McLaren vai até sede da Honda para reunião de emergência e tentar resolver crise de desempenho e financeira

O primeiro ano do retorno da parceria entre McLaren e Honda vem gerando muita dor de cabeça em ambas as partes. Para tentar solucionar a crise de desempenho e financeira, membros da alta cúpula dos dois lados se reuniram em Sakura, na sede da montadora japonesa

A situação da parceria McLaren-Honda ganhou contornos de tamanha dramaticidade que as partes estiveram em uma reunião com grande parte da executiva das duas empresas nesta quarta-feira (23). O encontro aconteceu na sede da montadora japonesa em Sakura e não só envolve o quanto os carros de Jenson Button e Fernando Alonso devem sofrer no circuito, mas em como resolver a crise que tem duas ramificações.

Já está claro que a volta da Honda à F1 não tem sinal algum do período em que foi coligada à McLaren e teve anos dourados com Ayrton Senna e Alain Prost. Por vezes, a equipe só andou à frente da Manor Marussia, que tem um carro defasado em um ano. Ron Dennis começou a se irritar com o fraco desempenho da unidade de força da marca, que já extrapolou todos os limites das peças determinados por regulamento, o que significa que qualquer troca resulte em punição.

Não à toa, punições nos dois carros que somavam mais de 100 posições no grid se tornaram assunto nas reuniões da F1 para que a regra fosse menos ridícula.

Alguns dos principais executivos de McLaren e Honda se reuniram no Japão para contornar a crise (Foto: Getty Images)

Com o passar do tempo, as penalizações continuaram e o carro não evoluía. Aí a paciência de Dennis foi para a lua. Diz-se que o antigo dirigente pediu a cabeça de Yasuhisa Arai, responsável pela área de automobilismo da Honda, bem diferente da filosofia da McLaren.

Pelo segundo ano seguido, a grandiosa McLaren corre sem um patrocinador principal e já sabe que dois de seus apoiadores vão picar a mula no fim do ano: a alcoólica Johnnie Walker e o bancário Santander. Não ter uma grana entrando é péssimo para a reputação de uma equipe que precisa de R$ 1,26 bilhões — em conversão atual — para operar a temporada.

A McLaren crê que a Honda é que tenha de desembolsar parte da quantia, enquanto se prepara para caçar uma empresa máster em seus carros grafites. Assim, a reunião é de suma importância para que as partes sejam alinhadas.

A moeda de troca parece clara: ou a Honda desata a dar milhões e milhões ou a McLaren segue as críticas. O problema para ambas? É que uma só tem a outra neste momento, e nada mais.

Nesta quinta-feira, as atenções vão se concentrar na equipe de Woking não no box, mas na sala de coletiva da FIA, onde Button estará presente. Espera-se que o inglês faça um anúncio de seu futuro, muito provavelmente indicando sua saída da F1 após 16 longas temporadas. Pelo paddock, Alonso já não tem escondido seu descontentamento com a parca performance.

Imaginem, então, a situação: a busca por um patrocinador, Button anuncia saída e Alonso resolve largar tudo. Quem é que vai querer apostar na escuderia num futuro próximo? McLaren e Honda beiram o caos.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube