Massa vai ao Bahrein para esquecer de desastre na China e relembra vitórias: “Por isso que gosto de lá”

Depois de terminar o GP da China apenas em 14º e penúltimo lugar, Felipe Massa nem vai ter tempo para digerir o resultado ruim em Xangai. O brasileiro segue com a F1 para o Oriente Médio, mais precisamente para o Bahrein, lugar que lhe traz boas recordações

 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Talvez nem o próprio Felipe Massa imaginou que teria um domingo tão difícil como o do último GP da China. Depois de ter feito um bom fim de semana, o brasileiro largou em sexto com sua Williams, mas o FW40 sofreu demais com a temperatura dos pneus na fria Xangai. O piloto do carro #19 foi facilmente batido por outros adversários e cruzou a linha de chegada apenas em 14º lugar, só à frente do sueco Marcus Ericsson, da Sauber.

 
No entanto, Massa vai ter pouco tempo para digerir o revés e reagir, já que a terceira etapa da temporada 2017 da F1 acontece já neste fim de semana. O GP do Bahrein, realizado no suntuoso circuito de Sakhir, traz boas recordações ao brasileiro. 
 
Nas 12 vezes em que a prova foi realizada, Felipe venceu em duas oportunidades: 2007 e 2008, nos seus melhores anos pela Ferrari, tendo sido pole também em 2007. “Eu gosto muito do Bahrein. Já ganhei lá duas vezes, por isso definitivamente um lugar que eu gosto”, comentou.

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 3
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);

Após sofrer com os pneus na China, Felipe Massa mira reação no Bahrein de boas lembranças (Foto: Williams)
Conhecedor das características do traçado de Sakhir, Massa entende que é preciso de um carro bem equilibrado para ser bem-sucedido no fim de semana, sobretudo nas zonas de frenagem. 
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

“Como pista, ela é um pouco diferente das outras. Você precisa ter um carro que é forte nas frenagens, o que é especialmente importante nesta pista. Você também precisa ter um carro confiável, com boa velocidade e tração”, explicou o paulista de 36 anos.

 
Por conta da temperatura mais alta do Bahrein, a Williams não deve enfrentar os mesmos problemas vividos no último fim de semana na China. Felipe embarca confiante rumo ao Bahrein em busca de reação. “Espero muito que possamos ter uma boa corrida lá neste ano”, concluiu.
No fim de semana em Sakhir, os pilotos vão ter à disposição a mesma gama de pneus oferecida pela Pirelli na China. Massa, assim como Lance Stroll, seu companheiro de equipe, vai contar com um jogo de pneus médios, cinco de macios e sete de supermacios.
 
Diretor geral da Williams, Paddy Lowe entende que o GP do Bahrein pode representar um desafio a mais para equipes e pilotos em razão do característico calor e da areia que margeia o traçado, o que pode se tornar um complicador dependendo da velocidade dos ventos.
 
“O Bahrein é uma grande pista, que se transformou desde que se tornou uma corrida no crepúsculo a partir de 2014, com uma grande atmosfera com as luzes lá fora, com uma sensação mágica que termina sob as luzes enquanto a noite cai. Já vimos algumas batalhas empolgantes na pista ao longo dos últimos anos, de modo que vai ser interessante o que as equipes podem fazer com esta geração de carros mais rápidos”, disse.
 
“Pode estar quente, testando assim nossos sistemas de refrigeração, e o vento e a areia também podem ser um fator, especialmente no começo do fim de semana. Por isso tende a ser um teste bastante complicado para as equipes e os pilotos”, explicou o engenheiro.
 
PADDOCK GP #72 TRAZ ÁTILA ABREU E DISCUTE ETAPAS DA STOCK CAR, F1, INDY E MOTOGP

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube