Kubica completa 100 voltas em teste pela Williams em Abu Dhabi. Com pneus hipermacios, Räikkönen fecha na frente

Em cerca de seis horas de teste em Abu Dhabi, Robert Kubica completou exatamente 100 voltas antes de entregar o volante do Williams FW40 a Lance Stroll. O polonês cumpriu o programa determinado pela Williams com stints mais longos, variando entre 12 e 13 voltas, e outros mais curtos, de seis. Kimi Räikkönen manteve o tempo estabelecido pela manhã, com os novos pneus hipermacios, para terminar a terça-feira na frente, seguido por Daniel Ricciardo

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Robert Kubica foi bastante exigido no seu primeiro teste com o Williams FW40. Nesta terça-feira (28), o polonês, grande centro das atenções em Abu Dhabi, cumpriu 100 voltas no circuito de Yas Marina ao longo de seis horas de sessão, mostrando estar definitivamente pronto para voltar à F1. Foram 555 km percorridos em programação determinada pela Williams com a realização de stints mais longos, variando entre 12 e 13 voltas, um de dez e outros três mais curtos, de seis giros. Na tabela de tempos, Kubica finalizou em nono, 3s528 atrás do mais rápido do dia, Kimi Räikkönen, da Ferrari, que manteve a marca obtida pela manhã com os novos pneus hipermacios.

 
Após a sessão, o polaco garantiu que está fisicamente pronto para retornar ao grid. Kubica volta ao grid da F1 na próxima temporada, depois de sete anos de ausência após carreira interrompida em decorrência de um gravíssimo acidente num rali na Itália. O Diário Motorsport, parceiro do GRANDE PRÊMIO, informa que o polonês vai ser o substituto de Felipe Massa em 2018, sendo o novo companheiro de equipe de Lance Stroll.
 
Mas como costuma ser em testes como os desta semana, onde a Pirelli trabalha em conjunto com as equipes para avaliar os pneus para a próxima temporada, os tempos não são muito levados em conta em termos de referência. A própria marca de Kimi, por exemplo, foi 1s5 mais lenta que a pole-position — e recorde da pista — de Valtteri Bottas no sábado, feita com pneus ultramacios, dois degraus mais duros que os novos hipermacios.
Robert Kubica em ação nesta terça-feira de testes em Abu Dhabi (Foto: Sky Sports/Twitter)

Assim, as equipes buscam deixar de lado a importância dos tempos de volta para focar na avaliação dos carros, muitos dotados de peças que vão ser usadas nos modelos do ano que vem, com os novos pneus produzidos pela fornecedora de Milão. 

 
Daniel Ricciardo, da Red Bull, foi quem andou mais perto da marca de Räikkönen. O australiano, que vai dar lugar a Max Verstappen para a sequência dos testes nesta quarta-feira, cravou 1min38s066, somente 0s298 atrás, sendo um dos pilotos que passaram a contagem centenária de voltas em Yas Marina. Em terceiro, finalizou Lewis Hamilton. O tricampeão encerrou seus trabalhos de pista na temporada que lhe colocou no rol dos grandes da F1 depois de superar, no fim, o tempo de Romain Grosjean, da Haas. O franco-suíço foi quem mais andou ao longo do dia: 137 voltas, uma a mais em relação a Hamilton.

De todos os 12 pilotos que participaram do teste nesta terça-feira, Lance Stroll foi quem completou menos voltas: 29, uma vez que completou pouco menos de três horas de sessão. Em sua melhor volta, o canadense marcou 1min39s580 para fechar em quinto, superando o bicampeão Fernando Alonso, que foi um dos pilotos que testou o Halo e alcançou seu melhor tempo com pneus hipermacios. O bicampeão se recuperou de uma manhã complicada e três horas parado para completar 115 voltas.

Räikkönen fez o melhor tempo da manhã com pneus hipermacios, novidade para 2018 (Foto: Pirelli Motorsport)
Nico Hülkenberg, que também testou o Halo nesta terça-feira, finalizou em sétimo com a Renault. A seguir, apareceu na tabela de tempos o russo Nikita Mazepin, piloto de desenvolvimento da Force India. O polonês, já do lado de fora da pista, concedia entrevista coletiva após encerrar sua participação nesta tarde e completava em nono lugar, ficando no rol dos pilotos que mais rodaram em Yas Marina.

Sean Gelael, indonésio responsável por guiar a Toro Rosso, completou o top-10. O asiático causou a única bandeira vermelha do dia, ainda que tenha sido bastante breve. Marcus Ericsson, da Sauber, e Oliver Turvey, piloto de testes da McLaren, fecharam a tabela de tempos nesta tarde.

A F1 permanece em Yas Marina por mais um dia e retoma os trabalhos na manhã desta quarta-feira a partir das 9h locais (3h de Brasília). Novamente, Kubica vai pilotar com a Williams, desta vez compartilhando o volante do FW40 com o russo Sergey Sirotkin.

F1 2017, teste coletivo de pneus, Abu Dhabi, Yas Marina, dia 1:

1   7 Kimi RÄIKKÖNEN FIN Ferrari 1:37.768   99
2   3 Daniel RICCIARDO AUS Red Bull Tag Heuer 1:38.066 +0.298 109
3   44 Lewis HAMILTON ING Mercedes 1:38.551 +0.783 136
4   8 Romain GROSJEAN FRA Haas Ferrari 1:39.270 +1.502 137
5   18 Lance STROLL CAN Williams Mercedes 1:39.580 +1.812 29
6   14 Fernando ALONSO ESP McLaren Honda 1:39.762 +1.994 115
7   27 Nico HÜLKENBERG ALE Renault 1:39.803 +2.035 85
8   35 Nikita MAZEPIN RUS Force India Mercedes 1:39.959 +2.191 90
9   40 Robert KUBICA POL Williams Mercedes 1:41.296 +3.528 100
10   38 Sean GELAEL IDN Toro Rosso Renault 1:41.428 +3.660 117
11   9 Marcus ERICSSON SUE Sauber Ferrari 1:41.681 +3.913 97
12   47 Oliver TURVEY ING McLaren Honda 1:41.914 +4.146 105
“CHORAVA COMO UM BEBÊ”

FÉLIX DA COSTA REVELA TRISTEZA APÓS PERDER CHANCE NA F1

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height:
0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute;
top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube