Latifi vê “sinais positivos” na Williams, mas diz que “nem tudo está resolvido”

Nicholas Latifi sente evolução no FW43 em relação ao FW42, mas opta por manter a cautela. O canadense destaca que o carro ainda tem problemas e que, mesmo evoluindo, não tem garantia de escalar no pelotão da Fórmula 1

Nicholas Latifi desembarcou em uma Williams que tenta se reencontrar na Fórmula 1. A equipe britânica sofre após um 2019 em que tudo deu errado e deposita as esperanças no FW43, carro de 2020. O bólido até deu sinais encorajadores, mas o estreante canadense já deixa o aviso: ainda há trabalho há ser feito para assegurar uma temporada verdadeiramente competitiva.
 
“Definitivamente tivemos sinais positivos”, disse Latifi. “Ainda há algumas coisas negativas no carro, algumas coisas que precisamos tentar resolver. São alguns problemas, digamos, característicos do ano passado, então nem tudo está resolvido. Vamos descobrir quando a classificação [do GP da Austrália] chegar. Parece meio bobo falar isso, mas só o fato de ter tudo aqui na hora certa, esperando a luz apagar no primeiro dia de testes, foi um grande impulso para o psicológico da equipe, principalmente após o que aconteceu ano passado”, destacou.
Nicholas Latifi tem otimismo contido em relação ao FW43 (Foto: Williams)

A Williams conseguiu ao menos ficar em contato com o pelotão intermediário na primeira semana de testes em Barcelona. A cereja no bolo foi a quilometragem significativa, mesmo com Latifi sofrendo um problema mecânico e quebrando na reta principal durante o terceiro dia de testes. Mesmo assim, Nicholas foca no lado positivo, mesmo que com cautela.

 
“Pela minha impressão, de quando pilotei o carro no primeiro dia, eu certamente senti que era um passo adiante, que é algo ótimo como piloto. Você consegue ver todo o trabalho pesado que é feito durante o inverno, do pessoal da fábrica, sendo recompensado. Quão grande é esse passo adiante? As outras equipes certamente melhoraram também, então veremos nas primeiras corridas”, encerrou.
 
O GRANDE PRÊMIO cobre AO VIVO, em TEMPO REAL e ‘in loco’ os testes de pré-temporada da F1 em Barcelona com o repórter Vitor Fazio. Siga tudo aqui.
 

Paddockast #49
RAÍ CALDATO: O ARTISTA PREFERIDO DE LEWIS HAMILTON

Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube