F1

Leclerc evita comentar ordem da Ferrari na China, mas cutuca: 'No futuro, vamos ver quem é o líder da equipe“

Em três corridas na temporada, Charles Leclerc ouviu por três vezes da Ferrari uma ordem em relação a Sebastian Vettel. Em Xangai, neste domingo, o monegasco foi chamado para abrir passagem para o alemão nas voltas iniciais da corrida, o que o jovem cumpriu, mas a contragosto. De cabeça fria depois do GP da China de Fórmula 1, o jovem evitou polemizar, mas não deixou de cutucar a equipe

Grande Prêmio / FERNANDO SILVA, de Sumaré
Pouco a pouco, Charles Leclerc vai conhecendo na carne o modus operandi da Ferrari. Na sua terceira corrida pela equipe de Maranello, o jovem de 21 anos ouviu ordens do pit-wall no rádio pela terceira vez: no GP da Austrália, quando foi pedido para não passar Sebastian Vettel; no Bahrein, novamente para não superar o companheiro de equipe — desta vez, não cumprida pelo monegasco — e neste domingo (14) de GP da China de Fórmula 1. Leclerc ultrapassou Vettel na largada, mas pouco depois virou um pouco mais lento que o alemão, e a Ferrari pediu ao piloto do carro #16 para abrir passagem.
 
Vendo que as Mercedes de Lewis Hamilton e Valtteri Bottas haviam escapado na frente, a Ferrari lançou mão de uma nova ordem de equipe com 11 voltas completadas: “Deixe Sebastian passar”. O monegasco respondeu: “Estou abrindo vantagem”. Mesmo assim, Leclerc acabou abrindo para o tetracampeão assumir a terceira posição depois de tirar o pé do acelerador na reta dos boxes.

 
Leclerc ainda tentou argumentar com a equipe quando já estava atrás de Vettel: “Estou perdendo muito tempo. Não sei se vocês querem saber ou não, mas só para vocês saberem”. Em resposta, ouviu via rádio: “Fizemos nosso trabalho, continue focado”.
Charles Leclerc evitou polemizar sobre a nova ordem de equipe da Ferrari (Foto: AFP)
Longe de ter a mesma grande performance do Bahrein, há duas semanas, Leclerc também acabou sofrendo com a estratégia da Ferrari, que retardou seu primeiro pit-stop para colocar pneus duros e, com isso, perdeu muito tempo na pista, o que foi determinante para ajudá-lo a perder a quarta colocação para a Red Bull de Max Verstappen.
 
Ao fim da corrida, Leclerc evitou polemizar, mas ainda assim tratou de cutucar a Ferrari pelo que foi o GP da China. “Deve haver um bom motivo por trás desta decisão”, disse o piloto em entrevista coletiva.
 
“Fiz uma boa largada e, em seguida, o primeiro passo foi um pouco confuso, obviamente você provavelmente já viu na TV com Seb. Preciso entender a imagem completa e conversar com os engenheiros para entender a decisão”, complementou.
 
À emissora espanhola Movistar F1, Leclerc reconheceu que foi “muito frustrante dentro do carro”. E ainda aproveitou para mandar um recado à Ferrari. “No futuro, vamos ver quem é o líder da equipe. Hoje foi decepcionante”, lastimou.
 
“Tenho certeza de que há uma explicação para essa decisão e eu vou entender. Já passou. O fim de semana não foi tão bom quanto eu gostaria. Hoje não foi um bom dia, mas vamos voltar mais fortes”, continuou Charles.
 
O piloto da Ferrari admitiu também que seu fim de semana em Xangai foi longe de ter sido perfeito. “A pilotagem na classificação foi boa, mas os treinos livres e também na corrida, entrar sem qualquer quilometragem com grandes cargas de combustível não foi o ideal. Preciso analisar os dados e entender. Não quero fazer comentários bobos agora”, complementou.
 
Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.