Verstappen rasga elogios a ritmo da Mercedes após sprint em Interlagos: “Preocupante”

Max Verstappen disse que Red Bull não teria como parar os carros da Mercedes na corrida sprint do GP de São Paulo e citou desgaste extremo dos pneus como motivo para falta de ritmo

Max Verstappen parecia ter caminho livre para buscar a vitória da corrida sprint do GP de São Paulo, disputada neste sábado (12), mas George Russell tinha outros planos e deixou o holandês para trás após uma disputa frenética. Ultrapassado também por Carlos Sainz e Lewis Hamilton após um toque com o espanhol — que danificou sua asa —, o bicampeão admitiu que não tinha ritmo para duelar com as Mercedes em Interlagos e crê que o quarto lugar era realmente o melhor à sua disposição.

“Eu não sei, os pneus médios não duraram muito e nós ficamos sem ritmo”, afirmou. “Mas mesmo que estivéssemos com compostos macios, acho que não teríamos a velocidade que a Mercedes tinha, então isso é um pouco preocupante para amanhã. É claro que vamos analisar tudo, mas normalmente você não tem muito o que fazer para melhorar”, admitiu.

Relacionadas


O holandês explicou que o carro da Red Bull apresentou um desgaste maior do que o esperado em relação aos pneus, o que dificultou cada vez mais a manutenção das posições. Na opinião de Max, o toque recebido por Sainz não alterou o destino da corrida.

▶️ Conheça o canal do GRANDE PRÊMIO na Twitch clicando aqui!

Verstappen liderou parte da corrida sprint do Brasil, mas não conseguiu segurar Sainz e as Mercedes (Foto: Red Bull Content Pool)

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

“Eu não tinha aderência, o carro estava comendo os pneus”, lamentou. “Não sei o motivo disso, mas é claro que, com o contato, minha asa dianteira ficou bastante danificada. No fim, mesmo com a asa inteira, eu teria terminado em quarto. Então, não importou tanto”, destacou.

Por fim, questionado sobre a pilotagem do carro, Verstappen explicou que é difícil dissociar o desgaste extremo dos pneus do comportamento do RB18, já que o primeiro fator acaba naturalmente prejudicando o segundo. “É um pouco difícil separar as coisas, elas andam juntas. Se os pneus estão se desgastando demais, o carro não fica bom para pilotar”, encerrou.

GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades AO VIVO e EM TEMPO REAL e cobre o GP de São Paulo de Fórmula 1 ‘in loco’ com Ana Paula Cerveira, André Netto, Evelyn Guimarães, Felipe Leite, Gabriel Curty, Luana Marino, Rodrigo Berton, Pedro Henrique Marum e Victor Martins. No domingo, a largada está marcada para as 15h [de Brasília, GMT-3].

Chamada Chefão GP Chamada Chefão GP 🏁 O GRANDE PRÊMIO agora está no Comunidades WhatsApp. Clique aqui para participar e receber as notícias da Fórmula 1 direto no seu celular! Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.