McLaren entra na justiça para conseguir empréstimo “urgente” até julho

A McLaren precisa de um empréstimo de R$ 1,8 bilhão até 17 de julho para se sustentar durante a pandemia. A companhia, em crise, já demitiu mais de mil funcionários

Dia após dia, fica clara a dimensão dos problemas da McLaren durante a pandemia do coronavírus. A marca britânica, que já demitiu mais de mil funcionários e passou a considerar venda de ações, segue em busca de formas para aliviar as contas. A nova manobra é uma segunda tentativa de conseguir empréstimo, agora alegando que a situação é de caráter “urgente” e que precisa de recursos no máximo até 17 de julho.

A McLaren precisa de £280 milhões [R$ 1,8 bilhão], mas com um porém: existe uma briga nos bastidores. De acordo com a BBC, um grupo de credores da marca britânica tenta impedir a busca pelo empréstimo. Os britânicos reagiram com um documento que detalha “dificuldades financeiras severas e inesperadas”, servindo como argumento para assegurar a entrada de dinheiro.

“[A pandemia] afetou seriamente a entrada de dinheiro no grupo [McLaren]”, explicou o documento. “A dimensão e o impacto ficaram rapidamente aparentes para a equipe administrativa, assim como um efeito negativo enorme sobre a habilidade de fazer negócios”, seguiu.

O momento é de incerteza para a McLaren (Foto: McLaren)

“O começo da temporada da F1 foi adiado, concessionárias estão fechadas, fornecedores interromperam negócios, produção foi suspensa, encomendas de consumidores caíram, dinheiro de patrocínio caiu e custos de saúde e de segurança cresceram”, destacou.

A busca da McLaren por um empréstimo junto ao governo britânico começou ainda em abril. Na ocasião, o pedido de £150 milhões [R$ 982 milhões] foi rejeitado. A alegação foi de que, apesar das dificuldades financeiras, a escuderia não atendia os pré-requisitos necessários para receber o suporte.

A situação da McLaren é particularmente difícil. É que a escuderia, ao contrário de outras do pelotão intermediário da F1, tem também uma divisão de carros esportivos. Esta, por sua vez, enfrenta dificuldades óbvias: o setor praticamente parou durante a pandemia. Não por acaso, a maioria das demissões da montadora foram no setor de bólidos de rua, e não no de automobilismo.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube