Hamilton revela mudanças no ‘botão mágico’, mas insiste: “Não considerei um erro em Baku”

Lewis Hamilton afirmou nesta quinta-feira (17) que o acidente com o 'botão mágico' não foi um erro e ainda revelou que mudanças foram feitas para evitar que problemas como esse não voltem a acontecer

Fechado por Mazepin no fim do GP do Azerbaijão, Schumacher dispara: “Ele quer nos matar?” (Vídeo: Reprodução)

O GP do Azerbaijão para Lewis Hamilton foi de sorte e azar. Sorte por ver o seu maior rival do grid, Max Verstappen, abandonar a corrida após um estouro do pneu traseiro do RB16B nos momentos final da corrida, mas azar por ter esbarrado no chamado ‘botão mágico’ do W12, que coloca toda a potência de frenagem nos freios dianteiros. No entanto, enquanto muitos dizem ter sido um simples erro do heptacampeão, ele reitera que não foi. Para o britânico, foi apenas um incidente normal de corrida.

“Bem, Max não estava na prova naquele momento, então, definitivamente, não foi a pressão de Max. Eu nem considero um erro”, disse ele. “Nem sempre você pode ser perfeito, mas um erro é quando você sai da pista perdendo o ponto de frenagem ou bate no muro. Não foi algo forçado, realmente algo que estava lá e que poderia ter acontecido a qualquer momento e, infelizmente, nos afetou bastante. Mas aprendemos com a experiência e seguimos em frente.”

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Lewis Hamilton nesta quinta-feira (17), na França (Foto: Reprodução/F1)

Além disso, o dono do #44 também foi questionado sobre as mudanças que a equipe disse que faria em seu carro. Hamilton explicou que o botão não foi movido, mas usaram alguns aparatos para ficar mais difícil um toque acidental.

“Nós não o movemos, só colocamos um tecido em volta dele apenas para certificar de que não há como tocá-lo acidentalmente no futuro, mas isso é para o curto prazo”, explicou.

“Obviamente, não é tão fácil de mudar ou mover botões, porque é tudo projetado, então vamos procurar uma solução a longo prazo no futuro”, seguiu.

Hamilton somou apenas sete pontos nos últimos dois GPs, com a Mercedes lutando especialmente com o aquecimento de pneus em Mônaco e Baku. Embora ainda enxergue mais uma luta difícil com a Red Bull no GP da França, Lewis admitiu que está ansioso para voltar a um circuito mais convencional.

“As duas últimas [corridas] foram definitivamente muito difíceis para nós como um todo”, disse ele. “Você tem de enfrentar o asfalto áspero com o liso e definitivamente tem sido um desafio, mas aprendemos muito.”

“Estou definitivamente ansioso para voltar a uma pista em que provavelmente não seremos tão afetados com as temperaturas dos pneus, por exemplo. Tem sido bom para nós no passado aqui, mas vejo um fim de semana difícil, naturalmente. Obviamente, as duas Red Bull mostraram um bom ritmo nas corridas anteriores, bem como nas pistas mais convencionais, como em Barcelona”, concluiu.

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar