha pneus mais desgastados, sofria quando se deparou com Sainz e Gasly de borracha nova. Os dois passaram rápido, ao passo que um pedaço de sujeira voou da Aston Martin de Stroll e causou novo VSC. Este, porém, durou somente uma volta.

Após a parada de Bottas – que voltou na frente de Pérez e fazendo volta mais rápida -, Hamilton encostava. Na abertura da volta 31, baixava rapidamente a vantagem de 1s. O valor não se manteve, mas estava evidente que o momento da batalha de fato entre os dois postulantes ao título se aproximava.

Outra briga quente era aquela pela oitava colocação, com Ricciardo no ataque para cima de Gasly, que segurava. Detalhe ficava para a estratégia da Aston Martin, que parou cedo e tirou Vettel de nono para o 13º lugar. A Alpine também não ajudava Fernando Alonso e realizava um demorado pit-stop. Ao menos, para os franceses, Esteban Ocon ultrapassava Tsunoda para assumir a última posição dos pontos.

Norris fez a segunda parada na sequência para colocar novo pneu duro, mas serviu apenas de prévia do que viria na volta 41: a Red Bull que se adiantou, diminuiu a segunda perna da corrida, e parou Verstappen para botar novos pneus duros. Na saída dos boxes, um azar do holandês: a Williams de Latifi saiu do pit-lane junta e à frente.

Neste ponto, Hamilton liderava a corrida e a Mercedes tinha de responder. O que fez? Chamou Bottas na volta seguinte, mas deixou Lewis mais tempo. A briga agora era também de estratégia, e Hamilton tinha pouco mais de 18s de dianteira. O finlandês ficou na dúvida se era o correto, porque voltou atrás de Leclerc, mas rapidamente começava a fazer volta mais rápida.

Hamilton entrou na 45 e saiu lamentando o fato da Mercedes ter posto pneus duros em vez dos médios que ele queria. O engenheiro Peter Bonnington respondeu que os pneus médios estavam se desgastando rapidamente, mas a verdade é que a sensação geral foi que a Mercedes caiu na rede jogada pela Red Bull. Bottas também não gostou de estar com pneus duros. “Acabamos de jogar fora uma dobradinha fácil”, afirmou.

Lewis Hamilton e Max Verstappen quase bateram em Interlagos (Foto: Reprodução)

Hamilton voava na pista e terminava de cruzar a reta dos boxes na volta 47 apenas 0s5 atrás. Era a hora de tentar o ataque, até porque Lewis fazia melhor volta da corrida e, naturalmente, desgastava o pneu para as 24 voltas finais. O heptacampeão atacou na Curva do Lago e indicou a ultrapassagem, mas Max espalhou e os dois foram bem fora da pista. Começava uma nova série de discussões com os comissários nos bastidores. Verstappen tirou Hamilton da pista propositalmente quando o rival vinha na frente? Imediatamente os comissários afirmaram que estava sob análise.

Após o imbróglio, Hamilton voltou a entrar no mesmo segundo do rival na volta 51. Enquanto isso, Ricciardo seguia Stroll e abandonava a corrida. O problema do australiano não ficou claro, mas o do canadense era o carro soltando pedaços.

A Red Bull ia ao rádio da FIA para falar com Michael Masi, o diretor de provas. “É tudo sobre deixar que eles corram”, garantiu. Em seguida, a FIA avisa que não haveria investigação para o entrevero entre os líderes. Vida que segue e corrida que continua. Quando avisado, Hamilton respondeu, de maneira sarcástica: “claro que não”. A Mercedes também foi a Masi para reclamar. “Espalhar para tirar da pista e ganhar vantagem não ganha nem investigação?”, questionou. Masi respondeu: “foi uma daquelas coisas”.

Com 15 voltas para o fim, Verstappen e Hamilton protagonizavam a corrida e tinham Bottas e Pérez logo atrás. Leclerc, Sainz, Alonso, Ocon, Gasly e Norris fechavam o top-10.

Mas Hamilton não parecia se abater e conseguia fazer algo que foi um problema para a Mercedes o ano inteiro: seguir outro carro de perto. Por voltas e voltas no mesmo segundo, mergulhou na 58. Não deu. Foi de novo na 59. Agora inapelável, na Descida do Lago. Lewis tomou a ponta e imediatamente abriu 1s5. Uma recuperação memorável do heptacampeão em Interlagos. Toto Wolff vinha ao rádio de Bottas para um recado: “Valtteri, vá pegá-lo”.

Quem voava na pista era Gasly, que fez manobra firme para cima de Ocon na volta 61 e de Alonso na seguinte. Movimentos fundamentais na briga entre AlphaTauri e Alpine no campeonato.

Hamilton pegou a bandeira brasileira após a vitória e comemorou junto ao público (Foto: Reprodução/F1 TV)

Quando avisado de que recebeu uma bandeira preta e branca de aviso por se mover na reta após a passada de Hamilton, Verstappen também escolheu a ironia como arma: “Claro que sim. Dê um sorriso”. Fato é que Hamilton abria para vencer com facilidade, enquanto Bottas se distanciava de Pérez. Tanto que a Red Bull escolheu parar o mexicano para tentar tirar a volta mais rápida de Lewis.

Na bandeirada, Hamilton, após vencer uma corrida quase inacreditável, repetiu o ídolo de infância Ayrton Senna: parou junto a um fiscal, pegou a bandeira brasileira e sacudiu por uma volta junto ao público. Inesquecível. Verstappen cruzou em segundo e com Bottas em terceiro. Pérez fez a melhor volta e encerrou em quarto, ao passo que Leclerc, Sainz, Pierre Gasly, Ocon, Alonso e Norris fecharam o top-10.

Em uma semana, Catar. O campeonato pega fogo.

Paddockast #129: Tudo que você precisa saber sobre o GP de São Paulo

Fórmula 1 2021, GP de São Paulo, Interlagos, Corrida:

1L HAMILTONMercedes1:32:22.85171 voltas
2M VERSTAPPENRed Bull Honda+10.496 
3V BOTTASMercedes+13.576 
4S PÉREZRed Bull Honda+39.940 
5C LECLERCFerrari+49.517 
6C SAINZFerrari+51.820 
7P GASLYAlphaTauri Honda+1 volta 
8E OCONAlpine+1 volta 
9F ALONSOAlpine+1 volta 
10L NORRISMcLaren Mercedes+1 volta 
11S VETTELAston Martin Mercedes+1 volta 
12K RÄIKKÖNENAlfa Romeo Ferrari+1 volta 
13G RUSSELLWilliams Mercedes+1 volta 
14A GIOVINAZZIAlfa Romeo Ferrari+1 volta 
15Y TSUNODAAlphaTauri Honda+1 volta 
16N LATIFIWilliams Mercedes+1 volta 
17N MAZEPINHaas Ferrari+2 voltas 
18M SCHUMACHERHaas Ferrari+2 voltas 
19D RICCIARDOMcLaren MercedesAbandonou 
20L STROLLAston Martin MercedesAbandonou 
Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar