Na Garagem: F1 se despede de Adelaide com Häkkinen na UTI e Morbidelli no pódio

Há 20 anos, a F1 andou pela última vez em Adelaide. No ano seguinte, mudou-se para Melbourne, fazendo do GP da Austrália o único a ser disputado de forma consecutiva na história. O fim de semana terminou com o medo rondando a categoria após o forte acidente de Mika Häkkinen

Há exatos 20 anos, em 12 de novembro de 1995, a F1 largou pela última vez para um GP da Austrália em Adelaide. No ano seguinte, a corrida se mudou para a cidade de Melbourne, onde acontece até hoje. Aquele fim de semana ficou marcado por um susto: o forte acidente de Mika Häkkinen no treino classificatório.

 
Em 11 de novembro, Häkkinen perdeu o controle da McLaren após o pneu traseiro esquerdo ser rasgado por um detrito na curva da Cervejaria (Brewery Bend). Seu carro decolou e acertou lateralmente o guard-rail, com o piloto imediatamente ficando desacordado.
 
Depois se soube que Mika sofreu uma fratura na base do crânio e hemorragia interna. O finlandês foi mantido na UTI por dois dias antes de ser transferido para um quarto no Hospital Real de Adelaide. Calculou-se um impacto de 150 G.
 
Häkkinen, naturalmente, não correu em Adelaide, mas estava no grid em Melbourne no ano seguinte. “Eu me lembro da dor e do fato de que não conseguia me mexer, mas também entendi que precisava me manter calmo e deixar os médicos fazerem o trabalho deles”, lembrou o piloto, que até então jamais havia vencido na F1.
Mika Häkkinen se acidenta em Adelaide em 1995: preocupação grande na F1 (Foto: Getty Images)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

No dia seguinte, Damon Hill largou na pole, mas foi David Coulthard, que se despedia da Williams para se juntar a Häkkinen na McLaren em 1996, quem pulou na ponta. O escocês tinha tudo para vencer, mas bateu sozinho na entrada dos boxes. “Estava em terceira e reduzi para segunda no começo do pit-lane, mas então houve um tranco do motor e bati meu pé no freio. Quando tentei fazer a curva com o pé no freio, o motor me mandou para a frente, travei as rodas e bati no muro”, disse. Hill, então, retomou a frente e partiu para a 13ª vitória da carreira.

 
Michael Schumacher, já campeão, abandonou na 26ª volta em razão de um acidente.
 
Com fortes concorrentes fora da briga devido aos tantos problemas, o povo veio subindo. Johnny Herbert estava em segundo até a 70ª volta, quando parou com a transmissão quebrada. Ali, Olivier Panis se garantiu de vez no pódio.
Gianni Morbidelli foi ao pódio uma vez na vida: em Adelaide (Foto: Forix)
Gianni Morbidelli também se aproveitou, assegurando o primeiro e único pódio da carreira na F1. Também foi o primeiro e único pódio da Footwork, equipe que correu entre 1991 e 1996.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

“Este é o meu dia mais fantástico na F1, com o meu primeiro pódio. Eu gostaria de dedicá-lo a toda a equipe, ao Brian Hart e especialmente ao Jackie Oliver, que sempre acreditaram em mim e me deram a chance de correr por eles”, agradeceu o italiano. Ao todo Morbidelli somou 8,5 pontos em 67 GPs entre 1990 e 1997. Sua melhor posição no Mundial de Pilotos foi o 14º lugar em 1995.
 

O GRANDE PRÊMIO cobre o GP do Brasil neste fim de semana com grande equipe: Flavio Gomes, Evelyn Guimarães, Fernando Silva e Rodrigo Berton. Acompanhe aqui.

PADDOCK GP COM FELIPE MASSA: ASSISTA JÁ

Massa é direto: o GP de Cingapura de 2008, aquele da armação protagonizada por Nelsinho Piquet, deveria ter sido…

Posted by Grande Prêmio on Quarta, 11 de novembro de 2015

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube