Na Garagem: grande promessa alemã, Bellof morre em batida na Eau Rouge

Um cara que tinha tudo para ir longe na F1, Stefan Bellof morreu tragicamente durante a disputa dos 1000 km de Spa no ano de 1985

Foi de forma trágica que chegou ao fim a carreira do promissor Stefan Bellof — o cara que muita gente acreditou que se tornaria o primeiro alemão campeão do Mundial de F1. Em 1º de setembro de 1985, há exatos 31 anos, o piloto da Porsche morreu em uma forte batida com o belga Jacky Ickx na curva Eau Rouge.

 
Bellof fazia jornada dupla: além de competir na F1 com a Tyrrell, também guiava no Mundial de Marcas — equivalente ao atual Mundial de Endurance — com a Porsche.
A última corrida de Stefan Bellof na F1 foi o GP da Holanda de 1985 (Foto: Forix/Rob de Korte)
Em 1984, ele foi campeão de Pilotos no Mundial de Marcas, e também ganhou notoriedade por boas apresentações na F1. Uma delas foi no GP de Mônaco, quando largou em 20º e chegou em terceiro. No entanto, a Tyrrell seria excluída do campeonato meses mais tarde após ser descoberto que o time estava burlando o peso mínimo do carro estipulado pelo regulamento técnico.
 
Bellof também é o dono da volta mais rápida já registrada no Nordschleife durante uma prova oficial, 6min11s13, na classificação para os 1000 km de Nürburgring em 1983.
 
Na temporada 1985, voltou a competir tanto no Mundial de Marcas quanto no de F1. Perdeu o GP do Brasil, mas foi sexto sob o dilúvio que caiu em Estoril e chegou em quarto no GP dos Estados Unidos. Em 25 de agosto, despediu-se da categoria no GP da Holanda.
 
Sete dias depois, Bellof estava brigando pela vitória nos 1000 km de Spa. Ele e o Ickx, já um veterano de 40 anos, haviam acabado de entrar em seus carros e estavam disputando posição no mergulho para a Eau Rouge. Ickx estava melhor posicionado, mas Bellof não quis ceder e tentou se manter em uma posição boa para tentar uma manobra no alto do morro. A consequência foi um toque em alta velocidade.

Enquanto Ickx conseguiu sair por conta própria de seu Porsche destruído, Bellof ficou em uma condição bem pior. Seu protótipo rompeu a primeira barreira de proteção e acertou com violência uma segunda. O carro ainda pegou fogo. O resgate demorou mais de dez minutos para retirá-lo do cockpit, e Bellof foi declarado morto após chegar ao centro médico do circuito, nem uma hora depois da batida.
Stefan Bellof defendia a Porsche no Mundial de Endurance (Foto: Reprodução)
Aos 27 anos, Bellof havia sido chamado por Enzo Ferrari para discutir uma eventual proposta para a temporada 1986 da F1. O encontro não chegou a acontecer.
 
A partir de sua morte, as equipes de F1 passaram a impor maiores restrições para seus pilotos participarem de provas de outras categorias — algo que era muito comum principalmente nos anos 60 e 70.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube