‘Jantado’ na relargada, Grosjean diz que carro da Haas “não merece” 7ª posição

Romain Grosjean falou que o carro não merecia se segurar na sétima colocação que guardava até o momento da primeira relargada, 11 voltas antes do fim. Kevin Magnussen concordou

Entre as muitas coisas que aconteceram no GP do Brasil deste domingo (17), uma delas não foi a Haas de volta aos pontos. Apesar de tanto Romain Grosjean quanto Kevin Magnussen largarem em posição privilegiada para pontuar, foram varridos das primeiras colocações. E, de acordo com o francês, o bólido norte-americano em nada merece andar na sétima posição que ele ocupava até a primeira relargada.
 
Grosjean vinha em sétimo até o momento em que quebrou o motor Mercedes de Valtteri Bottas. Na relargada, caiu para 11º – sobre isso, reclamou de Carlos Sainz. Terminou no 14º posto, no fim das contas.
 
"Primeiro de tudo, estou feliz por Pierre [Gasly]. É bom vê-lo no pódio, estou feliz por ele. Fui o último francês a ir ao pódio, quatro anos atrás. Nós, hoje, não demos sorte. Estávamos na corrida de nossas vidas, parados no P7 e com um carro que não merece isso. Nosso trabalho era incrível, mas o safety-car veio na hora errada", falou. 
 
"Os pneus, na relargada, estavam exaustos de um stint. Sabíamos que dava para ir até o fim, mas Sainz me empurrou para fora na relargada. na curva dois. Não fiquei feliz com isso. Levamos o carro ao limite hoje, mas não foi nosso momento", disse.
Kevin Magnussen (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)
Kevin Magnussen fechou em 11º, mas logo no começo da prova se envolveu num toque com Daniel Ricciardo e rodou. Apesar de seguir na prova, não tinha ritmo para segurar o ponto.
 
"É uma pena, parece uma oportunidade perdida para a equipe hoje – não demos sorte. Fizeram com que eu rodasse no começo da corrida e perdesse muitas posições, além de uma quebra na asa dianteira", argumentou. 
 
"No safety-car de mais tarde, todo mundo estava muito melhor que nós na hora de relargar. Não tinha o bastante para segurar as pontas. Fui passado e, no fim das contas, fiquei fora dos pontos por somente um ponto. Não é legal", encerrou.

GRANDE PRÊMIO cobre in loco o GP do Brasil com os jornalistas Evelyn Guimarães, Felipe Noronha, Fernando Silva, Flavio Gomes, Gabriel Carvalho, Gabriel Curty e Pedro Henrique Marum, e o fotógrafo Rodrigo Berton. Acompanhe todo o noticiário aqui e tudo dos bastidores e das atividades em pista AO VIVO e em TEMPO REAL.
 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube