Lauda sai em defesa do ruído dos motores turbo V6: “Isso foi decidido por todas as partes há cinco anos”

Diante das críticas de vários chefes de equipe e até do diretor-técnico da Williams, Pat Symonds, Niki Lauda se mostrou a favor do som dos motores turbo V6 e foi respaldado por Toto Wolff, diretor da Mercedes: "Posso garantir que a F1 ainda está no topo"

 
A F1 não consegue viver sem suas polêmicas – sejam elas válidas ou meramente especulativas. Depois do GP da Austrália, etapa que abriu a temporada 2014 da categoria, um dos assuntos mais debatidos foi o novo som dos motores turbo V6, que substituem os V8 aspirados utilizados até 2013. Para muitos, o ruído é fraco e remete aos carros de GP2.
 
Críticas não partem só do lado de fora: se há fãs insatisfeitos com a nova F1, muitos dirigentes das equipes e até mesmo Bernie Ecclestone, um dos responsáveis por esta mudança, estão infelizes e já condenaram abertamente o que chamam de ‘F1 silenciosa’. Vijay Mallya, dono da Force India, protestou ao vivo durante um treino livre em Melbourne.
 
Outro a reclamar, ainda que de forma menos acintosa, foi Pat Symonds, diretor-técnico da Williams. “Para mim, a largada era a parte mais excitante da corrida, eu adorava quando os 22 pilotos aceleravam seus motores. Normalmente, não costumo reclamar, mas a largada em Melbourne pareceu um pouco silenciosa”, comentou à revista ‘Auto Motor und Sport’.
Niki Lauda defendeu ruído dos motores turbo V6 (Foto: Getty Images)

Mas há uma voz coerente e de peso em defesa dos novos motores turbo: Niki Lauda. O tricampeão, que atualmente representa a Mercedes, rebateu as críticas e afirmou, também à ‘AMuS’, que o debate é “absurdo”. “Você não pode mudar isso agora. Isso foi decidido por todas as partes há cinco anos, eles queriam motores turbo, então colocamos um turbocompressor antes do escapamento”, explicou o austríaco.
 
“Isso traz um som diferente, qualquer criança sabe disso. Se você tirar o turbo, você não tem mais motores híbridos. Temos que nos acostumar com isso.”
 
Toto Wolff, também da Mercedes, seguiu a mesma linha de raciocínio de Lauda, mas de maneira mais comedida. “Não sou engenheiro ou algo do tipo. Isso será analisado. Se for decidido que algo deve ser feito, então teremos de pensar nisso com cuidado.”
 
“Os V8 tinham um som fantástico, mas vi a corrida de perto e posso garantir que a F1 ainda está no topo dos esportes à motor, não virou a GP2. Este foi o passo certo”, concluiu.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube