Mosley alerta Ecclestone sobre precisar encontrar fabricante independente de motor para manter controle da F1

Max Mosley passou bem perto de afirmar que Mercedes, Ferrari e Renault vão formar um cartel e tomar de Bernie Ecclestone o controle da F1 ao sugerir que o chefão encontre rapidamente uma fabricante de motores sem interesses de construtoras

Longe – mas não distante – da F1, Max Mosley deu um aviso para Bernie Ecclestone: encontre um fornecedor independente de motores ou perca o controle da F1. O ex-presidente da FIA construiu um caso sobre Ecclestone tomar cuidado para não se ver destronado por um cartel de grandes montadoras.
 
Em entrevista à rede de TV alemã ZDF, Mosley colocou a presença de fabricantes de motor que não tinham ou representavam uma equipe como a "grande força" do Mundial há 50 anos. Hoje, diferentemente, presidentes de Mercedes, Ferrari e Renault podem se comunicar e chegar a uma forma de controlar tudo na categoria.  
 
"A dificuldade é que você tem de ter uma fornecedora de motores independente que pode trabalhar com os times em base comercial. A grande força da F1 desde o final dos anos 1960 até recentemente era que a Cosworth, Mecachrome e outras companhias fabricantes de motores eram independentes, então você não está apenas nas mãos dos fabricantes", disse.
Mosley está cheio das ideias (Foto: Red Bull/Getty Images)
"No momento em que você tem um ou dois, até três, fabricantes e eles estão envolvidos neste nível, então Dieter Zetsche pode falar com Sergio Marchionne ou Carlos Ghosn e eles controlam a F1 – você não controla a F1. Neste ponto, a necessidade por uma fornecedora independente de motores é grande", seguiu Max.
 
Mosley ainda falou sobre a necessidade de se criar um mecanismo que limite os gastos das fabricantes para que outras interessadas possam entrar na jogada sem a preocupação de irem à falência ou serem mundialmente envergonhadas.
 
"Se você desenvolve ou restringe o motor de um jeito que pode produzir economicamente, e a Mercedes faz o que quer, assim como com os antigos motores normais de antigamente, os fabricantes poderiam chegar que o domínio ia continuar", afirmou o ex-mandatário.
 
Por fim, Mosley sugeriu o aumento da participação dos pilotos nos carros da F1. Mas isso, reforçou, também precisa ser acompanhado pelo controle do custo. Ele garantiu que faria. 
 
"De cabeça, gostaria que os carros fossem mudados para os pilotos terem completo controle, incluindo o câmbio. Eu insistiria nas mudanças no câmbio, porque isso é parte do esporte. Ao mesmo tempo, traria regras sobre custos, o que significaria que os times poderiam gastar a mesma quantidade de dinheiro e não mais, então o projetista de motor mais esperto faria o melhor carro", falou.
 
"Uma combinação dessas duas coisas fariam uma diferença radical. É algo que, se eu ainda estivesse no comando, gostaria de ouvir: as opiniões das pessoas. Fale sobre e pense sobre", encerrou.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube